quinta-feira, 24 de março de 2011

A “esquerda” que se sujeita e a direita que mente


Parece-me que ganhamos alguma coisa se olharmos para a nossa crise política como resultado e início de uma nova fase, directamente política, da (Des)união Europeia em construção.

De Maastricht a Lisboa, a União Europeia trancou-se numa constituição e em tratados internacionais que procuravam tornar praticamente inviável qualquer alternativa que não seja a que “os mercados globais” determinam. A intenção era exactamente essa. Se alguma coisa caracteriza o liberalismo bastardo dos nossos dias é precisamente o seu desdém pela democracia e o propósito confessado de “libertar a economia” da política. Sabemos aonde isso nos levou, mas não aprendemos, ainda.

Paradoxalmente, essa arquitectura constitucional foi desenhada com a activa participação, quando não com o entusiasmo, da social-democracia europeia. Muitos socialistas portugueses dizem hoje reconhecer e lamentar essa deriva neoliberal da social-democracia.

O nó górdio da camisa de onze varas europeia situa-se na total dependência dos estados quanto às suas necessidades de financiamento das mega-instituições financeiras chamadas mercados (bancos e fundos de investimento). A mentira mais bem sucedida dos nossos dias condensa-se numa frase: “o dinheiro não cai do céu”. É verdade que para as famílias e para cada um de nós “o dinheiro não cai do céu”, mas na realidade o dinheiro cai do céu para os bancos: ele é criado pelos bancos, em última análise pelos bancos centrais. Acontece que os tratados, contrariamente ao que sucede por exemplo nos EUA, impedem o Banco Central Europeu de financiar os estados directamente, deixando-os entregues às instituições financeiras que por sua vez são generosamente financiadas pelo BCE para adquirir títulos de dívida soberana que depois o BCE recompra (nos mercados secundários) ou aceita como garantia de novos créditos. A ideia é simples: sujeitar os estados à “disciplina dos mercados” que é o mesmo que dizer impedir os estados de disciplinar os mercados.

Quando a crise bancária e a recessão chegou à Europa o dinheiro caiu do céu a rodos sobre os bancos, os “estabilizadores automáticos” dispararam, pacotes de estímulo orçamental foram adoptados, e as despesas e as dívidas públicas aumentaram, como não podia deixar de ser. Tudo isto foi decidido em cimeiras do G20 e da União Europeia e estaríamos bem pior se não tivesse sido, não exactamente assim, mas parecido.

Mas, ao primeiro sinal vindo da Grécia de que “os mercados” estavam relutantes em financiar os estados, e à falta de uma alternativa que os permitisse substituir, a “disciplina dos mercados” impôs-se ao bom senso e a Europa iniciou a viragem austeritária. A UE tirou o tapete aos estados endividados e os mais pequenos e vulneráveis (nem sempre os mais endividados) ficaram com a batata quente nas mãos. Agora, contrariada, a EU reinterpretava os tratados para permitir que o BCE comprasse dívida pública aos bancos e para providenciar a “ajuda” aos estados falidos. Mas, sob o signo da austeridade, a “ajuda” prestada à Grécia e à Irlanda veio a revelar-se letal.

É claro que se a camisa de onze varas não fosse o que é teria havido outro caminho: políticas orçamentais e monetárias amigas da recuperação, investimento público, até que os níveis de desemprego dessem sinais de abrandamento e a redução dos défices e da dívida pudessem ter lugar sem nova recessão. Agora todos sabemos, incluindo os nossos austeritários sem vergonha, que não há solução para a dívida que não passe pelo crescimento e que não há crescimento com esta dose austeritária.

O austeritarismo é na realidade todo um programa de destruição dos serviços públicos, dos direitos laborais, do Estado Social e a crise a oportunidade para o executar. É um programa incompatível com os valores mais básicos da esquerda, de que nenhuma força política de esquerda, ou vagamente de esquerda, pode ser executante sem que com isso se suicide. É também um programa que violenta algumas das aspirações mais sentidas da maioria dos europeus que nenhuma força política de direita pode assumir sem que com isso perca a menor das hipóteses de vir a governar em democracia.

Em resumo, o austeritarismo – o programa político que “os mercados globais” determinam – condena à morte qualquer “esquerda” que a ele se queira submeter e obriga a direita a ocultar as suas intenções sob uma retórica justicialista ou nacionalista. Forçados a “escolher” entre uma “esquerda” que se sujeita “aos mercados” (e não os sujeita) e uma direita hipócrita, só podemos desesperar da política. A “esquerda” que se sujeita afunda-se para ser substituída pela direita que mente enquanto a mentira não se torna patente para voltar a “esquerda” que se sujeita com promessas que não pode, ou nem mesmo quer, cumprir. O tempo político comprime-se. Os ciclos políticos tornam-se cada vez mais curtos. Isto é aquilo a que deveremos talvez chamar ingovernabilidade.

Os chamados países periféricos da zona euro (e com eles toda a União Europeia) estão a ser empurrados para um trilema: ou se deixam transformar em protectorados com “governos” de turno efémeros, de direita ou de “esquerda”, a executar o programa austeritário até que a recessão, a divergência e a bancarrota os separe do continente; ou partem eles próprios à aventura; ou não se sujeitam e, coordenadamente entre eles e com outras esquerdas europeias que não se sujeitam, conseguem inflectir o rumo suicidário que foi imposto à Europa.

Por mim prefiro a reconstrução europeia e uma esquerda que não se sujeite em Portugal e que dê prioridade à construção de uma esquerda europeia que não se sujeita, representando-a em Portugal. Uma esquerda que tenha a sabedoria necessária para evitar as recriminações contra os que têm tido a coragem e a energia de dar o melhor de si e seja capaz de nos oferecer um lugar político abrangente e suficientemente poderoso para além da “esquerda” que se sujeita e da direita que mente.

15 comentários:

Diogo disse...

«Forçados a “escolher” entre uma “esquerda” que se sujeita “aos mercados” (e não os sujeita) e uma direita hipócrita, só podemos desesperar da política»


A "esquerda" e a "direita" constituem os dois braços de um mesmo poder: o poder financeiro. Este, dá-nos sempre duas "alternativas" para que tenhamos a ilusão de escolher em "liberdade" e sentir que vivemos em "democracia". É tudo uma enorme mentira.

João Carlos Graça disse...

Caro José Maria
De acordo no essencial. Com um corolário importante: a "UE" realmente existente não pode ser senão aquilo que é. Foi desenhada e foi parida precisamente para isso mesmo. Não é defeito, é feitio. Assunções de base: estabilidade dos preços über alles, primado da sacrossanta concorrência, pressões organizadas para a baixa dos salários através de "guerra de todos contra todos" dos assalariados, etc. No desenho propriamente político: irresponsabilidade do BCE, irresponsabilidade da CE face ao PE (que é, confessemo-lo, a folha de parra de pseudo-pudor, ou de hipocrisia, que não chega a tapar a falta de democraticidade do conjunto da "coisa"), quase-irrelevância orçamental da CE face aos governos nacionais, primado das jogadas diplomáticas de bastidores, ausência de um verdadeiro debate político europeu enquanto tal e por aí fora.
O pior dos cegos é, diz-se, o que não quer ver. Os cristãos chamam a isso, creio, "pecado da soberba"; os gregos antigos chamavam-lhe "hubris". A obsessão de "partidos únicos à esquerda" dos partidos da área do PS fez que eles: 1) não sejam únicos, 2) sejam cada vez menos verdadeiros partidos (muito mais networks clientelares...) e 3) decididamente não sejam - de todo em todo não sejam - de esquerda.
A situação é quanto a isso tão patética que opiniões sensatas e intelectualmente probas acabam por ser, hoje em dia, mais fáceis de encontrar em certos ambientes oficialmente de direita do que por essas paragens. Deixo-te aliás aqui um exemplo, sugerido por smithianos "libertários", a propósito da possível saída do Euro e da partida "à aventura", que até tu me parece neste momento temeres:
http://www.adamsmith.org/think-piece/economy/how-ireland-can-leave-the-euro/
Ah, sim, e em matéria de alinhamentos políticos e de diálogos, se me permites, uma sugestão: sim, de todo em todo sim, a acordos prévios BE-PC (se não houver isso, de resto, o PS vai continuar a tentar - e por vezes conseguir - cooptar sectores de cada um deles à vez...). Daí partir-se-á depois, se houver sucesso nessa "pré-eliminatória", para um "diálogo" com o PS, claro, ou aliás com quem na área do "pântano central" se mostrar sensato. Ah, mas se esses sinais acabarem por vir do lado do PSD, não te admires. Considera por favor o site "smithiano" que te deixei.
Saudações cordiais e votos do melhor.

João Carlos Graça disse...

Caro José Maria
De acordo no essencial. Com um corolário importante: a "UE" realmente existente não pode ser senão aquilo que é. Foi desenhada e foi parida precisamente para isso mesmo. Não é defeito, é feitio. Assunções de base: estabilidade dos preços über alles, primado da sacrossanta "concorrência", pressões para a baixa dos rendimentos do trabalho através da "guerra de todos contra todos" dos assalariados, etc. No desenho propriamente político: irresponsabilidade do BCE, irresponsabilidade da CE face ao PE (que é, reconheçamo-lo, a folha de parra de pseudo-pudor, ou de hipocrisia, que não chega para esconder a falta de democraticidade do conjunto da “coisa”), quase-irrelevância orçamental da CE face aos governos nacionais, precedência absoluta das jogadas diplomáticas de bastidores, ausência de um verdadeiro debate político europeu enquanto tal, e por aí fora.
O pior dos cegos é, diz-se, o que não quer ver. Os cristãos chamam a isso, creio, "pecado da soberba"; os gregos antigos chamavam-lhe "hubris". A obsessão de "partidos únicos à esquerda" dos partidos da área do PS fez que eles: 1) não sejam únicos, 2) sejam cada vez menos partidos, muito mais “networks” clientelares... e 3) decididamente não sejam - de todo em todo não sejam - de esquerda.
A situação é quanto a isso tão patética que opiniões sensatas e intelectualmente probas são, hoje em dia, mais fáceis de encontrar em certos ambientes oficialmente de direita do que por essas paragens. Fica aqui aliás um exemplo, sugerido por smithianos "libertários", a propósito da possível saída do Euro e da partida "à aventura" que até tu me parece neste momento temeres:
http://www.adamsmith.org/think-piece/economy/how-ireland-can-leave-the-euro/
Ah, sim, e quanto a alinhamentos políticos, se me permites, uma sugestão: sim, claro que sim, a entendimentos prévios BE-PC. Se isso não acontecer, de resto, se essa “frente comum” não emergir, parece-me ficarem ambos condenados a fornecer espaço de manobra às operações de cooptação parcial que o PS não deixará de tentar com ambos. Depois disso (se se passar nessa espécie de “pré-eliminatória”), “diálogo” com PS, claro, e aliás com toda a gente da área do “pântano central”… Mas se reacções de sensatez e de realismo acabarem por surgir primeiro do lado do PSD, não te admires. Considera o site que acima te sugeri.
Saudações cordiais e votos do melhor.

Restauramus disse...

Tremendamente bem escrito, mas e soluções? Está tudo mal segundo o autor do texto, mas como podemos mudar? Nunca serei de esquerda,aliás sou sem reservas do CDS-PP, mas neste momento discutir esquerda ou direita pouco me importa, importa Portugal. Logo, pergunto, e soluções? Porque só dizer mal tb o meu irmão de 9 anos diz!

andré disse...

concordo inteiramente.

era essa a esquerda que queria, mas não é essa a esquerda que vejo.

e escapa-me como há duas coisas que surgem fora do debate:

1. que a solução política de uma europa unida vai muito para lá da economia. é antes de mais uma almofada de conflitos.

2. as duas grandes guerras começaram na europa do centro-leste. se uma união europeia (com minusculas pq não falo deste edifício institucional especificamente) cai, a coisa complica-se novamente para aqueles lados.

3. uma solução como a proposta no post é a ideal. não entendo como não se fala dos partidos europeus em todo este debate e ainda bem que isso veio aqui ao de cima.

andré disse...

já agora, o 3º ponto estaria em cima, antes dos outros dois. peço desculpa por não ter revisto logo.

Anónimo disse...

Deixo aqui um repto a João Carlos Graça e ao autor do artigo: Se os países do Sul propuseram a sua saído do euro segu do ukm modelo semelhante ao concebido por Sapir a Alemanha at´agradece. Quem é que não deseja e por quê? Em primeiro lugar Papandreou e Trichet. E muitos mais? Alguém mes expliva isto? Não me parece grande mistério. As "elistes alemãs" não precisam de nós para nada. A patranha do made in Germany já não pega. Nós não vamos pagar o que compramos e eles já sabem disso.


Jorge Rocha

Anónimo disse...

Lula faz parte dessa esquerda que se agachou aos mercados? Bem me parecia o biltre...

Miguel Fabiana disse...

Caro José Castro Caldas,

Estendo aqui o meu protesto/reclamação que já tive a oportunidade de partilhar com o Jorge Bateira.

Só é pena que tenhamos que bater tão fundo (e ainda não batemos NO fundo) para nos lembrarmos que afinal TODAS as Esquerdas PODEM e DEVEM unir-se em torno de uma causa nobre e milenar: PORTUGAL.

Respondia-me o José Manuel Pureza, à minha proposta de união da Esquerda Portuguesa: "alimentar equívocos é o pior que podemos fazer para combater o rotativismo ao centro."Unidade à esquerda", "construção de um pólo eleitoral à esquerda" - eis o vosso desafio. Vou a ele com frontalidade. Para vos dizer que o que importa é a identificação de orientações políticas de fundo para o país - no emprego, na garantia de uma efectiva universalidade dos serviços públicos, nas prioridades para as políticas orçamentais, na adopção de uma reforma fiscal orientada para a justiça e para a responsabilização dos sempre beneficiados, no combate eficaz à precariedade e aos falsos recibos verdes. É na convergência em torno de opções sobre isto que se construirá (ou não) uma governação de esquerda. Somas de siglas sem clareza programática são um embuste".

Como é óbvio, não vou responder agora e aqui a estas afirmações do José Manuel Pureza, mas elas são, para mim, o exemplo daquilo que é a preocupação em determinar e afirmar o que "separa" as várias esquerdas Portuguesas em vez da procura daquilo que DEVE UNIR TODA a Esquerda Portuguesa: Portugal.

Diz a história e validam os factos históricos que um dia o PCP "recomendou" o voto, numas eleições Presidenciais, no Mário Soares...

A Esquerda Portuguesa vai assistir impávida e serena, lavando as mãos como Pôncio Pilatos, á união da Direita naquele que é o maior ataque da história dos direitos do Trabalho, dos últimos 50 anos?!?!?

É tão cínico e hipócrita aquilo que une a Direita parlamentar como é aquilo que separa TODA a Esquerda Portuguesa!!!

A Liderança da actual política Portuguesa está cheia de egos mitómanos self-narcísicos!

so dep disse...

Took me time to learn all of the comments, however I actually enjoyed the article. It proved to be very helpful to me and I'm certain to all of the commenters right here! It is all the time nice when you can't only be informed, but in addition engaged! I'm positive you had joy writing this article. Anyway, in my language, there will not be much good source like this.

sim so dep disse...

Resources just like the one you mentioned here might be very useful to me! I will post a hyperlink to this page on my blog. I am positive my visitors will find that very useful. Massive thanks for the useful info i discovered on Area Information Anyway, in my language, there are not much good source like this.

gccf disse...

Took me time to learn all of the comments, however I actually enjoyed the article. It proved to be very helpful to me and I'm certain to all of the commenters right here! It is all the time nice when you can't only be informed, but in addition engaged! I'm positive you had joy writing this article. Anyway, in my language, there will not be much good source like this.

gulf coast claims facility disse...

Properly, that is my very first visit in your weblog! We're a group of volunteers and beginning a brand new initiative in a community within the same niche. Your weblog supplied us useful information to work on. You might have carried out a marvellous job! Anyway, in my language, there are not much good supply like this.

bp claims process disse...

I have been trying to Gain entry to this website for a while. I was using IE then once I tried Firefox, it worked just effective? Simply needed to convey this to your attention. This is actually good blog. I have a bunch myself. I really admire your design. I know that is off matter however,did you make this design your self,or purchase from somewhere? Anyway, in my language, there usually are not much good supply like this.

gccf claims disse...

Thank you for the wise critique. Me & my neighbour have been getting ready to do a little analysis about that. We received an excellent guide on that matter from our local library and most books where not as influensive as your information. I am very glad to see such information which I used to be searching for a protracted time.This made very glad! Anyway, in my language, there aren't a lot good source like this.