sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Do barulho e da falta dele

Já muito se escreveu neste blogue sobre a recente polémica em torno dos contratos de associação do sector privado com o Ministério da Educação. Muito haverá ainda por dizer, mas gostaria de deixar duas notas à margem da discussão:

1. A blogosfera desempenhou um papel importante na denúncia do que estava em causa face à, no mínimo, pobre cobertura mediática. Inicialmente, a imprensa não fez mais do que dar conta das posições das duas partes, ministério e colégios. Posts como este, este ou este (da direita minimamente coerente) influenciaram claramente o rumo da cobertura mediática. Finalmente, os jornais perceberam que a esmagadora maioria destes colégios não serve nenhum propósito de provisão de ensino em regiões não cobertas pela rede pública. O próximo passo é tentarem compreender como funcionam estes colégios: condições de trabalho dos professores, métodos de selecção de alunos, organização interna das turmas, etc...

2. É lamentável o silêncio da esquerda à esquerda do PS neste processo. Depois de se terem abstido na votação parlamentar, PCP e BE optam por não se pronunciar sobre a actual contestação (talvez ande distraído). A defesa da escola pública passa por denunciar estes contratos, mesmo que tal implique ser crítico dos críticos do Governo. Por outro lado, é de louvar a posição do Sindicato dos Professores da Região Centro, bastante clara sobre o que está em causa.

6 comentários:

Ricardo disse...

Se consultar o sítio www.pcp.pt verá que o PCP tem vindo a pronunciar-se sobre esta matéria. Aproveitando o contributo dos sindicalistas do Sindicato dos Professores da Região Centro.

Anónimo disse...

Caro ricardo,

Antes de escrever, tentei encontrar alguma notícia nos dois sites, mas não encontrei nada.

nuno

Francisco Castelo Branco disse...

quando toca a defender interesses privados, a esquerda cala-se em unissono

raisuna adimar disse...

é de louvar a posição do Sindicato dos Professores da Região Centro.

pois a maioria dos professores dos colégios não são sindicalizados

só os do quadro por vezes se sindicalizam

logo é paradoxal

raisuna adimar disse...

é verdade que muitos colégios são regidos por ex-funcionários do ministério da educação ou seus familiares

também os centros de explicações
que têm funcionários públicos

o que é certo é que o sindicato em 30 anos nada falou

e são casos que se conhecem há anos
de resto também há sindicalistas e directores de escolas públicas

com interesses privados vários

muitos ligados à "indústria do ensino

o que é certo é que se calaram

agora deu-lhes jeito falar

Hakeem disse...

Junto mais um Colégio para a colecção dos que se andam a portar mal: O Colégio da Nossa Senhora da Assunção, concelho de Anadia. Deixo aqui um link de um blogue local onde ando a debater o mesmo que vocês e parece que estou a falar para paredes. Denunciem mais este caso paradigmático, pois vocês têm muito mais capacidades que eu para “entalar” estas corporações.

http://anadia100gente.blogspot.com/2011/01/sos-movimento-educacao-fecha-colegio-de.html