terça-feira, 29 de abril de 2014

Todo um modelo


1. Portugal é o sexto país com maior aumento da população prisional. A ascensão do Estado penal é o outro lado do atrofiamento do Estado social, para usar a útil distinção do sociólogo Loic Wacquant que aqui temos por várias vezes referido. De resto, sabemos que os países desenvolvidos economicamente mais desiguais têm, entre outros problemas sociais, uma maior percentagem de pessoas presas e uma maior percentagem da força de trabalho empregue em actividades de vigilância e de controlo. Todo um modelo.

2. Setor financeiro gasta 120 milhões de euros em lóbi na União Europeia. O consenso de Bruxelas também se constrói assim: a maior distância em relação aos espaços onde está a democracia é a maior proximidade em relação aos espaços de certas fracções do capital. Se a integração europeia realmente existente não existisse, teria de ser inventada pelo capital financeiro. Todo um modelo.

8 comentários:

Anónimo disse...

Entretanto:
"John Kerry pede aos países da NATO para não diminuírem os orçamentos de defesa"

De

Jaime Santos disse...

Quem diz que estes 'liberais' defendem menos Estado? Basta olhar para o exemplo do Chile por volta de 1973 para percebermos qual é a inspiração. E não indo tão longe, temos também o exemplo do Reino Unido durante a greve dos mineiros sob Thatcher, ou a repressão que se seguiu aos motins de Londres em 2011, em que foram condenadas a penas absurdas pessoas que tinham cometido o que eram essencialmente 'petty thefts'... Chama-se a isto criar 'ações exemplares', para o proletariado perceber quem manda... Mas não se trata apenas do aumento da aparelho repressivo da Estado. Atrás disso vem todo um conjunto de serviços e equipamentos de segurança que podem ser concessionados aos privados (o que já existe p.e. com as milhentas câmaras nas cidades, de eficácia bem duvidosa). Quanto ao poder dos lóbis, trata-se de afastar o Estado de onde ele mais incomoda: cumprir a Lei é bom para vocês, mas não para mim... É a hipocrisia organizada a funcionar em beleza...

Anónimo disse...

as prisões são um negócio lucrativo tem que se manter bem cheinhas

Anónimo disse...

Estou de acordo com Jaime Santos.
"O Estado ao serviço dos grandes grupos económicos e financeiros nacionais e estrangeiros é um Estado ao serviço dos interesses da classe dominante. E a classe dominante utiliza o Estado como instrumento de coacção, de repressão e de exploração da maioria do povo.
O Estado continua a isentar escandalosamente no plano fiscal grandes quantidades de capital dinheiro e a transferir milhões de euros directamente para o capital financeiro em nome da salvação do País, enquanto aumenta os impostos sobre os rendimentos do trabalho e os chamados impostos cegos, como o IVA e a destruição de direitos sociais."
João Dias Coelho

De

António Marques Mendes disse...

Entretanto, atribuiem-se condecorações inoportunas como estas:
http://marques-mendes.blogspot.pt/2014/04/condecoracoes-inoportunas.html

Anónimo disse...

é a opção pelo subdesenvolvimento generalizado que está em marcha acelerada no nosso país, caminha-se para o 4º Mundo.

R.B. NorTør disse...

Inoportunas? Se há momento em que são oportunas é agora!

Anónimo disse...

Era bom que se desse a atenção que é merecida ao ilustre académico que é o Prof. João Ferreira do Amaral.