quinta-feira, 28 de julho de 2016

A insustentável inconsistência dos seres


«Não há nenhuma razão para agravar o tratamento da Comissão Europeia dentro do procedimento por défice excessivo na medida em que, fora o que foi contabilizado por causa do Banif, Portugal não teve um défice acima dos 3% em termos nominais.» (Pedro Passos Coelho a 13 de maio, dez dias depois de a Comissão Europeia ter indicado que a decisão sobre sanções seria tomada considerando um défice de 3,2% em 2015)

«Este procedimento não se refere só ao desempenho do passado, mas com a trajetória para o futuro. O que a Comissão está a dizer é que não acredita na consistência das medidas do Governo até 2019.» (Miguel Morgado a 12 de maio, dois dias depois do primeiro debate de orientação do colégio de comissários, em que Bruxelas considerou a possibilidade de aplicar sanções a Portugal e Espanha)

«[Portugal poderá vir a ser alvo de sanções porque] muitos dos governos da Europa têm dúvidas sobre aquilo que se está a passar no país, (...) sobre as reformas importantes que estão a ser revertidas, sobre a maneira como estamos a andar para trás em vez de andar para a frente.» (Pedro Passos Coelho a 23 de julho, o dia em que constava que Bruxelas iria pedir a suspensão de 16 fundos estruturais como sanção a Portugal).

«Hoje é um dia bom para Portugal. (...) O ano de 2015 foi avaliado, os resultados foram avaliados, sabemos que o resultado dessa avaliação é sanções zero para Portugal. (...) Portugal cumpriu e qualquer tipo de sanção seria injusto e injustificado.» (Miguel Morgado a 27 de julho, o dia em que a Comissão Europeia decidiu cancelar a aplicação de sanções a Portugal).

6 comentários:

Antonio Cristovao disse...

Olhando para os Sss, que vêm a seguir ao zero, diria que a leitura do Morgado está certa.

Anónimo disse...

Estes gajos brincam com as pessoas.

Anónimo disse...

A leitura de Morgado está certa?

Ó Cristóvão por favor. Torne a ler os doos comentários do Morgado ...um a seguir ao outro. E veja se encontra as dez diferenças.

Depois leia por favor o comentário do anónimo das 02 e 19. Sabe até onde vai o "conjunto" dos gajos?

Manuel Silva disse...

Ó Anónimo das 09:12,
O Cristóvão é analfabeto.
Deram-lhe uns textos para ir colando nos blogues onde comenta e é isso que vai fazendo.
Diz sempre mais ou menos o mesmo.

Jaime Santos disse...

Não acho que eles andem aos Sss. A lógica é límpida. Se levássemos com sanções a culpa era da Geringonça, como não levamos o mérito é da PáF (e pouco importa que o défice, excluindo o Banif, tenha sido 3,2%, acima do limite dos 3%). Heads I win, tails you lose... Agora, alguém acredita nisto fora da São Caetano e do Caldas? Claro que não, por isso oxalá que continuem assim por muitos e bons anos...

Anónimo disse...

morgado está errado, passos idem. podem fazer os spins que quiserem, branquear o que quiserem. o que os documentos e comunicados oficiais das entidades europeias dizem, preto no branco, é:

1 - portugal falhou o cumprimento das metas entre 2013-2015 e por isso decidiu-se abrir um procedimento com vista á aplicação de sanções.

2 - após escutados os argumentos das várias partes, actual governo português incluído, e tendo em conta o desempenho até agora em 2016, decidiu-se cancelar as sanções. nao é aplicar sanções zero: é cancelar.

portanto, 1-o governo anterior falhou, ponto final parágrafo no assunto e, 2-até agora o governo actual não está a falhar.