quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Condicionamentos ideológicos nos media portugueses (II)



Como disse, os jornalistas parecem muito preocupados, e bem, com a alegada interferência do(s) governo(s) nos media. Porém, pouco lhes parecem importar os evidentes enviesamentos ideológicos que caracterizam certos órgãos da comunicação social. Querem exemplos? Podemos começar com o célebre “Plano Inclinado”, da SIC-N, onde os convidados destilam regularmente os seus ataques generalizados à classe política e ao papel do Estado, por exemplo. Será que não há, na sociedade, pessoas prestigiadas e independentes que tenham uma visão positiva da política e dos políticos (ou, pelo menos, não apenas negativa)? Ou que tenham uma visão positiva sobre o papel do Estado? É óbvio que este tipo de programas não é minimamente plural do ponto de vista ideológico, entendido aqui em sentido amplo. Outro exemplo, com um programa muito prestigiado (e com intervenientes de qualidade!), a “Quadratura do Círculo”: será que alguém pensa que o pluralismo ideológico, em Portugal, vai apenas do PS ao CDS-PP? Mas não se pense que isto é um problema da SIC. Não, embora em menor medida, a RTP padece de idênticos problemas: basta pensar na presença regular de Marcelo e Vitorino na RTP para percebermos que também a TV do Estado promove um certo afunilamento ideológico… Ou, na imprensa (Expresso, Correio da Manhã, etc.), veja-se por exemplo a sobre-representação que têm os colunistas com orientações anti-políticos e profundamente críticas face ao papel do Estado na sociedade e na economia, designadamente de inclinação ultra-liberal. Ou ainda, a falta de pluralismo que vemos nas rádios, na TV e na imprensa em matéria de debates sobre economia (política), nos quais estão geralmente sobre-representadas as correntes associadas ao mainstream (neoliberal) da ciência económica e onde outras tendências igualmente relevantes do ponto de vista académico e político (neo-keynesianas, institucionalistas, etc.) estão claramente ausentes ou, na melhor das hipóteses, sub-representadas. Há, obviamente, liberdade de imprensa em Portugal, e essa é uma conquista crucial da democracia. Porém, há condicionamentos ideológicos de vária índole nos media portugueses. Pena é que os jornalistas pareçam só se preocupar com os condicionamentos que possam vir por via das influências dos governos e, pelo contrário, dêem pouco ou nenhum relevo (quando não os promovem eles próprios…) a vários outros condicionamentos (porventura mais graves e profundos) que caracterizam os media. A bem da democracia e do pluralismo, era desejável que não só a ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação) mas também os próprios jornalistas fossem muito mais exigentes neste domínio.

Originalmente publicado no Público de 22/2/2010.

6 comentários:

Anónimo disse...

Apesar da maioria dos jornalistas serem de esquerda, há que saber ganhar a vida não é? Os os grupos económicos - centro/direita - têm o poder institucional do pós 25 de abril.

beijokense disse...

André,

as primeiras escutas da "Face Oculta", publicadas em Novembro, não apoiam a tese dos "boys ultra-zelosos".

Quanto ao resto, tu centras o artigo nos condicionamentos ideológicos, particularmente na análise e na opinião publicadas. Eu concordo. Mas, IMHO, não é esse o foco da discussão no momento. Há, pelo menos, três pontos mais centrais:
1. A interdependência entre o poder executivo e os grupos económicos, chegando-se ao cúmulo de ter o PM a 'nomear' a Administração de empresas supostamente privadas (veja-se o caso do BCP).
2. O "aprisionamento" dos reguladores, que tendem a decidir e agir favoravelmente ao Governo e às empresas que se dão bem com o Governo.
3. O condicionamento dos media, não da linha editorial, mas pela tentativa de evitar a publicação de notícias factuais concretas. Este é um assunto mais específico da 'crise' actual, já que o condicionalismo ideológico tem um carácter mais estável, por assim dizer.

beijokense disse...

Faltou a última linha no comentário anterior:
"Abraço"

:)

Anónimo disse...

André,
Boa reflexão.
O problema é que os jornais são detidos por empresas, e estas não são muito favoráveis a ideias mais à esquerda do que as do PS. Como resolver isto? É difícil. Talvez a sociedade civil tenha de se organizar para conseguir passar as opiniões mais incómodas.

João disse...

Comparar os outros espaços de comentário com o Plano Inclinado. Que vergonha!

O plano inclinado é o único espaço na comunicação social Portuguesa em que se diz a verdade e em que se alertam os Portugueses para os reais problemas do país.

Confundir a critica aos politicos actuais e ao estado actual com a defesa do "neo-liberalismo" ou da auto-regulação dos mercados é também um erro absurdo.

Lúcio Adeobaldo disse...

Esta reflexão peca unicamente por não chamar os bois pelos nomes. De facto, vivemos uma liberdade consentida pelos senhores que dominam a comunicação social e, note-se, não existe ali a dita esquerda democrática ou radical. Chega a ser enjoativo ouvir e ver debates em que apenas estão representantes neo-liberais. Custa ver debates em que se o tema é o Primeiro Ministro, só se convidam os seus inimigos, sim, inimigos ou opositores. Eu pergunto, o que pode trazer de relevante os comentários de Eduardo Dâmaso ou o Miguel Pinheiro, só para citar dois. Todos sabemos o que pensam e pensam a mesma coisa. Não seria de evitar estarem juntos a debater um qualquer assunto? Designadamente, quando se trata do seu inimigo José Sócrates?