sábado, 9 de abril de 2011

A democracia como obstáculo

Já sabemos que o próximo governo português vai ser decidido, não a 5 de Junho, mas lá para meados de Maio, quando as condições do empréstimo do FEEF/FMI forem definidas. Não contente com isso, um grupo de personalidades assina hoje um manifesto que, para além de um conjunto de banalidades, assinala dois importantes pontos: 1- “(...) compromisso entre os principais partidos, com o apoio do Presidente da República, no sentido de assegurar que o próximo Governo será suportado por uma maioria inequívoca (...)”; 2- “(...) consenso mínimo deverá formar-se sobre o processo de consolidação orçamental e a trajectória de ajustamento para os próximos três anos prevista na última versão do Programa de Estabilidade e Crescimento”. Conclusão: a democracia é uma chatice e o que é necessário é um compromisso entre os partidos para que os portugueses não tenham opção de escolha. O único caminho possível é o da austeridade, com os excelentes resultados que todos conhecemos.

Não surpreende a convergência, e coincidência, destes intelectuais orgânicos do poder com as declarações de Alexandre Soares dos Santos, presidente do grupo Jerónimo Martins: "Tem de haver um acordo pré-eleitoral" entre os principais partidos. O que, sim, surpreende é ver nomes como os de Boaventura Sousa Santos, Siza Vieira ou Júlio Pomar a fazerem o frete. Sinceramente, espero que tenham sido ludibriados.

Entretanto, olhos postos na Islândia. Uma lição em curso.

10 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
jvcosta disse...

Esquecimento? Pior, muito mais doloroso para quem viveu na minha geração, é ver nessa lista o nome de Jorge Sampaio

Anónimo disse...

Mas a Islândia recorreu ao FMI. Neste referendo está em causa o reembolso dos depositantes estrangeiros. Os contribuintes não querem ser responsáveis pelo excesso dos bancos. É o que Merkel pensa ao ter obrigado os parceiros a aprovar o fundo de resgate que entrará em vigor em 2013.
de que referendo estão a falar?

Jorge Rocha

Anónimo disse...

É inacreditável ao que se assiste...portugueses a sugerirem que os portugueses têm de ser enganados para que se possa fazer o que alguns portugueses e outros estrangeiros querem que se faça. A mentalidade vigente é uma boa imagem da democracia que temos. Conluios para que sejam os que menos voz têm a pagar a pesada factura(nem que seja em termos relativos).

Manuel Veiga disse...

um simples esboço de convergência à esquerda e entram em activismo "democrata" ...

João Carlos Graça disse...

Sim, Nuno, de facto em parte "surpreende ver nomes como os de... fazerem o frete".
Mas, por outro lado, onde há "intelectuais orgânicos" há também "hegemonia", certo? That's the point!
Hmm "...que tenham sido ludibriados"... bem, num certo sentido sim, mas as mundivisões é mesmo o que fazem, não é verdade?
A "ideologia" - desculpem lá maçar-vos com esta velharia, mas em nome da probidade intectual é exactamente o que tenho de fazer - o que faz mesmo é isso: fornecer uma "falsa consciência"... que é também, frequentemente, uma boa consciência!
Bem, vejo que divago. Em suma, esta malta em princípio fixola está toda, obviamente, muitíssimo desorientada. À esquerda é o desnorte pegado e quase total... É a profunda iliteracia económica generalizada, reforçada e manipulada pelos media... e tudo isso coroado ainda pelo enquistamento dos dois tipos de Não no referendo ao Diktat... cada um deles, claro, "rei das suas dores":
http://www.youtube.com/watch?v=CGEJcizQEXk
É mesmo necessário, parece-me, "começar de novo":
http://www.youtube.com/watch?v=mQYUDvYVjUo
Que remédio! Mas confesso que já dava jeito começar a não cair tantas vezes, e sobretudo tão fundo...

João Carlos Graça disse...

Ah e bom, sobretudo, sobretudo, vejam lá se não resvalam para simpatias mais ou menos cripto-comunistas, hein? Sobretudo isso!
Vejam aqui o Corrado Guzzanti, sff:
http://www.youtube.com/watch?v=LUGX9_2qLSk&feature=fvwrel

Anónimo disse...

Parece que no fundo há sempre a ideia da união nacional: sem discussão tudo se resolve. Há nomes na lista que espantam!!!!!!

Anónimo disse...

O Boaventura é um homem de reputação internacional, goste-se ou não. Só isso desperta muitas invejas...

Rogério G.V. Pereira disse...

Todos os nomes dentro do quadrado. Os tempos estão dificeis para a coerência... Paciência. O Povo um dia saberá o que fazer (só falta acontecer...)