terça-feira, 29 de setembro de 2009

Impeachment

Ouve falar há vários meses de suspeitas de escutas e só hoje se lembra de pedir a peritagem (não ao sistema de comunicações, mas ao sistema informático). Sabe que um seu assessor acusa o governo de espionagem, mas não o corrobora nem o desmente - e acha isso normal. Perante a notícia de que esse assessor falou em seu nome, afirma que ninguém fala em seu nome, mas também não o demite (apenas o afasta das funções). Quando todos vimos o PSD a usar as suspeitas de vigilância para alimentar a teoria da asfixia democrática, limita-se a acusar o “partido do governo” de tentativas de manipulação e insiste que é um homem isento. Fazendo a declaração mais destabilizadora que podia fazer neste momento delicado, quer que acreditemos que constitui o garante da normalidade democrática.

O homem que nunca se engana e raramente tem dúvidas não está no seu pleno juízo. Quanto tempo mais teremos de viver com alguém assim à frente da República?

14 comentários:

Ricardo Alves disse...

Destituição, só com dois terços dos deputados.

Victor disse...

E não se pode destituí-lo?
Finalmente alguém que faz referência (ainda que em estrangeiro) à destituição de Cavaco Silva do cargo de Presidente da República. Apesar de o actual detentor do cargo em vez de garantir o normal funcionamento das instituições democráticas ser quem as desestabiliza, demonstrando assim que não tem condições (perfil?) para o exercício das funções, parece que não há forma de o destituir (pelo menos foi o que concluí da leitura apressada que acabei de fazer à Constituição). Só se poderia desencadear o processo de destituição no caso de ele cometer algum crime (e não faço ideia se o que ele anda a fazer pode ser tipificado como tal).
A alternativa é o próprio decidir renunciar, mas isso era preciso que ele tivesse o discernimento necessário para concluir que deixou de ter condições para o exercício do cargo. Ora, discernimento foi o que ele provou não ter ao longo deste processo que, para já, teve o seu cúmulo na comunicação desta noite.
Perante isto, que tal (e parafraseando o que ele disse quando o Soares era o PR) se o ajudássemos a terminar o mandato com dignidade? Ou seja, que tal "convencê-lo" a renunciar?
Como ao que parece ele não irá participar nas comemorações oficiais da implantação da República, no dia 5 de Outubro, que tal organizar-se uma manifestação para esse mesmo dia, em frente ao Palácio de Belém, para ver se o convencemos a renunciar ao cargo?

Helena Romão disse...

Concordo com o Victor.

Eu própria voltei a consultar a Constituição durante a semana passada para ver que circunstâncias e instâncias poderiam obrigá-lo a sair.

Julgo que não conseguiremos convencê-lo, mas mostramos que percebemos o que ele fez e que estamos a ver.
Pelo menos não nos deixamos enganar calados...

5 de Outubro, frente ao Palácio de Belém pela renúncia ao cargo.

Anónimo disse...

sei de fonte segura (e não, não é o Sr. Lima) que o nosso Presidente tem Parkinson, e que é quase certo que não se recandidatará, tal a rapidez com que avança. E que nos meandros de Lisboa se começam já a contar espingardas tendo isto em conta. Porque razão recusou Manuel Alegre ser deputado? O que leva Marcelo a defender todas as posições que o Presidente tem tido até agora?
"eu não sou ingénuo e vocês também não..."

croky disse...

Um governo com Alzheimer e um PR com Parkinson ?

Alzheimer:

Cada paciente de Alzheimer sofre a doença de forma única, mas existem pontos em comum, por exemplo, o sintoma primário mais comum é a perda de memória. Muitas vezes os primeiros sintomas são confundidos com problemas de idade ou de estresse. Quando a suspeita recai sobre o Mal de Alzheimer, o paciente é submetido a uma série de testes cognitivos. Com o avançar da doença vão aparecendo novos sintomas como confusão, irritabilidade e agressividade, alterações de humor, falhas na linguagem, perda de memória a longo prazo e o paciente começa a desligar-se da realidade (bem parece o nosso governo). As suas funções motoras começam a perder-se e o paciente acaba por morrer.

Esta mensagem é uma analogia e sem qualquer tipo de ofensa aos portadores das doenças.

croky disse...

Noutro tom

Lembram-se de Clinton e da Mónica ?

Mais analogias tipo:

"Eu não fiz sexo com as escutas"

Pois não, sexo "oral" não conta como sexo pois não El Rey Sr. Silva ?

Além disso, todos sabemos que Belém tem bicos que se farta!

croky disse...

"Pelo menos não nos deixamos enganar calados..."

Minha cara, mesmo abrindo a boca estamos a ser todos enganados. Esta novela só serve para entreter o povão. Isto cada vez mais está a precisar de uma grande volta à maneira antiga. Ai está está ...

croky disse...

CÓDIGO PENAL
Disposições relevantes em matéria de comunicação social

PARTE ESPECIAL
TÍTULO I
DOS CRIMES CONTRA AS PESSOAS

CAPÍTULO VI
Dos crimes contra a honra

ARTIGO 180.º
(Difamação)

1- Quem, dirigindo-se a terceiro, imputar a outra pessoa, mesmo sob a forma de suspeita, um facto, ou formular sobre ela um juízo, ofensivos da sua honra ou consideração, ou reproduzir uma tal imputação ou juízo, é punido com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 240 dias.

2- A conduta não é punível quando:
a) A imputação for feita para realizar interesses legítimos; e
b) O agente provar a verdade da mesma imputação ou tiver tido fundamento sério para, em boa fé, a reputar verdadeira.

3- Sem prejuízo do disposto nas alíneas b), c) e d) do n.º 2 do artigo 31.º deste Código, o disposto no número anterior não se aplica tratando-se da imputação de facto relativo à intimidade da vida privada e familiar.

4- A boa fé referida na alínea b) do n.º 2 exclui-se quando o agente não tiver cumprido o dever de informação, que as circunstâncias do caso impunham, sobre a verdade da imputação.

5- Quando a imputação for de facto que constitua crime, é também admissível a prova da verdade da imputação, mas limitada à resultante de condenação por sentença transitada em julgado.

ARTIGO 181.º
(Injúrias)

1- Quem injuriar outra pessoa, imputando-lhe factos, mesmo sob a forma de suspeita, ou dirigindo-lhe palavras, ofensivos da sua honra ou consideração, é punido com pena de prisão até 3 meses ou com pena de multa até 120 dias.

2- Tratando-se da imputação de factos, é correspondentemente aplicável o disposto nos n.ºs 2, 3, 4 e 5 do artigo anterior.

...

ARTIGO 187.º
(Ofensa a pessoa colectiva, organismo ou serviço)

1- Quem, sem ter fundamento para, em boa fé, os reputar verdadeiros, afirmar ou propalar factos inverídicos, capazes de ofenderem a credibilidade, o prestígio ou a confiança que sejam devidos a pessoa colectiva, instituição, corporação, organismo ou serviço que exerça autoridade pública, é punido com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 240 dias.

2- É correspondentemente aplicável o disposto:
a) No artigo 183.º; e
b) Nos n.ºs 1 e 2 do artigo 186.º

Orlando disse...

O Cavaco sempre me irritou, votei bloco de esquerda. No entanto acho que o Cavaco tem toda a razão, embora se tenha expressado de uma forma desajeitada. Ele vai ter o meu voto para a releição. Nunca se viu um acto de coragem de um presidente a um ano do fim do primeiro mandato. Só por isso, o homem merece o meu respeito.

Miguel Fabiana disse...

...parece que tudo isto por causa das "vulnerabilidades do sistema" (qual sistema?) !

O Homem não tem perfil nem competência para este "emprego" !

Raimundo_Lulio disse...

"Fazendo a declaração mais destabilizadora que podia fazer neste momento delicado".
Então,
Cavaco é um revolucionário!tem o meu voto!

Anónimo disse...

v

Francisco disse...

O Cavaquismo em tempo de vacas gordas (com os milhões da CEE então a entrar) foi isto:

-Porrada na Ponte
http://www.youtube.com/watch?v=F9n9utFe0RY

-Porrada em Videriros e tudo o q se mexia na Marinha grande
http://www.youtube.com/watch?v=WgW3cvUPs-8

-Porrada nos estudantes

-Porrada nos trabalhadores
http://www.youtube.com/watch?v=WgW3cvUPs-8

-Porrada nos Polícias
http://www.youtube.com/watch?v=A_cucSt45h4

Como será o "Cavaquismo" em tempo de crise e recessão? Eu é que não quero descobrir às minhas custas!

CAVACO PARA A RUA!
http://www.youtube.com/watch?v=_OY7VNPx6Xk

E À PAULADA SE FOR PRECISO COMO FOI DA ÚLTIMA!
(à pois é bé bé)

Anónimo disse...

Podemos, eu já o fiz. Infelizmente nõa pode segundo a constituição ter efeitos imediatos. Está por isso na hora de repensar a revisão da deficiente constituição que desde há muito já não servve ao povo portugues. Sejamos onestos, não podemos ficar agarrados eternamente a uma revolução que já não serve nem servirá ás novas gerações. É como uma droga da qual estamos dependentes e da qual não nos conseguimos libertar. Que diabo, tudo tem o seu timing. Vamos virar-nos para outro lado. Está na hora de novas e inovadoras revoluções, que produzam efeitos benéficos e duradouros, revoluções que demitam presidentes e governos nem que seja à base da força. A geração de politicos actuais e seus seguidores " de todos os quadrantes" já não nos serve, nem tão pouco é suceptível de reciclagem. O que não serve deita-se fora, não se guarda no sótao como os mónos, só ocupam espaço que deve ser dedicado às coisa que nos são úteis.
Aqui fica o meu obrigado para todos os que partilham da minha opinião e o meu respeito por todos aqueles que não concordam. Reflecção é urgente.