sexta-feira, 19 de março de 2010

... E contra os predadores


«O Programa de Estabilidade e Crescimento que o Governo apresentou ou vai apresentar à Assembleia da República é um dos actos mais gravosos da história da República, de consequências incalculáveis, por tudo o que ele contém de sacrifício inútil imposto por pessoas que se demitiram de pensar, incapazes de aceitar e compreender qualquer ideia que não sejam as veiculadas pela ideologia dominante.
(...)
Independentemente dos votos, o PEC tem de ser derrotado na rua com medidas ainda mais radicais do que as postas em prática pelo povo grego.
Um programa que aponta como meta de futuro a degradação dos salários reais, a precariedade, o trabalho temporário, o aumento crescente e permanente do desemprego, a ansiedade como companheira inseparável da vida, a desagregação social, enfim, um sistema que não é capaz de criar as condições mínimas de vida em sociedade e relega uma parte considerável dos seus membros, ano após ano, para a periferia da vida, é um sistema que tem de ser derrubado por qualquer meio!»

9 comentários:

Senador Mourato disse...

Contudo, o sistema que o postador porventura defende, teria, apenas, o condão de muitos de nós pegarem em armas para defender a democracia. Tenha juízo e vá a correr para a Coreia do Norte rapaz!

Força Emergente disse...

Caros amigos
Subscrevemos na integra o vosso post.
Se for necessário ir á Coreia do Norte, iremos.
Se for necessário pegar em armas para defender a democracia, pegamos.
Do que não temos dúvidas é que este sistema político não serve, nem a classe de oportunistas que dele se sustenta interessa ao País.

Friedman disse...

Extremismo do PREC falhou!

Social-Democracia desde então falhou!

Só nos resta o LIBERALISMO!!!

Voltemos a dar o poder ao povo (sejam eles ricos ou pobres).

A solidariedade deve ser promovida, principalmente, pelas pessoas, não por burocratas sedentos de votos.

O investimento de ser realizado por pessoas, não por burocratas!

Enquanto o estado português não for bom nas funções que consensualmente deveria ser... não tem moral para crescer nem mais um cêntimo em mais área NENHUMA!!!

Marx disse...

Friedman, vá mas é para o Chile de Pinochet!

Anónimo disse...

Ao Sr. Morato, Senador

Não seria a primeira vez, nem seguramente a última.
Senador, vá para as Honduras ou pa a Colômbia. Lá terá países à altura da sua cidadania!
J

Friedman disse...

Quando o Milton Friedman lá foi gerou o maior crescimento económico da história do Chile, só parado por uma crise mundial...

Bem falta cá fazia!!

Marx disse...

Friedman,

o modelo económico do Friedman, quando foi aplicado ao Chile, tornou um país industrializado com um nível de vida próximo da Europa Ocidental, num país terceiro-mundista, onde a riqueza era expatriada e a indústria destruída. A própria situação orçamental do Estado tornou-se preocupante com o crescimento galopante do défice e uma subida da inflação ainda maior que a existente durante o governo de Allende.

Isto obviamente, sem contar com as faltas de liberdades políticas e a repressão que foi necessário implementar para levar a cabo O Paraíso do Mercado Livre.

O que safou o Chile foi o Pinochet mandar renacionalizar as minas de cobre para equilibrar as contas do Estado. Mas ainda hoje o Chile é dos países mais desiguais a nível mundial.

O que aconteceu no Chile, a implantação de uma ditadura a pretexto do Mercado Livre, também se passou no Uruguai, Brasil e Argentina e noutra zona do mundo, a Indonésia.

Anónimo disse...

Ó Friedman.!
Antes o PREC do que o PEC.
Um foi ordenados e vida digna o outro é uma vida de miséria.
Um foi o aumento dos rendimentos do trabalho(vocé sabe o que é isso.!? Dúvido.!), o outro é o roubo a quem trabalha e não só.
O Socrates há-de pagar pelo mal que tem feito a este país e a este povo.
Mas também o CDS (o Portas) e o PSD hão-de pagar toda a miséria que têm feito.

João disse...

"a degradação dos salários reais, a precariedade, o trabalho temporário, o aumento crescente e permanente do desemprego, a ansiedade como companheira inseparável da vida, a desagregação social, enfim, um sistema que não é capaz de criar as condições mínimas de vida em sociedade e relega uma parte considerável dos seus membros"

Enquanto não tivermos um sistema de educação a serio que forme profissionais qualificados em vez de inuteis, tudo isto continuará a acontecer e em dozes cada vez maoires. Como é que se pode pagar bons salarios a pessoas que não sabem fazer nada? Os recursos são limitados, para se consumir mais é preciso produzir mais!