quarta-feira, 25 de novembro de 2015

O novo lema: “Não podemos distribuir o que não temos”

Ouvir a Helena Garrido na Antena 1, esta manhã, fez-me perceber o mote dos próximos tempos para o combate ideológico da direita. Citando de memória, disse ela sobre o futuro Governo Costa:

1) Vai ser extremamente interessante ver como vai o Governo Costa quadrar a distribuição de mais rendimento com a redução do défice orçamental e do défice externo;

2) Que o que importa é que o emprego cresça e que as desigualdades diminuam;

3) Todos nós gostamos de ter mais rendimento, mas a economia tem destas coisas: tem consequências. E não podemos distribuir o rendimento que não temos;

4) "Esperemos que tudo corra bem porque é importante manter o PS no espaço político português".

A primeira frase é interessante porque a Helena Garrido foi das directores de jornais económicos e opinion makers económicos que, de 2010 a 2014, abraçou literalmente a vinda da troika e defendeu uma estratégia recessiva ("A recessão de que precisávamos vem aí. Falta chegar a governação que oriente o país para o regresso da prosperidade", 14/5/2010); pugnou por um corte dos apoios sociais como única forma de equilibrar as contas orçamentais ("o congelamento dos apoios sociais, como o Rendimento Social de Inserção, reclama de todos nós o regresso a atitudes mais solidárias e menos dependentes do Estado no combate à pobreza", 22/3/2010); sustentou com veemência uma redução da dimensão do Estado, criticou o Governo quando este titubeou na reforma do Estado ("Sabia-se há muito, há mais de uma década, que a correcção das contas públicas era impossível sem reduzir salários, pensões e apoios sociais. A troika chegada com a ajuda externa parecia ser a salvação para o bloqueio em que se encontrava o regime político. Foi essa a esperança de nós. Vã esperança", 26/11/2013); defendeu até em 2014 a redução salarial (mesmo dos rendimentos brutos) para aumentar a competitividade externa ("Os salários e as pensões terão inevitavelmente de ser reduzidos. É uma ilusão pensar que se consegue resolver o problema de outra forma. Não existe nenhuma despesa pública com dimensão suficiente para controlar a dinâmica da dívida pública", 19/6/2014; "Com inflação baixa, impedir que os preços e salários diminuam é condenar o pais ao desemprego, é colocar Portugal a produzir menos do que aquilo que consegue", 17/12/2013; "Proibir o despedimento, congelar rendimentos ou regras de aumentos salariais quando a empresa vende menos ou o Estado recebe menos impostos, ou tem de gastar mais para apoiar quem mais precisa, é reivindicar o direito a ter sol todos os dias", 7/3/2014). E defendeu a austeridade como forma de clarificação ("Nós não estamos a empobrecer. A questão é que nunca enriquecemos. Estamos basicamente a regressar à dura realidade do rendimento que tínhamos antes de entrarmos para a moeda única", 21/2/2014). Uma austeridade que deveria prosseguir mesmo sem troika ("É da capacidade em disciplinar as contas do Estado que depende agora o nosso futuro e o sentido total dos sacrifícios que fizemos durante os últimos três anos", 1/1/2014).


No âmbito desta luta ideológica, é interessante ver que, apesar dos falhanços económicos da estratégia seguida pelo Governo – fraca redução do défice orçamental e subida da dívida pública, aumento brutal do desemprego, subida da emigração, ampliação do fosso das desigualdades - e que apenas teve melhores resultados quando se atenuou a austeridade, ainda se pensa como dantes. Menos austeridade implica mais défice orçamental.

Na verdade, nada parece ter mudado na cabeça da Helena Garrido, apesar da sua responsabilidade sobre o que se passou em Portugal. Sim, responsabilidade. A comunicação social é um fortíssimo meio de condicionamento social. E a comunicação social não deve afastar de si as responsabilidades que igualmente teve neste país. Portugal aplicou das mais brutais "receitas" de austeridade de que há memória na nossa História, destruiu vidas profissionais e de famílias, empurrou – e ainda empurra - milhares de pessoas para a emigração. Tudo sob o lema "não há alternativa", um lema falso e - pior que tudo - ineficaz.

E apesar disso, tudo aponta para que a comunicação social, não só não tenha aprendido com esse seu fardo social, como ainda por cima mantém de pé todo o edifício de crenças, de modelos económicos. Quando as dificuldades surgirem, não se tenha ilusões, todo o argumentário voltará intacto.

O jornalismo é assim: em geral, não há tempo para pensar, quanto mais para estudar. Mas não podemos ser inocentados por isso. Temos culpas no cartório.

Veja-se a frase "Não podemos distribuir o rendimento que não temos". O que está pressuposto é que o Governo vai lançar pela janela rendimento e, como não produzimos bem, será um rendimento artificial que vai encarecer o preço das mercadorias nacionais e dificultar a sua venda, provocando menos exportações, mais importações e mais desemprego. Na verdade, este raciocínio em nada tem em conta a estrutura de custos das empresas, nem os impactos das medidas adoptadas, nem de uma nova redistribuição do rendimento. Pressupõe apenas um primado das empresas, porque são elas que criam emprego, quando na verdade, as coisas são bem mais complexas. Não há sociedades saudáveis com empresas em que os trabalhadores não tenham vidas saudáveis. O mal não está na simplificação da realidade, mas no pensamento distorcido sob a forma de lição para o povo.

Mas a Helena tem razão num ponto: o desequilíbrio externo. Vai ser um berbicacho. E terá de ser resolvido. Aliás, gostaria de ver este Governo adoptar aquilo que nenhum outro o fez: uma estratégia nacional de defesa da produção portuguesa, não apenas para exportação, mas de substituição de importações. Mas durante décadas, o pensamento económico de direita – adoptado igualmente pelo PS – desvalorizou essa questão, apoiando-se no facilitismo de que mais comércio era igual a mais rendimento para todos. E na verdade perdemos empresas, empregos, rendimento criado que passou a ser exportado.

Interessante é o remate sobre o PS. Pressupõe que, por detrás da ideia "queremos que isto corra bem" está a de que há uma elevada probabilidade de correr mal e que, nesse caso, o PS se vai desfazer, dilacerado entre a esquerda e a direita. Mais uma vez, está subjacente aquilo que a Helena sempre defendeu e que não vê como o fim real do PS: um pacto PS/PSD/CDS (“Como saímos desta embrulhada? Basta que PS e PSD tenham a coragem de tomar as medidas que são necessárias", 23/9/2010; "Nenhum político deseja para o seu povo uma austeridade contínua e feita de permanente instabilidade, em que não se sabe quanto se vai ganhar amanhã. E todos os políticos dos partidos do arco da governação querem que Portugal se mantenha no euro (...). Eis uma base bastante sólida para um entendimento", 13/3/2014).

Eis o que vai ser defendido diariamente na Antena 1.

8 comentários:

Dalaiama disse...

Mais um excelente artigo! Além do altruísmo genuíno que norteia a argumentação, no sentido da defesa de princípios de solidariedade e justiça social, é inteligente na pesquisa que fundamenta as afirmações.
Neste momento histórico, a responsabilidade é grande, mas também o são a firmeza e a esperança. É tempo de respirar em Portugal. Haja esquerda, temos músculo, agora é a nossa vez! É bom ler artigos como este :)

meirelesportuense disse...

Essa Helena Garrido deveria ser obrigada a ganhar o Ordenado Mínimo!...Ela e toda a cambada que fala assim.

Antonio Cristovao disse...

Para alguns. mesmo que bem intencionados crescementalistas esta vai ser a oportunidade de confirmarem ou não os seus lirismos; para bem da verdade não venham depois com desculpas, se o destino for a troika voltar.

Dias disse...

Uma boa síntese do argumentário que nos vem sendo servido há anos.

“Eis o que vai ser defendido diariamente na Antena 1”
Era bom que a rádio pública fosse de facto informativa, e não como tem sido até agora. No caso em apreço, tem servido como central de propaganda e porto de abrigo para jobs dos apaniguados (há rubricas completamente supérfluas).

Carlos disse...

É como diz: "O jornalismo é assim: em geral, não há tempo para pensar, quanto mais para estudar."
E, quanto a isso, não há volta a dar...

Anónimo disse...

“Não podemos distribuir o que não temos”
Por mim preferia dizer –“Não podemos distribuir o que não existe” mas como já alguém disse O que não existe pode ser o mais importante, fiquei comichoso…tanta gente sabedora dos males deste povo, desta nação, deste pais, desta Pátria ditosa que tais filhos tem, e, voltamos sempre ao mesmo – por um lado vivemos num “Oásis”. Por outro lado, estamos de “Tanga” Tudo versões do “oito ou oitenta”.
Eu não tenho, e´ uma verdade, mas sei quem tem de muito ter, que e´ outra verdade.
Ora, aqueles senhores e senhoras que tem (do verbo ter) privilegio de botar falacia na Radio e na Televisão, pagos chorudamente por quem produze alguma coisa nesta terra, que dizem estar ao serviço das “causas maiores”, por que carga d’água não se poem ao serviço do povo?
Isto pode ser fruto de Ignorância, decerto modo, mas também pode ser fruto da cultura Egoísta inculcada nas massas, em especial, nas classes possidónias da cultura dominante.
Definitivamente - Distribuir a renda equitativamente, não esta´ no usuário do Cavaquistao. De Adelino Silva




Manuela Pataca disse...

Demasiado bom para não ser partilhado...

http://www.publico.pt/politica/noticia/jose-socrates-nunca-existiu-1715568

Nancy Leonard disse...

Rápido Você é um homem de Negócios mulher UO? Você está em Uma Financeira bagunça fazendas OU rápido você precisas para começar Seu Negócio Proprio? E nós SEUS necessary pagar empréstimos de Dívida pay Contas ou ou hum iniciado negócio legal? Rápido Você tem Baixa pontuação de crédito Uma e rápido Você é difícil Achar que Obter bancos de capital Empréstimo / Instituições Financeiras LOCAIS? Rápido Você precisa Empréstimo hum OU financiamento para a razão QUALQUÉR, Tais como: Email: ex.loan1999@yandex.com

a) Empréstimo Pessoal, Expansão de Negócios
b) para abrir ou negócio, Educação,
c) Consolidação de débito
d) Hard Money Empréstimos

Oferecemos Empréstimo Baixa taxa Juros de 3% e penhor, oferecemos software inves AO empréstimos Pessoais, nós, empréstimos de Consolidação dá Dívida empréstimos de capital de capital penhasco Comerciais, empréstimos Educação, empréstimos de hipoteca OU QUALQUÉR pela razão. "

Sem entanto Nosso método ou permite rápido Você quantidade especificada ou fazer Empréstimo Necessário, ea Duração ameixa pagar por ISSO, DA-LHE Uma chance real de propriedades que você rápido você Obter precisas!

Contacte-nos por e-mail: ex.loan1999@yandex.com

Tasha Elizabeth Bacon