sábado, 23 de maio de 2015

De lá para cá e de cá para lá


Syriza tem que fracassar, senão, como os governos dos outros países da União Europeia continuarão dizendo a seus povos que não há alternativa?

Vale a pena seguir o Blog do Emir, vale a pena seguir o que o economista político brasileiro Emir Sader vai escrevendo sobre o que se passa do lado de lá e do lado de cá. É uma das minhas fontes para perceber o que se passa do lado de lá e para identificar os ensinamentos para o lado de cá. Afinal de contas, ao contrário de cá, lá as forças progressistas tiveram, apesar de todas as dificuldades, vitórias significativas desde a viragem do milénio. Cá, as derrotas têm-se sucedido. Uma das razões é indirectamente apontada por Sader: “Uma certa esquerda europeia tem dificuldade de compreender o caráter nacionalista, antimperialista, popular, dos governos posneoliberais.” Uma certa esquerda europeia ainda dominante não acerta na chave ganhadora da política nas semiperiferias e nas periferias do sistema mundial. Entretanto, o Syriza, claro, não tem de fracassar: basta só levar o seu carácter objectivamente nacionalista, antimperialista e popular até às suas consequências mais óbvias. Precisamos mesmo no lado de cá de governos pós-neoliberais, ou seja, de governos que reconquistem a margem de manobra que só a reconquista de instrumentos de política pode conceder.

3 comentários:

Aleixo disse...

A "representação",

não passa de uma marioneta do poder instalado e,
quem não dispõe dos instrumentos do sistema, só tem uma arma

- a Soberania do Povo.

Antonio Cristovao disse...

Espero que nas vitorias do lado de lá não esteja a greve de dois meses que a maior universidade da America do sul, tem heroicamente arruinado um ano lectivo e um prestigio que se vinha a cimentar. E que a politica de odio que tem tornado a Venezuela um estado ingovernavel se tenha instalado agora no Brasil tambem.
A arrogancia de quem passa por cima do progresso e deixa um país na miseria devia poder ser julgado em tribunal revolucionario.

Ricardo disse...

Essa tal esquerda não quer entender(essa mencionada pelo Samir)porque está ao serviço do globalismo(maçónico,fabiano etc),tal como o marxismo-leninismo nos vários países trabalharam para a internacional comunista(como ser patriotas cantando a internacional?).