segunda-feira, 8 de março de 2010

Entre os especuladores e a lumpemburguesia?

"Adam Smith já nos tinha alertado no século XVIII: cada vez que os capitalistas de um mesmo ofício se reúnem para conversar, geralmente é para conspirar contra o público. Adam Smith não tinha visto nada. Alguns grandes especuladores nos mercados cambiais, que desde a abolição dos controlos de capitais se têm entretido a ganhar dinheiro à custa da devastação das economias, encontraram-se recentemente para jantar em Nova Iorque, segundo o 'Wall Street Journal'. No menu estava a aposta na desvalorização do euro e, qual profecia auto-realizada, a eventual implosão da zona euro." O resto da minha crónica no i pode ser lido aqui.

5 comentários:

João disse...

Haverá talvez alguma justiça em criticar os especuladores quando atacam moedas pouco representativas cujos os governos têm pouca capacidade economica. Ainda que mesmo nesse caso, parece-me que o que devia ser discutido é porque é que ainda há países que mantém as suas moedas locais quando claramente não têm dimensão economica para garantir a sua estabilidade monetária.

No entanto, a única razão porque os especuladores conseguem atacar efectivamente moedas com a dimensão do euro, é a infinita irresponsabilidade dos governos. No caso do euro é sobretudo irresponsabilidade dos PIIGS e dos seus governos cleptocratas, mas também irresponsabilidade dos restantes governos da zona euro que permitiram o comportamento abusivo dos PIIGS e autorizaram o BCE a fazer uma expansão monetária suicida.

Se a politica economica da zona euro fosse conduzida de forma responsavel os especuladores nada podiam fazer, pois não têm dinheiro suficiente para só por si influenciarem o preço do euro.

Quanto à situação actual, o open show and sell, os self fulfilling profecies, será feio concerteza, mas é um importante mecanismo de regulação da economia, sem o qual os governos cometeriam abusos muitíssimo mais graves.

Pois não se esqueçam que a pressão dos especuladores só está a reflectir hoje as consequências inevitáveis das politicas irresponsaveis que foram seguidas.

Ainda que proibissem toda e qualquer especulação, dentro de poucos anos teriamos inflação a 2 digitos, pelo menos, e uma acentuada desvalorização do euro.

pvnam disse...

««mini--spam»»

Desaparecer por desaparecer... mais vale vender... do que ser comido por parvo-à-Servia e desaparecer à borla!


---> Bye, bye Portugal, Espanha, França, etc...
---> É uma 'situação natural' - a História sempre foi assim: em virtude de migrações... a nova população não se revê na Identidade Nativa... e então... depois surgem novas identidades...
---> No Kosovo aconteceu uma 'situação natural': aqueles que estão numa corrida demográfica (pelo controlo de novos territórios) comeram os sérvios por parvos... e a antiga identidade 'DESAPARECEU' À BORLA! Analogamente, afectadas por uma nova população - que não se revê na Identidade Nativa - será uma 'situação natural' o desmantelamento de muitas Identidades que, por enquanto, ainda andam por aí...


---> A população nativa portuguesa está a definhar... e (só os parvos-à-Sérvia é que não vêem isso)... o país está condenado a desaparecer.
---> MAIS VALE VENDER O PAÍS, por exemplo, à China... do que, comidos como parvos-à- Sérvia, entregar o país à borla aos futuros novos dominadores da demografia desta região do planeta.
[nota: os Russos venderam o Alasca aos Norte-Americanos, e agora fala-se da Grécia...]



ANEXO:
Todos Diferentes! Todos Iguais!
TODOS os povos - quer os de maior, quer os de menor, rendimento demográfico - devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!
Concluindo: antes que seja tarde demais, há que mobilizar, para um separatismo, aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência...

Anónimo disse...

Mas por que carga de água não se faz a estes fulanos ( os tais banqueiros (chulos e são todos); especuladores e outros quejandos seus defensores (e são muitos mesmo em Portugal) o que Israel (o novo Estado Nazi-Fascista) está a fazer aos Palestinianos.
Assim acabava-se com a peste e com a peçonha.

Miguel Rocha disse...

"os especuladores nada podiam fazer, pois não têm dinheiro suficiente para só por si influenciarem o preço do euro."

Ó João, não sei não. Com a quantidade de offshores que existem estão reunidas as condições para a especulação em larga escala. E lembremo-nos que os especuladores não são os pequenos accionistas mas sim pessoas que podem-se dar ao luxo de especular através dos seus recursos (registados ou não).

João disse...

Concerteza que há condições para a especulação em larga escala, mas essa larga escala não é suficiente para, só por si, influenciar o preço do euro.

O especuladores precisam que o mercado em geral acredite na desvalorização e até na possivel desintegração do euro, pois só assim conseguirão que os cambios de movimentem na direcção que pretendem.

Se os especuladores conseguissem influenciar só por si o câmbio euro-dollar, haveria ataques ao euro e ao dollar regularmente como acontece com as moedas menos representativas.

Para mais, se não houvesse claras razões para o euro se desvalorizar, os especuladores não estariam todos a apostar do mesmo lado, haveria os que acreditam na subida e os que acreditam na descida, e se esta condição se verificasse, o impacto dos especuladores não só seria pequeno, como até teria efeitos benéficos, ao dar liquidez aos mercados e permitir que as pessoas que transacionam divisas para fins comerciais sofram spreads menores nos cambios.