quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Depende de nós: greve geral

Elogio da Dialéctica

A injustiça avança hoje a passo firme
Os tiranos fazem planos para dez mil anos
O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são
Nenhuma voz além da dos que mandam
E em todos os mercados proclama a exploração;
isto é apenas o meu começo

Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem
Aquilo que nós queremos nunca mais o alcançaremos

Quem ainda está vivo não diga: nunca
O que é seguro não é seguro
As coisas não continuarão a ser como são
Depois de falarem os dominantes
Falarão os dominados
Quem pois ousa dizer: nunca
De quem depende que a opressão prossiga? De nós
De quem depende que ela acabe? Também de nós
O que é esmagado que se levante!
O que está perdido, lute!
O que sabe ao que se chegou, que há aí que o retenha
E nunca será: ainda hoje
Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã.


Bertolt Brecht

4 comentários:

Rogério Pereira disse...

Coincidências de escolhas?

meirelesportuense disse...

Estive lá, encontrei amigos, vi gente conhecida, escutei palavras iguais às minhas tantas vezes ditas secretamente, senti-me acompanhado na revolta que me envolve.
Só por isso valeu a pena!

antónio m p disse...

Acredite, Rogério, que me ocorreu a mesma ideia e que só não publiquei porque me pareceu pouco apelativo. "É a vida", isto é, são afinidades que a vida cria.

raquelbrancofreire disse...

que lindo, joão.