quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Nos EUA correu muito bem...

Banco de Portugal e Associação Bancária Portuguesa estudam a criação de um veículo para a titularização de créditos imobiliários.

3 comentários:

José dos Berlindes disse...

A verdade é que a retirada das carteiras de imobiliário da banca seria uma medida positiva... toda ela. É uma inutilidade económica e um potencial dano social hoje a banca andar a gerir esse parque imobiliário, esses penhores financeiros.

...

Nuno teles disse...

Caro josé,

A proposta não diz respeito ao parque imobiliário detido pela banca, mas sim aos créditos concedidos por esta para a compra de casa. A ideia é titularizar estes créditos para depois os vender em mercado e aumentar assim a liquidez da banca.

Um processo desenvolvido nos EUA e a que são atríbuidas responsabilidades no desencadear da crise financeira.

O mistério, para mim, é quem é que vai comprar créditos nacionais com baixas taxas de juro, mesmo que garantidos pelo Estado como parece ser o projecto da Associação de Bancos.

José dos Berlindes disse...

Caro Nuno,

pois bem:formalmente o parque imobiliário não é dos bancos, que de facto só detêm os activos de crédito. Mas com o aumento do incumprimento a separação entre intangivel (activo financeiro) e tangivel (imóvel) torna-se de facto mais difusa...

É preciso constatar o facto que o peso que o crédito imobilário tem nos balanços dos bancos portugueses é uma distorção económica e financeira sem parelo...

Ainda, o facto de a maioria dos créditos estarem indexados a taxas variáveis é uma inovação financeira aplicada ao mercado nacional com consequências ao nível da precarização da gestão dos orçamentos familiares ao longo dos últimos anos...

Mas de facto: a mera titularização financeira (a la americana) não melhora à partida as coisas. Porém não há por essa Europa fora, exemplos de instituições financeiras especializadas na concessão de crédito imobiliário?

De resto, os bancos já se andam a desfazer das carteiras, nomeadamente para convergir com aqueles famigerados 120% da troika. C. Costa só tira da cartola os coelhos.. que já estão fora da cartola!

Quanto ao comprador e à liquidez (só compra.. quem está líquido..), isn't there allways a buyer of last resort?