sábado, 4 de dezembro de 2010

Alarme pela democracia

Espanha. Controladores aéreos em greve. Entrevistas na TV com passageiros histéricos virados contra os controladores em greve. Todos contra todos. Ninguém com toda a razão. Estado de emergência (ou de alarme ou lá o que é) decretado pelo governo de turno. Aeroportos tomados por militares incapazes de operar as funções de controlo aéreo. Controladores obrigados a trabalhar com pesadas ameaças de prisão.

Dentro em pouco estará reposta a normalidade, mas só até à próxima excepção. São as engrenagens do austeritarismo em movimento. Estado de alarme sim, mas pelos sinais evidentes de perigo para a democracia.

34 comentários:

José Luiz Sarmento disse...

Estado de sítio. Chamam-lhe estado de alarme, mas isto é puro newspeak. Quando deixar de ser excepção vão passar a chamar-lhe estado de excepção.

Anónimo disse...

copio aqui o comentario que deixei no 5dias porque mereceis ouvir algumas verdade:

**para que não haja dúvidas sou um esquerdista militante do bloco a viver em madrid**

é muito típido de bloggers desinformados publicar tudo o que lêem sem o minimo sentido de análise ou crítica.. é tão fácil criticar tudo o que se mexe e ser apologistas de todas as greves, sem sequer pensar de tratam realmente os problemas...

Factos sobre o que está a acontecer em Espanha:
1) de facto, o que fizeram os controladores foi ilegal, não se trata duma greve; mas sim de alegar doença para não trabalhar e receber na mesma. não tiveram a coragem suficiente de avisar que fariam greve pelo impacto que causaria, por isso às 19h do dia 2, (dia de partida de milhares de pessoas para passar a ponte do dia 7, porque em espanha é feriado 2a e 4a feira da proxima semana) decidiram abandonar os postos de trabalho afectando a mais de 500.000 trabalhadores em toda a españa que só queriam, como eu, ir passar a ponte do dia 7 aos seus países de origem. havia pessoas que iam voar para américa do sul (como um amigo meu que ia de madrid para o Brasil para se casar) após muitos meses de trabalho mal pago e que ficaram retidas, assim como crianças com cancro que iam fazer operações, idosos, etc... continua a parecer-te razoável o que fizeram?

2) os controladores aéreos são uns previligiados e há que admitir-lo. os seus salários brutos anuais vão dos 200.000€ aos 600.000€, ou seja, como mínimo ganham 15€mill liquidos mensais. queixam-se dos turnos e não sei quê... tudo bem! mas que escolham as datas que mais fodem todos os outros trabalhadores parece-me indecente e de uma tamanha falta de solidariedade para com todas as pessoas que apenas querem descansar uns dias por ano e que ganham uma migalha comparando com esta gente... razoável não? coitadinhos dos belmirinhos que controlam os avioes...

3) o que o ZP fez foi uma palhaçada como é óbvio. eu presenciei o acto mediático do exercito a distribuir mantas aos viajantes em barajas, lamentável... quando há gente a dormir ao relento pelas ruas de madrid e o exercito não mexe uma palha...

no entanto,

4) dizer que a democracia está suspensa é uma mentira grandiosa e pura demagogia... se não sabem do que falam calem-se simplesmente... eu que vivo aqui em madrid, ler este post dá-me risos hoje porque está totalmente fora de contexto e de qualquer factualidade. lamento, mas como leitor assíduo do blog, estou desapontado...

5) dizer que o exercito furou a greve também é mentira porque não se trata de uma greve, mas sim de uma ilegal recusa a trabalhar alegando falsos motivos de doença e prejudicando dessa forma milhares pessoas e ao mesmo tempo, num período díficl, com o que vivemos, causar tamanho impacto na economia já debilitada de um país...

hoje, por tudo o que passaram os milhares de trabalhadores que todos os dias se matam a trabalhar para ganhar migalhas e que por culpa de meia dúzia de previligiados com salários milionários não puderam voar aos seus países/cidades de origem para passar alguns dias com os seus maridos/esposas/filhos/pais/avós/amigos, eu digo "que se fodam os controladores aéreos!"

tia judite disse...

Se este grupo corporativo, ousassem fazer o que fizeram num regime comunista, seriam todos passados pelas armas...ou 30 anos numa qualquer Gulag siberiano.Fez bem o Governo meter os militares a suprir essa gente bem de vida, com remunerações altissimas e cheios de previlegios. A mim já nada me espanta, quando vejo os esquerdistas (para mim são a direita moderna)a apoiar as classes elitistas mais burguesas. O mundo gira, Marx não o previu.

fernando f disse...

Consegue ver alguma pontinha de razão numa paralização selvagem, desencadeada por questões de previlégio!? Sem distinguir o essencial do acessório, jamais a esquerda porá a mão no fogo do poder,contribuindo assim para que o capital financeiro nos vá fritando em lume qb, conforme o apetite.

José M. Castro Caldas disse...

Vejo nisto um ensaio geral. Um aproveitamento de um bom pretexto. Exercícios. E gostaria muito de estar enganado.

Porfirio Silva disse...

Caro José Castro Caldas,
Acho que é precisa uma completa falta de discernimento para achares que escreveste um post de esquerda ao escreveres este post. É uma pena que pessoas que pensam à esquerda, e sabem pensar, se precipitem para qualquer coisa que pareça "rebelião" como se isso fosse necessariamente sinal de uma acção de esquerda.
Deves ter saudades das greves dos maquinistas. Mas essas pele menos eram greves.

José M. Castro Caldas disse...

Vejo nisto um ensaio geral. Um aproveitamento de um bom pretexto. Exercícios. E gostaria muito de estar enganado.

João Carlos Graça disse...

Anónimo escreveu:
"...é muito típido de bloggers desinformados publicar tudo o que lêem sem o minimo sentido de análise ou crítica..."
E também:
"...os controladores aéreos são uns privilegiados e há que admitir-lo. Os seus salários brutos anuais vão dos 200.000€ aos 600.000€, ou seja, como mínimo ganham 15€mil liquidos mensais."
Tem a certeza? Mínimo de 15€mil liquidos mensais?
Será que o preceito de dúvida implícito no primeiro parágrafo se aplica em cheio ao segundo? Não é este o género de discurso (contra os "privilégios", os "grupos corporativos", etc., etc.) a que o socratismo precisamente nos habituou na última meia dúzia de anos?
Ainda assim, note-se: longe de mim duvidar dos méritos da dúvida... Mas não será este um caso de "matéria de facto" susceptível dum simples desmentido e/ou duma confirmação?
É que o nível do debate ganhava de certeza...

Anónimo disse...

Sempre me considerei de "esquerda" ainda que sem grande militância. Cheguei, no longínquos anos 70, a levar umas cacetadas por causa de uns anarquistas catalães condenados ao garrote pelo Franco. Cheguei a fazer mais de mil quilómetros para dar voto a uma lista sem qualquer hipótese de eleger. Hoje sinto-me perplexo com a deriva da "Esquerda" Absolutamente incapaz de reequacionar a realidade e propor novos caminhos, envereda por outros muitos estranhos que mantêm como ponto de referência o antiamericanismo, faz dos Sheiks e Mollhas paladinos da revolução, tem pejo em criticar o manicómio da Coreia, agarra-se a "greves" de explorados que vivem com umas míseras centenas de milhares de euros, são contra as portagens .... Mas o que eu tenho mais dificuldade é em entender porque é que continuo a votar num partido dita da esquerda.. Que é que me aconselham? Há quem me diga que é um problema de memória, devo ir ao psi?

Tuga

Jorge Martins disse...

Pelo teor de alguns comentários, só posso admitir duas alternativas: ou a "boyada" socratina resolveu atacar nos Ladrões ou há gente de esquerda a cair na armadilha da direita neoliberal, de lançar trabalhadores contra trabalhadores.
Admito que os controladores aéreos ganham bem mais que os trabalhadores comuns, mas não é por isso que deixam de ser trabalhadores. Lembro também a grande responsabilidade da função que desempenham e o stress a ela associado. Aumentar-lhes ainda mais as horas de trabalho não só destruirá ainda mais a sua saúde psíquica e física mas também poderá colocar em risco a segurança do tráfego aéreo.
Confesso que, quando oiço o habitual discurso socratino contra os "privilegiados" ou os "interesses corporativos", me apetece atacar "unhas e dentes".
Porque, contra os verdadeiros privilegiados e os verdadeiros interesses corporativos (banca, seguradoras, fundos financeiros, grandes empresas - não por acaso, "corporations" nos EUA) não falam.
A estratégia do capital financeiro é estimular as invejas dos mais fracos contra os do meio (ou outros mais fracos) para que os do alto continuem a lucrar. No fundo, a velha máxima de dividir para reinar. Enquanto não percebermos isso e continuarmos a preocupar-nos com o colega, o vizinho do lado ou outros grupos profissionais não vamos a lado nenhum.

Miguel Lopes disse...

Há pessoas que não percebem o que é uma greve e muitas dessas pessoas, infelizmente, são de esquerda.
Elas acham que greve só existe se for legal, se for selvagem não é greve. Pensam elas que a greve não deve incomodar os outros trabalhadores - "crianças com cancro que iam fazer operações" -, e que este tipo de chantagem emocional faz sentido, não deve saber que a greve deve ser feita exactamente quando doí mais. Elas acham que a greve não pode ser um instrumento de luta para quem ganha 200 mil euros/ano ou se quer que esses milionários o possam fazer por eles e por outros (embora não arrisque que seja esse o caso). A última noção, é a de que a greve serve apenas e só para exigir melhorias salariais ou de condições laborais, e não mudanças políticas mais profundas.
Todas estas acepções querem fazer da greve o mais inconsequente e despolitizado simulacro institucional, cheio de "significados cívicos", simbolismos vários e balelas quejandas, que na luta de classes concreta não valem os tomates de um grilo.

Quanto à questão concreta: aumento da carga horária, diminuição do valor das horas extraordinárias - como do salário -, privatização do sector. Nem que fosse só por esta última razão, já valia a pena fazer greve.

Cumprimentos

Porfirio Silva disse...

Este "debate" é muito ilustrativo.
Quem não concorda é socratino. Já se conhece o "argumento".
Quem não concorda "já se sabe quem é", porque "não ataca as corporations": quem disse?
Entretanto, os controladores são vistos como alguém que quer "mudanças políticas mais profundas"!!!
Que retrato tão triste de quem enche a boca de "esquerda".

Miguel Lopes disse...

"Entretanto, os controladores são vistos como alguém que quer "mudanças políticas mais profundas"!!!"

Não tem vergonha da forma como glosa os comentários dos outros?

Gato Preto disse...

"Quem não concorda é socratino".
Ó Porfírio, você só lê o que lhe convém. Chama-se a isso desonestidade intelectual.
O que eu disse é que alguns comentários aqui deixados ou eram de "boys" socratinos ou de pessoas de esquerda que caíam na armadilha da direita neoliberal de atirar trabalhadores contra trabalhadores. Pensei que você era um destes últimos; afinal, pela sua resposta, parece mesmo um dos primeiros.

Anónimo disse...

"Paralização selvagem ... "deixa-me rir! A burguesia de esquerda começa a ficar nervosa. É sinal que estamos no bom caminho. As águas separam-se ... "Isto" está a ficar interessante.

fernando f disse...

O problema; o problema é este tipo de greves, a dar origem a "mudanças políticas", todos sabemos que mudanças são. O resto é a esquerda ser capaz de harmonizar as divergentes concepções políticas com a coletividade, pois enquanto considerar que o modelo sou 'eu', estamos conversados, isto é: não doe a cabeça à direita.

duarte disse...

É possível que neste caso ninguém tenha a razão inteira .Mas em matéria de patifarias assistimos todos os dias a coisas bem piores ,com a complacência,a cumplicidade e até o aplauso dos governos e dos media dominantes.Veja-se o que se passou recentemente com o roubo de milhões de euros ao fisco por parte de grandes empresas da nossa praça .O PS e PSD lá estiveram no parlamento a sancionar o delito.

moi disse...

alarme pela democracia mas pelas 2 partes. não percebo muito do assunto , mas parece que o aviso de greve é importante para que o estado possa assegurar serviços minímos.
imagine que era pobre e o seu filho adoecia gravemente e eram os médicos funcionários públicos que não queriam trabalhar no privado ( onde um médico faz 500% de mais operações que eles no mesmo tempo ) a fazerem greve selvagem?
o facto de grevarem por não quererem ser funcionários do privado retira-lhes toda a minha simpatia. protestam por serem vendidos e ficarem expostos à concorrência? santa paciência. eu sou cidadã de 2ª , exposta aos caprichos do mercado e às brincadeiras dos rapazes ( investimentos públicos de tirar pelos de uma perna e por na outra ) desde sempre.

Tiago Santos disse...

Por mais que se queira por os controladores aéreos do lado dos maus da fita burgueses há aqui uma diferença enorme:

é que, por exemplo, em relação aos dividendos antecipados, não se pensa em chamar-se o exército, ainda que isso tenha implicações nos filhos de muita gente e no estomago de outras tantas pessoas.

Anónimo disse...

A atitude do governo espanhol de decretar o estado de alarme, mostra como a privatização - uma das razões do protesto é idiota.

Demo Gra Pia disse...

era como os estivadores meia dúzia fazia greve e os portos paravam

muito anos 70 e 80

os estivadores ganhavam bem nesse tempo e trabalhavam pouco mas a horas más
turnos de 6 horas e pelo menos aqui os do burgo iam de táxi para o porto eu ia a pé era pertinho
não tinha 12$50 para dar de bandeirada por dia

uns poucos podem paralisar os outros para eles perder o salário por dia nada era
para os amanuenses que ganhavam uma miséria....pois há trabalhadores mais iguais que outros

uns esfolam-se até ao osso para sobreviver

os restantes sobrevivem esfolando os outros

claro que os turnos são tramados

mas um magarefe, um peixeiro ou um padeiro têm turnos tramados e nenhuma das compensações destes trabalhadores de élite

ou os lixeiros

quanto a centos de milhares de gente que tem $ para gastar em viagens de avião não é importante

as dezenas de milhares de empregos que dependiam desses controladores
e que devido aos prejuízos sofridos

muitos irão engrossar as fileiras dos sem emprego

mas desses nenhum será um controlador de voo
não há excesso deles

só 2 quilómetros fazia-se em 20 minutos

Francisco disse...

Os salários não podem ser atribuídos em função da capacidade de paralisação da economia. E o contraponto a essa chantagem não podem ser Gulags.

Anónimo disse...

A este passageiro retido não se pode dizer que a greve não o afectou. Leiam até ao fim e deixe de seguir a carneirada do "eles são uns privilegiados e uns selvagens":
http://bloguionistas.wordpress.com/2010/12/04/no-controles/

JVC disse...

Este comentário vai entrar também no "post" anterior. É verdade que os controladores aéreos são privilegiados. É verdade que não tiveram a decência de fazer greve como se deve, com perda dos dias de ordenado. É verdade que prejudicaram outros trabalhadores.
Faz-me lembrar que, no nosso período revolucionário, houve greves “politicamente incorretas”, a que me opus, de setores favorecidos, como os metalúrgicos da Lisnave ou os trabalhadores da TAP.
Mas o que está aqui patente, nesta grande lista de comentários, é aquilo que ainda não permite que esta situação, objetivamente tão favorável, se transforme numa situação subjetivamente revolucionária. O nosso problema, gramsciano, é que a situação político-económica estabelecida tem hegemonia, como se vê claramente por estes comentários. Tem, à Gramsci, a hegemonia da ideologia.
Claro que a greve espanhola tem grandes aspetos negativos. Mas eles podem fazer esquecer que, no momento crucial, é essencial ver-se quem está num lado e no outro da barreira? Claro que a greve de trabalhadores privilegiados prejudicou outros trabalhadores. Mas alguma vez uma greve a sério não o fez? Há comentadores que parecem estar contra o esbulhamento dos nossos povos mas terem como alvo outros trabalhadores, mesmno que privilegiados, em vez dos predadores que os estão a atirar uns contra os outros.
Estamos a viver um tempo de rotura e há que escolher claramente a posição, não se pode ter um pé num lado e o outro pé do lado de lá. Eu creio que 2011 vai ser um novo 1848 na Europa. Preparem-se para decidirem onde ficarão, na “barricada”. Conversas como as que ouvi no dia 24, “eu apoio a greve mas não a faço porque é contribuir para o agravamento da crise” até as entendo, mas se não as desmontarmos - outra vez Gramsci - não vamos lá.

JVC disse...

Não concordo com a alusão a uma ação concertada de socratistas. Claro que não sou parvo e digo sempre que "no creo en brujas, pero que las hay, hay". Simplesmente, tendo visto na net exemplos de ação concertada da máquina socrática, não me parece ver aqui o nível de eficácia que lhe é própria. Com isto, acho que a vitimização só enfraquece os ladrões de bicicletas.

Mas dou razão à preocupação do autor com muito do que aqui se escreveu. Partilho-a, mas como sinal de uma hegemonia ideológica que bloqueia para efeitos práticos o grito de revolta de quem o grita sem perceber que ao mesmo tempo "pensa" coisas dessas. "A la calle!"

Anónimo disse...

Os controladores aéreos são privilegiados, etc...ganham 300 mil euros por ano, blá-blá-blá gente estúpida que engole as maiores mentiras da comunicação neoliberal.

Anónimo disse...

Venho pedir menos precipitação no "julgamento" da paralização dos controladores aéroes espanhóis....
Sabem que há 6 anos que tentam aprovar uma convenção colectiva de trabalho sem conseguirem?
Sabem que, pelo menos, na Semana Santa e em 31 de Julho de 2010 o Governo espanhol proibiu os controladores aéreos de fazerem pausas por turnos? Sabem que pretendem que devolvam à empresa os dias por licença de casamento ou os dias de doença?
E sabem que o PP espanhol está a ser muito "solidário" com os controladores aéreos espanhóis para obter trunfos políticos contra Zapatero?
É, de facto, precisa mais informação sobre o que se está a passar em Espanha e, a título muito genéricoe para as "primeiras impressões", sugiro a leitura do EL País de hoje (6.12.2010.
pessoalmente, aprecio a coragem e o sinal inequívoco desta paralização, mas as causas são remotas e é necessário que se saiba que a luta há muito instalada e há que não ir nessa guerra de "trabalhadores contra trabalhjadores", não esquecendo a enorme exigência e desgaste da profissão de controlador aéreo e não nos deixando cair na "inveja" pelos salários que auferem.
Acham proporcionada e razoável a aplicação da justiça militar?
Onde nos leva este caminho?
Enquanto se passar com os outros e não nos interpelarmos, solidarizando-nos, pode esgotar-se o tempo necessário para reagirmos contra...mas devemos estar devidamente esclarecidos do que se passa para lá no nosso umbigo consumidor.
não querem

sara disse...

escreve isto porque não estava a voar com centenas de aeronaves e de repente cai toda a informação de rota.
se fosse o bin laden era terrorismo o que é que isto foi?
não foram efectivamente os estericos como lhe chama os que tiveram a vida em risco. foram os milhares que embarcaram não sabendo que de um momento para o outro iam ficar à deriva.
caramba!

Anónimo disse...

Cara Sara,

O seu avião caiu por causa dos controladores aéreos espanhóis? Caiu algum avião por causa dos controladores aéreos espanhóis?
Demagogia...é o que vejo no seu comentário.

sara disse...

anónimo,
não falo de ética que isso é coisa de demagogos.
Se caissem
é que era chato assim valeu tudo.
vá que eles sabiam que o exercito tinha capacidade de controlar e que os pilotos têm treino para aguentar horas ao deus dará. isto para não falar no divertimento que foi andar três horas em circulo... era só ver rir a malta.
cumprimentos

Maquiavel disse...

É certo que a greve encampotada deveria ter sido feita de outro modo, a bem dizer, legal, com pré-aviso.

O certo também é que se os controladores aéreos ganham esses 15.000€/mês mínimos foi porque lutaram por isso. Ah pois é!
Ou pensam que os patröes deles acordaram um dia e disseram "ehpá, o meu clube ganhou, e estes rapazes até säo porreiros, tomem lá 15.000€/mês!"? Sois täo ingenuozinhos?

Quem ganha o salário mínimo e/ou é explorado nas horas que trabalha deveria tomar o exemplo, para ver se a situaçäo pessoal própria melhora! Unam-se e teräo também privilégios!

Ou o que querem é *toda a gente* a ganhar o salário mínimo? Pensava que esse era só o desejo do patröes, afinal...

Mariazinha disse...

Já agora espreitem aopinião da Mariazinha sobre esses terriveis controladores em

http://fogemariafoge.blogspot.com/2010/12/coragem.html

Beijoca

Anónimo disse...

Cara Sara,

Sabe que entre 7 e 9 de Setembro houve greve dos controladores aéreos franceses e que houve quem estivesse 3 horas dentro de um avião em terra, ao fim das quais os mandaram, ás 00h, para um hotel,acordaram-nos às 4h da matina para entrarem num avião às 7h e às 12h comunicaram que não havia voo?
Parece-lhe melhor a situação só porque não foi consigo? Parece-lhe mais cómoda a situação só porque houve pré-aviso de greve? E acha que os passageiros sabiam? E acha que puderam não estar no aeroporto e sujeitar-se a isto tudo para exercerem os seus direitos?
Deixemos o nosso comudismo e vejamos a floresta que é a violação efectiva e premeditada dos direitos laborais.
Hoje: os controladores aéreos. Amanhã, os seus e os meus.
Os nossos.
A luta deve ser a mesma.

Anónimo disse...

Aprendi muito