terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Mestres

Robert Skidelsky é o principal biógrafo de Keynes e um dos seus principais intérpretes, como se pode ver no livro aqui ao lado. Aconselho, embora com atraso, a sua última crónica – Quatro Falácias da Segunda Grande Depressão –, disponível em péssima tradução portuguesa. Conhecer o pensamento de um dos mestres, a história da economia, é mesmo decisivo para evitar ideias perigosas. Já agora, para quem quiser compreender por que é que o pensamento de Keynes é tão actual quanto heterodoxo, aconselho este artigo: Skidelsky defende  que o conceito de incerteza é a chave para uma revolução intelectual no campo da economia política e da política económica.

3 comentários:

Anónimo disse...

Que tradução esquisita...

Aníbal Éter disse...

O Skidelsky diz o óbvio: um governo sem banco central tem a mesma margem de manobra de uma dona de casa.
Ou seja, no actual contexto o Governo é mesmo obrigado a gerir o país como quem gere uma família...

Count Zaccone disse...

Anibal, já o anterior tinha, o problema é europeu e não só português. Mas a diferença é que se pode dizer que o anterior governo lutava contra este tipo de políticas. O actual é um fervoroso adepto!!!