sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Carta aberta

«Nenhum candidato à liderança do Governo podia invocar desconhecimento sobre a situação existente. O Programa eleitoral sufragado pelos Portugueses e o Programa de Governo aprovado na Assembleia da República, foram em muito excedidos com a política que se passou a aplicar. As consequências das medidas não anunciadas têm um impacto gravíssimo sobre os Portugueses e há uma contradição, nunca antes vista, entre o que foi prometido e o que está a ser levado à prática.
(...) Ao embuste, sustentado no cumprimento cego da austeridade que empobrece o País e é levado a efeito a qualquer preço, soma-se o desmantelamento de funções essenciais do Estado e a alienação imponderada de empresas estratégicas, os cortes impiedosos nas pensões e nas reformas dos que descontaram para a Segurança Social uma vida inteira, confiando no Estado, as reduções dos salários que não poupam sequer os mais baixos, o incentivo à emigração, o crescimento do desemprego com níveis incomportáveis e a postura de seguidismo e capitulação à lógica neoliberal dos mercados.
(...) No meio deste vendaval, as previsões que o Governo tem apresentado quanto ao PIB, ao emprego, ao consumo, ao investimento, ao défice, à dívida pública e ao mais que se sabe, têm sido, porque erróneas, reiteradamente revistas em baixa.
(...) Perante estes factos, os signatários interpretam - e justamente - o crescente clamor que contra o Governo se ergue, como uma exigência, para que o Senhor Primeiro-Ministro altere, urgentemente, as opções políticas que vem seguindo, sob pena de, pelo interesse nacional, ser seu dever retirar as consequências políticas que se impõem, apresentando a demissão ao Senhor Presidente da República, poupando assim o País e os Portugueses ainda a mais graves e imprevisíveis consequências.»

Da carta aberta, subscrita por cidadãos de diferentes quadrantes da sociedade portuguesa, entre os quais Mário Soares, ontem enviada a Pedro Passos Coelho e dada a conhecer a Aníbal Cavaco Silva.

1 comentário:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

A carta é um grito dos que sofrem e de quantos foram enganados e traídos.

A pergunta é esta:
que mais nos adianta falar, gritar, protestar....?
Enquanto eles puderem fazer o que querem fá-lo-ão e pouco se incomodarão com as suas próprias mentiras...

Depois perto das eleições virão dizer que tudo foi a bem da nação e o povo que se ...lixe...