segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Acordai

O que é mais extraordinário é a total impotência que revelam os povos do Sul – no nosso caso com genuíno síndrome de Estocolmo institucional. Como é que é possível que a Europa do Sul não discuta em conjunto a saída do euro, a única arma de negociação com peso de que dispõe? Tal como está, o euro vai matar o Sul da Europa e dar pouca saúde ao Norte. Esperar uma mudança substancial na Alemanha é sonhar com ladrões. 

Ana Sá Lopes é uma rara editorialista que escapa à sabedoria convencional e que coloca a questão de economia política nacional, ou seja, de economia política europeia, que mais importa no presente contexto.

3 comentários:

O faroleiro disse...

isto é mesmo a sério?

alguém quer sair do euro?

sabem o que isso significa no curto prazo? nem o BE vai tão longe


qual é o valor de uma ameaça deste tipo?

é a ameaça do suicida...

Luís Coelho disse...

Não será certamente impossível tomar esta iniciativa aqui apontada, mas os gorilas já minaram toda a capacidade de resistência dos povos do sul.
Agora estão mais pobres e mais dependentes e começarão a ser tratados como escravos.

D., H disse...

“Esperar uma mudança substancial na Alemanha é sonhar com ladrões.”

Pois é. Tanto mais que o nosso peso específico na Alemanha é zero! Merkel e o seu governo fazem o que mais lhes interessa, e não adianta continuar a barafustar contra eles. A quem convém esse “inimigo inacessível” que está longe, tal bode expiatório?
Temos é que pedir contas ao governo de Passos Coelho e aos colaboracionistas que aproveitam desta situação, e que continuam com a mira na apropriação de tudo o que é público.
E como bem sugere Ana Sá Lopes, concertarmo-nos com os outros PIIGS para sairmos do Euro. Antes que seja tarde…