terça-feira, 8 de maio de 2012

Aprender

Do ponto de vista da esquerda brasileira, o que nós desejaríamos era coligações políticas democráticas fortes para iniciar um processo de retirada desses países da crise a partir de critérios diferentes dos que estão a ser utilizados. É difícil dar opinião sobre países tão distantes de nós, mas é possível, porque todos estamos imersos num processo de globalização organizada pelo capital financeiro articulado mundialmente, que nos faz padecer de problemas análogos. A nossa experiência de fazer o contraponto a esta dominação global é sair da crise crescendo, gerando empregos, fazendo uma transição na sociedade de baixo para cima com fortes instrumentos de inclusão social e educacional. A experiência brasileira diz-nos que adoptar a receita de recessão, de desemprego e de redução das funções públicas do Estado não é boa. Causa descoesão social, radicaliza a luta de interesses na sociedade, sectariza as lutas políticas e gera desconfiança da cidadania em relação à esfera da política e isso pode comprometer as instituições democráticas a médio e longo prazo.

 Tarso Genro, Governador do Rio Grande do Sul e ex-ministro brasileiro, em entrevista ao Público.

2 comentários:

Luís Coelho disse...

O compadrio na politica é uma praga nefasta e infestante.
É mundial e não se restringe a um país.
Doenças modernas e que pelos vistos não tem cura.

Anónimo disse...

Aprender, implica abertura a posições alheias.
Recapitular não é aprender.