segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Não é de Portugal


Com a autoridade política, intelectual e moral que só Cavaco Silva lhe reconhece, Carlos Costa, governador do Banco que não é de Portugal, mas que um dia voltará a ser, achou por bem juntar-se, logo no início do processo, aos coros das direitas, programaticamente contra a solução de governo que acabou por triunfar e que pretende virar a página em termos de austeridade: “todos os erros de política económica que se fizerem agora vão ser pagos em dois, três ou cinco anos, mas com muito mais dor (…) uma política económica sustentável requer um grande ajustamento, que é muito difícil de impôr à população”. Austeridade permanente.

Entretanto, Carlos Costa, em coerência com o espírito austeritário que é o seu, colocou Sérgio Monteiro a ganhar trinta mil euros por mês a vender o novo banco. Trata-se de uma recompensa, em linha com os hábitos das elites num país desigual, por aquilo que Monteiro sabe fazer melhor: vender o rectângulo a patacos, ajudando a destruir sectores inteiros, em negócios de que um dia, esperemos que próximo, se saberão todos os contornos, a começar pela TAP. Será que o Banco, que também é suposto regular o sector financeiro, não tinha entre os seus qualificados quadros ninguém que pudesse ser destacado para esta mais do que duvidosa missão, provavelmente condenada nos seus próprios termos, parte da crise bancária em câmera lenta a que estamos a assistir? É claro que a única forma de manter o sector bancário, bem como outros sectores estratégicos, em mãos nacionais, estabilizando-os e reconfigurando-os, é garantir o controlo público dominante, sendo que o Estado detém actualmente mais de um terço do sector bancário, mas não age em conformidade num sector socializado nos seus custos, sabendo ainda nós, pelo exemplo de outros, que o controlo estrangeiro da banca aumenta a propensão para crises financeiras.

Aproveito também para sublinhar o óbvio: estas instituições ditas independentes, de regulação conforme ao mercado, consequentemente pós-democráticas, são um exemplo de degradação intelectual, política e moral, um façam força que eu gemo permanente e bem remunerado, servindo muitas vezes de biombo para a acção política dos governos e/ou dos interesses. E não, isto não é “só neste país”. Em Bruxelas é igual ou pior, bem pior, dada a escala dos interesses capitalistas que aqui temos assinalado: agora é o “conluio entre Bruxelas e empresas de combustíveis fósseis”. Durante décadas, o neoliberalismo vendeu a ideia da separação multi-escalar entre condução da política económica e controlo democrático. Os resultados estão à vista todos os dias, em todas as escalas.

11 comentários:

Dias disse...

Tudo bons rapazes!

Também fiquei espantado com a celeridade na escolha de Carlos Costa, que recaiu sobre Sérgio Monteiro, sempre em perfeita sintonia com o ex-governo.
Ou será mesmo este homem, um génio das privatizações?!
Bem, mas o governador do Banco de Portugal também não será aquele regulador independente, pessoa idónea, a julgar pelo que aqui foi escrito (não, não foi ninguém da esquerda radical….):
http://www.noticiasaominuto.com/economia/358711/governador-do-banco-de-portugal-e-imoral-e-arrogante
Controlo democrático, onde anda?

Jose disse...

Como é que se chamava aquela geringonça que implodiu? Centralismo democrático?!?!
Tudo o mais será neo-liberal?
É como vender bancos. Qual burocrata que saiba usar a internet chega lá....

Anónimo disse...

José:

Implosão vai haver na democrática Turquia e na sua oligarquia de mercado com centralismo democrático do Sultão Erdogan e restante camarilha da sua (dele) nomenclatura, estaremos cá para ver e sofrer.

Entretantos, abraços ao Paulo e do Durão dos submarinos-esperemos que a Srªa Ministra da Justiça( a Preta, para vocês, os intelctuais do CM-essa escola de topo)vos dê caça.E, caça da grossa,seus FDP!

António Arcangelo disse...

O Governador do BdP até pode ser um técnico de boa reputação, embora se diga que não será bem assim...

Mas o que não há dúvida é que não é um Governador independente e que coloque os interesse de Portugal acima de tudo o resto,como deve ser o Governador do BdP.

Para alem disso é um homem de mão dos interesses da Banca mais gulosa e menos escrupulosa, como já se viu. Isso faz dele um homem do qual se deve desconfiar. E isto digo-o por experiência própria.

Assim sendo, Carlos Costa não tem condições para ser Governador do BdP.

meirelesportuense disse...

Zé:
-Vai vender a Torre de Belém. Ainda temos mais uns Monumentos de reserva, não muitos, mas ainda alguns.
Quando estiver tudo nas mãos dos Estrangeiros, muda de Cidadania. Já não será preciso continuares a fazer o papel de Português "terrivelmente" Suave e Submisso. Depois aproveita e altera o nome para outro mais consentâneo com a tua preferência Patriótica. Talvez, Joseph Goebbels ou Mengele...

Anónimo disse...

hahahaha
o Jose a defender o sergio monteiro e o seu tacho ao mesmo tempo que grita contra o despesismo publico
és um grande contorcionista Jose mas no meu circo serias mais o palhaço de serviço

Tristan Reveur disse...

epá esta discussão faz lembrar o ex-parlamento
tá muito vista

tudo mudou
estes argumentos estão nitidamente ultrapassados
o contorcionismo foi e será sempre um acto circense da direita RADICAL

Jose disse...

A corrupção combate-se com princípios e dinheiro.
Com a crise de princípios - em particular numa esfera pública povoada de treteiros e oportunistas - o meio mais seguro é fazê-lo com dinheiro.
Claro que sempre há um burocrata ou político que vê passar ao lado a oportunidade de uma vida!

Anónimo disse...

Há qualquer coisa a pairar no ar do poluído aparelho do dito Estado de Direito e me diz que este senhor governador foi nomeado ainda em tempos do PS/Sócrates.
Não veio mal ao mundo por isso? Possivelmente. Mas então e‘ normal pensar que altos cargos do Estado sejam entregues só a “Filhos-família”.
A conjuntura política de hoje em nada se diferencia da de ontem, porque o “Aparelho” montado em 1926/1933 contínua intacto. Pois a Constituição da República de 1976, foi metida na gaveta onde sufocaram o socialismo.
Claro, mudaram algumas peças do Xadrez Politico para FICAR TUDO NA MESMA.
´Outro tempo corri atras da Utopia´ Corrida que me levou grande parte da vida. Hoje, essa mesma Utopia da´ para desafiar a Sistémica Hipocrisia actuante. De Adelino Silva





Anónimo disse...



Infelizmente para os economistas do Projecto Economico do Governo PS, e não so´ o “homem portugues” é um animal muito mais complicado do que costumava parecer ser. Afinal não e´ so´ fumaça…
Ora tendo sido afirmado que: -
A) Desapareceu a confiança entre o governo e o setor privado;
B) As incertezas afastam os investimentos;
C) A queda do emprego e do salário assustam os trabalhadores;
D) A desconfiança entre os agentes impede a livre realimentação dos activos.
E ainda sabendo que o crédito ao trabalhador não lhe aumenta de sopetao o poder de compra: apenas antecipa a fruição de um desejo que ele paga (e bem!) com altissimos juros!
Entao porque voltam a ganhar força como alternativa garantida, receitas formuladas pelo “pensamento mágico”? Tendo em linha de conta que O BCE e´ quem mais ordena, vou olhando os Lirios do Campo…De Adelino Silva





meirelesportuense disse...

"A corrupção combate-se com princípios e dinheiro.
Com a crise de princípios - em particular numa esfera pública povoada de treteiros e oportunistas - o meio mais seguro é fazê-lo com dinheiro."

José:
-Queres dizer que se não encontrares à tua frente homens com bons princípios, deves levar no bolso dinheiro suficiente para os conseguires comprar?...Boa!
-A Corrupção combate-se Corrompendo as pessoas!...Bom princípio e bem eficaz.
Eu digo:
-Se não houver princípios éticos a respeitar sempre haverá corrupção!
Um Corrupto pode ter todo o dinheiro do Mundo no bolso, que nunca deixará de ser um Corrupto, sempre à disposição de ser novamente corrompido. É uma questão de disposição arbitrária e vontade.
E a Corrupção acontece muitíssimo mais no sector Privado que no Público, isso fica completamente evidente agora que as facturas são obrigatórias...Perguntam-me sempre, todos os dias, quer que lhe passe factura com Contribuinte?...Claro que sabem que devem sempre passar facturas, mas se não lhes deres o teu número de Contribuinte e o guardares levando contigo o recibo, no fim do dia ele -o corrupto- vai dar como inválida essa factura!...Podes crer.