domingo, 14 de dezembro de 2014

Continuar a combater a dívida


Em consequência das petições dirigidas à Assembleia da República, nomeadamente a petição Pobreza não paga a Dívida: reestruturação já!, realiza-se no próximo dia 16 de dezembro de 2014, na Sala do Senado, na Assembleia da República, uma Conferência Parlamentar sobre Dívida Pública.

A Conferência é aberta ao público (sujeita à lotação da sala). As inscrições poderão ser efetuadas aqui:
Participarei no Painel sobre a “Sustentabilidade da Dívida Pública”, às 15 horas. O programa está aqui. É preciso insistir: o Estado português deve preparar-se para a renegociação e reestruturação da dívida.

No dia seguinte, 17 Dezembro 2014, pelas 18:30 horas, na Casa da América Latina, Avenida 24 de Julho nº 118-B, Lisboa, a Iniciativa para uma Auditoria Cidadã à Dívida (IAC) promove um debate sobre “Restruturações anti-abutre: Lições da América Latina” com Jorge Argüello (Embaixador da República Argentina) e Eugénia Pires (IAC).

3 comentários:

Anónimo disse...

E a América Latina pode ensinar muito.

Não só sobre a qiuestão da dívida e dos abutres.Também sobre a questão da dignidade das pessoas e dos povos.

De

Antonio Cristovao disse...

Noto talvez uma troca de posição das letras ou se diz "deve reparar-se"

e-ko disse...

já se conhece quem é o delator "lanceur de alertes" do luxleaks... acusado de roubo, pelo Luxemburgo, foi há poucos dias entrevistado e como a entrevista do libération é reservada a assinantes, aqui vai um artigo do lemonde onde se pode ler um pouco mais:
http://www.lemonde.fr/economie/article/2014/12/15/luxleaks-le-francais-auteur-des-fuites-sur-l-evasion-fiscale-s-exprime_4540413_3234.html

"Selon lui : « Il est injuste que le Luxembourg soit le seul pays cloué au pilori, qu'un seul cabinet d'audit soit pointé du doigt, car ces pratiques sont systémiques. (...) Il s'agit de planification fiscale agressive mise en place par certains Etats, de stratégies complexes pratiquées à échelle industrielle par certains cabinets. La régulation sera toujours en retard sur l'ingénierie financière ».


Les révélations de LuxLeaks ont contribué à accentuer la pression politique et publique en faveur de la lutte contre l'optimisation et l'évasion fiscales."