terça-feira, 11 de agosto de 2015

Revelador


Um ano depois do colapso do Banco Espírito Santo (BES) e do grupo do mesmo nome, que por sua vez se seguiu a uma crise financeira sem precedentes, com os Estados a serem chamados a injectar milhares de milhões de euros em situações de falências, más gestões e fraudes bancárias, dir-se-ia que era má altura para partidos em campanha eleitoral, sobretudo em países com crises sem fim à vista, recuperarem propostas de privatização, mesmo que parcial, do sistema de Segurança Social.

Sandra Monteiro, Aprender com a Segurança Social.

Alguns actores da Guerra Fria, como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), sobreviveram à queda do Muro inventando outros monstros a destruir, noutros continentes. As instituições europeias redefiniram também o seu adversário. A paz e a estabilidade com que elas se deleitam exigem doravante, a seus olhos, a neutralização política das populações e a destruição dos instrumentos de soberania nacional de que estas ainda dispõem. É a integração a toque de caixa, o enterro das questões democráticas nos tratados, o projecto federal. O empreendimento não é de agora, mas o caso grego ilustra o grau de brutalidade com que ele hoje é levado a cabo.

Serge Halimi, A Europa que não queremos mais.

Excelente número de Agosto do Le Monde diplomatique - edição portuguesa: Yanis Varoufakis confirma a natureza da integração europeia realmente existente em primeira mão, François Denord e outros explicam por que é que o ordoliberalismo alemão é uma prisão para a Europa e Álvaro Garrido expõe alguns dos mitos da economia do mar alardeada pela sabedoria convencional de um país pequeno. Isto para já não falar de um dossiê sobre o transporte público ameaçado em Portugal ou de...

37 comentários:

Anónimo disse...

De País que deu novos mundos ao mundo, rumando ao progresso, passamos a País sem mundo, sem rumo e o pior – sem progresso! Será que não chegaram 35 anos de calamidade governativa?
Mais de um Milhão de portugueses sem ganha-pão?
Será que não sentimos o nosso próprio pulsar?
Milhares de famílias portuguesas na miséria? Será que vivemos por apetência divina?
Nem por Dom Sebastião…?!
AH, os do Arco da Governança PS-PSD-CDS não prestam…Pois e´ verdade…Não prestam!
Então, NÃO DEVEMOS VOTAR em quem não presta, De Adelino Silva

Anónimo disse...

Esta luta Insana, para ca´ da Taprobana, de uma esquerda que se divide, mesmo com o país a se afundar no lodaçal fascista, e´ desmoralizante.
Que esquerda e´ esta senhores… que não e´ capaz de defender, unida, os valores republicanos e socialistas?
As próximas eleições estão a` porta, os partidos já estão em campanha eleitoral— Já mentiram que baste---E os homens e mulheres dirigentes da esquerda não conseguem suprimir, nem que seja só por um momento, as suas diferenças. Ate´ tratam os homens e mulheres da esquerda convicta de sectários… Entristece qualquer democrata e revolucionário.
Ainda assim, há que pensar neste povo, neste país, nos valores republicanos e socialistas.
Deixem-se de fanfarronices… Elevem a alma desta Republica tao maltratada…Apetece dizer:
“A Pátria Honrai, que a Pátria vos comtempla”!
De Adelino Silva

Anónimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=G99Xyj-EVvo

Anónimo disse...

Desde as eleições para a Assembleia Constituinte, em pleno PREC, que o eleitorado português mostrou ser conservador, votando, continuamente, eleição pós eleição a´ direita do espectro político existente.
Perante esta realidade, os cientistas políticos de esquerda, ainda não encontraram a receita (a magia) que faça encaminhar o eleitorado a outro rumo. Ao invés, impulsionam a divisão da esquerda. E não satisfeitos com o efeito negativo de tal posicionamente, procuram disseminar novos partidos ditos a´ esquerda.
E´ bem claro quem ganha com essa divisão!
O Ps e PsD, nesse sentido, entendem-se maravilhosamente, cada um capitalizando a seu modo a dispersão da esquerda; cada qual aproveitando para exercer, de fato, o poder; já o CDS-PP, trata de se credenciar para fazê-lo na sequência.
O que me leva a duvidar desses ditos cientistas políticos virados a´ esquerda!
Para que´ vários candidatos de esquerda as presidenciais, não me dirão?
Então as Partes que são os partidos, não devem subordinação ao Geral que e´ todo o povo? Por aqui me fico. De Adelino Silva

Jose disse...

A questão da privatização da segurança social, só tem uma motivação: evitar que o risco da aplicação dos descontos no sistema financeiro fique com o trabalhador.
Bem pelo contrário, esse risco pretende-se que seja do Estado - tornado investidor no sistema financeiro - deixando à 'política' determinar uma 'rentabilidade' indiferente a crises e a ciclos económicos.

Jose disse...

A brutalidade com que os gregos foram obrigados a engolir centenas de milhares de milhões de euros é talvez um dos crimes do século!
Quanto às invenções da NATO elas já vem de muito longe, impedindo o extermínio dos talibãs pelas gloriosas forças soviéticas, não cuidando de preservar o poder de Saddam, Kadahfi, Assad e outros pilares da ordem pública.

Anónimo disse...

Cretino José, Não reparaste nos bancos que faliram e no que aconteceu às reformas e poupanças das pessoas? Deves ser muita estúpido ou administrador de banco.

Anónimo disse...

Adelino, lembra-te de 1986, quando Zenha, Angelo Veloso, Soares e Pintasilgo ganharam a presidência. Não é a dispersão que perde eleições à esquerda.

No fundo, segues agora a conversa auto-justificativa do Alegre. Aí o que deu cabo da eleição da esquerda foi a ruptura entre Alegre e Soares.

Anónimo disse...

O glorioso Herr "José" continua com o seu incontinente vomitanço de monumentais alarvidades. Pelo meio da esterquícia produção de inacreditáveis disparates, vai mostrando, à saciedade, a sua mais que sólida e reluzente ignorância. Ó sua besta, os Talibã foram o resultado tardio da inteligente criação pelos EUA e pela Europa Ocidental dos Mujahedin, esses sim combatidos pela URSS e pelas forças do governo de Najibulah. E, como se viu posteriormente, o epílogo da coisa foi lindo: mal tomaram o poder, os "freedom fighters" de Ronald Reagan mataram-se fartamente uns aos outros (nada de estranhar, afinal, porquanto a morte e a destruição eram as suas magistralmente dominadas artes negras), destruindo no processo um terço da cidade de Cabul com os seus respectivos habitantes. Herr "José" também não sabe que os assassinos do Mullah Omar foram criados e longamente apoiados pelos EUA através do seu lacaio de serviço na região, o Paquistão. Quanto a Saddam, não sabe o mais do que ignorante Herr "José" nada acerca do facto de o Partido Baas (o nome significa, ora vejam só, "redenção") ter chegado ao poder ao colo da CIA e de ter, posteriormente, encarcerado, torturado e assassinado um número imenso de comunistas iraquianos.
Também importa pouco a Herr "José" (a verdade é coisa de ínfima importância para o dito senhor) que Kadafi estivesse certo quando dizia que não combatia o seu povo, mas sim fundamentalistas assassinos. O posterior assassinato do embaixador dos EUA em Benghazi pelos "combatentes pela democracia" preteritamente apoiados pela NATO, e a espiral de mortandade e de exportação da "liberdade" líbia para os países limítrofes e do Sahel falam por si. Quanto à Síria, o "reductio ad hitlerum" de Assad é a suprema estupidez em que só os néscios e imbecis como Herr "José" embarcam: por opressora que a Síria de Assad fosse, ela era também um estado multi-étnico e multiconfessional, um país relativamente moderno e laico; hoje, graças aos bons ofícios dos EUA/UE=NATO é uma paisagem lunar que se transformou no terreno de caça dos assassinos degoladores do EI. E quando os desgraçados refugiados sírios, fugidos à carnificina semeada no seu país pela NATO, batem à porta da Europa, filantropos como Herr "José" dizem-lhes "go home".
És uma besta, Herr "José", não sabes nada de nada; confundes as "gordas" do Correio da Manhã com obras de fundo e escrevinhas as tuas javardices sem teres a mínima ideia acerca do que se fala. És um anormalzito doentio e cheio de ódio pela Humanidade. Não tens um pingo de vergonha, de decência, de dignidade, de rectidão e de - será preciso afirmá-lo? - inteligência nessas trombas.

Jose disse...

Ó das 00:30!
És uma besta!
Tudo que se passa até à virtuosa implosão da URSS é guerra fria com pontos quentes como Vietnam e Afeganistão. Quente ou fria era guerra, e os americanos retribuiram no Afeganistão os serviços prestados pela URSS ao vietcong, e isso contribuiu fortemente para o fim da URSS.

A partir daí temos duas forças ideológicas em presença:
- uma PAX Americana cheia de lirismos, eimbecilidades e sempre em defesa do dólar
- uma canalha ressabiada, que habituada a suportar toda a barbaridade em nome do domínio soviético, passou a suportar toda a barbaridade em oposição ao poder americano.
Pilares da ordem pública disse eu. E no meio de tanta arenga não dizes outra coisa.
Mas uma coisa é 'real politik', outra é branquear a tortura e a perversão de valores universais.
Mas isso é no que cretinos como tu têm larga prática.

Anónimo disse...

Acho indecente falarem assim do Jose
um sabujo tão culto, que lê jornais e sabe logo tudo tecendo comentários sempre muito bem fundamentados, sem demagogia, prenhes de lucidez e imparcialidade e com argumentos factuais
Jose, para lá das qualidades enunciadas, tem ainda uma importante missão social
Faz com que qualquer néscio, ao ler os suas luminosas pelavras, se possa sentir um génio e um mestre incontestável

Anónimo disse...

Todas as conquistas e reformas sociais realizadas ate hoje, sao fruto da luta organizada dos trabalhadores revolucionarios, das suas açoes e pelo poder reivendicativo dos movimentos sociais.
Nunca e‘ por compaixao e pena ou repentina humanizaçao da burguesía, como querem fazer crer os reformistas enquistados!
Eles tecem em torno de conceitos abstratos, como a ilusao dos “Verdadeiros Valores Europeus” cujos, tem sido o colonialismo, a Rapina e a Opressao dos Povos. Eles pretendem confundir-nos para nos poder dominar mais fácilmente. E‘ so´!
O fracasso da socialdemocracia grega tem a mesma dimensao do fracasso da socialdemocracia europeia, mae do imperialismo centroeuropeu!
De o “Catraio” com respeito.

Anónimo disse...

Jose

És tão ignorante.
Sabes zero do que se passa na Grécia.
És mais um manipulado pelo um ou dois jornalecos que lês.
Mas já se sabe...onde há um ignorante há sempre um intolerante cheio de certezas
és só mais um a confirmá-lo
com essa idade e nada evoluiste a não ser na amargura e no ódio
metes pena

Anónimo disse...

“Não é a dispersão que perde eleições à esquerda.”
Aceitaria de bom agrado tal asserção, num outro contexto mundividente, não fosse a pesporrice da individualização!
O processamento cultural desta política de enganos advêm, precisamente, da dualidade, egocentrista complexa do homem dito politico:-- por um lado escrevemos poemas balsâmicos, por outro lado praticamos a socialdemocracia da forma mais infame… aceitamos o cristianismo em todas as suas formas e deixamos assassinar humanos nos campos de Montemor…defende-se revolucionários em tribunais plenários, mas não se juntam a eles para eliminar os julgamentos políticos…mostramo-nos revolucionários e lutadores pelos melhores ideais republicanos e socialistas, mas passamos a maior parte do tempo entorpecidos pelo álcool e outras drogas!
Talvez não seja a dispersão, talvez!
Mas não e´ com gente deste jaez que se toma a Bastilha!
Compreendi!
De Adelino Silva

Anónimo disse...

Já se sabia que jose/JgMenos apoiava firmemente as trafulhices privadas do BES/GES.
É ler por aí as suas odes entusiastas e laudatórias aos banqueiros privados e à "iniciativa privada". O seu "risco" vive paredes meias com a sua privada motivação. Para azar do fulano os factos falam hoje demasiado alto...

Parece que o das 12 e 59 gosta particularmente das "notícias" dadas pelo helder rosalino, actual administrador do banco de Portugal. Tal está em concordância com o plano destes tipos para promover o Pote à Frente e aumentar as "oportunidades de negócio" para os seus privadíssimos interesses. E em acordo com a saudação emitida em nota de dólar ( ou de euro) pelo tal "jose" quando diz e escreve de forma alucinada que "as leis têm que proteger o capital".

(Compreende-se que alguém que fala na enormidade dos gregos andarem a engolir euros venha de alguém que se lastima de forma piegas pela sua incapacidade de "fazer contas" ou que alardeie de forma insensata a sua ignorância sobre as leis da Física.)


Quanto ao pretenso comentário das 13 e 13 tem a resposta magistral dada por um anónimo às 00 e 30.
Exemplar e contundente resposta

De

Anónimo disse...

Paspalho Jose

O Estado antes era obrigado por lei a fazer uma gestão cautelosa dos dinheiros entregues pelos contribuintes. Era suposto ser um maior garante que o sector privado porquanto já se viu que os bancos gostam muito de inventar e os reguladores de fechar os olhos.
Essa gestão cautelosa tornaria a rentabilidade necessariamente baixa mas mais ou menos imune a ciclos económicos, percebes,néscio Jose ? ou queres que te explique o binómio rendibilidade/risco ?
Foi o teu amigo Vitor Gaspar que obrigou a que os montantes entregues pelos contribuintes fossem aplicados em dívida pública nacional para safar os bancos alemães e franceses que assim puderam esvaziar os seus portfolios das Obrigações Portuguesas e que se fodam os contribuintes portugueses. O traidor, claro, foi premiado com alto cargo na estrutura europeia.
Outra coisa de que tu não falas, desdentado do encéfalo Jose, é que o Estado português transferiu várias vezes fundos privados, nomeadamente dos bancos, para o regaço da Segurança Social. Traduziu-se em mais uma bela negociata para os bancos e mais encargos para a Segurança Social. Como vês, palerma Jose, o problema aqui não reside sequer nas pretensas virtudes do privado face ao público mas em como nestes, digamos, "movimentos" dos teus amigos, os lucros ficam sempre privados e os prejuízos ficam sempre públicos. Milagres da multiplicação dos pães sempre em prol dos colaboracionistas que defendes.
A tua ignorância além de ostensiva é de facto preocupante.
Tu pertences em definitivo àquele grupo de gajos que não percebe nada de nada, não procura perceber e mesmo assim, armado da sua ignorância insiste em cagar sentenças.
Serás assim tão idiota que não percebes que para saber dum assunto há que estudá-lo com seriedade e não é leres meia dúzia de merdas que te dá saber suficiente para teceres comentários ?
Achas-te assim tão genial que julgas que consegues perceber tudo e saber a verdade dos factos recorrendo a meia dúzia de fontes ?
Pelo que afirmas e pela insistência nessa tua, vamos chamar-lhe metodologia, eu sei que não tens, pelos vistos, consciência disso, mas a ideia que passas é mesmo a dum grandioso e desmedido imbecil. Mas um imbecil dos piores. Um imbecil auto-suficiente que recusa a si mesmo a possibilidade de aprender e evoluir. Não sei como chegaste aí nem quero saber. Para te fechares tão estoicamente na tua podre e limitada concha, imune a qualquer brisa só há duas hipóteses - ou levaste muita porrada da vida ou padeces mesmo duma deficiência mental. Porque tu contrarias a premissa básica da vida - movimento, mudança

Jose disse...

Ó iluminado das 10:45, não tenho tempo de ler e absorver o que já me apercebi ser uma luz para a humanidade.
Adopta um qualquer nome que me permita sempre acompanhar tão ilustrado paladino da asneira.
Mais logo te louvarei um pouco mais.

Anónimo disse...

Jose já nos habituou a fazer as suas reeleituras da história e a aldrabar sem quaisquer escrúpulos. A prova está por aí e é abundante.

Jose muda todavia de "discurso" de acordo com os seus interesses imediatos a alcançar e com o juízo que faz do auditório e do seu papel pessoal na propaganda ideológica que o norteia.

Acontece que de quando em quando jose revela aquilo que eu pessoalmente acho que é a sua verdadeira face, como quando ameaça de forma directa quem não segue a cartilha neoliberal. Um exemplo exemplar é esta frase assassina:"Às bestas serve-se a força bruta se forem insensíveis a outros meios". É delea frase e tinha como alvo todos os que se opounham ao troikismo instalado e criminosos

Mas a sua verdadeira face também que se manifesta noutros blogs em que jose se sente mais "à vontade" para revelar o que lhe vai na alma.

Esta frase dita pelo jose não pode passar:
"branquear a tortura e a perversão de valores universais". E não pode passar porque contradiz as próprias atitudes a as posições defendidas pelo mesmo jose.

Não vou aqui falar na espantosa vontade que jose tem de perdoar, esquecer, esconder, branquear os responsáveis políticos pela tortura e seus executores oficiais. A defesa que aquele faz da pide é algo que mete nojo A questão vai todavia mais funda e assume um caracter mais grave

Tenho para mim que a tortura é o escarro fétido da humanidade e que os torturadores são o recipiente que colecta tal excrecência humana. Perante esta minha posição de princípio aquele mesmo sujeito escreveu esta frase espantosa:"vem armado em moralista condenar a tortura que visa obter a verdade sobre acções que ameaçam quem o torturador tem o dever de defender."

Esta é outra frase assassina que não só remete para a pior hipocrisia possível de quem fala no "branqueamento da tortura e dos valores universais". O que fica também é esta defesa proto-animalesca de um qualquer carrasco (islâmico, cristão,judeu ou de qualquer outro credo ou seita), tão patente nesta frase tão comesinha em que se presta a devida homenagem a quem inveja o modo de ser ou de estar: "o torturador tem o dever de defender."

No fundo um panegírico compreensivo prestado pelo jose aos que decapitam ou aos que torturam. Tudo uma "questão de dever".

Isto não pode passar em claro. Mas infelizmente há mais.

De

Anónimo disse...

Há mais.
E o mais é também esta frase assassina:
"Quente ou fria era guerra"

Jose se prestasse mais atenção aos factos históricos e se não alardeasse desta forma troglodita as suas motivações ideológico-extremistas deveria já saber que a guerra não justifica tudo.
Que alguns dos carrascos alemães aprenderam a sua própria custa que a justificação da "guerra" como álibi para os seus crimes inenarráveis não colhe. E que mais tarde ou mais cedo a História há-de marcar encontro com os horrores dos torcionários e que nem todas as tentativas de branqueamento ou de cumplicidade pode apagar a natureza dos factos e dos actos.

De

Jose disse...

Ora bola!
O que parecia anunciar um extenso chorrilho de asneiras afinal cedo se transformou no exercício habitual de treteiros: a psicanálise do mensageiro.
Fique a nota tão promissora da asneira: «O Estado antes era obrigado por lei a fazer uma gestão cautelosa dos dinheiros entregues pelos contribuintes»

Anónimo disse...

Como já o afirmei aí em cima, um tipo de nickname jose muda o seu discurso de acordo com as conveniências de momento. Sem quaisquer escrúpulos e sem a menor hesitação. Embora por vezes venha à tona o seu verdadeiro tom sinistro.

Repare-se neste seu linguarejar sobre os states:

- A actual para consumo imediato e para suportar a sua deriva argumentativa aparentemente "politicamente correcta". Cito ipsis verbis:
"uma PAX Americana cheia de lirismos, eimbecilidades e sempre em defesa do dólar"

- A de há um ano, para consumo também imediato mas mais de acordo com o seu sentir profundo de admiração incontida pelo imperialismo. Cito igualmente:
"(os States a navegar a toda a força, depois de injecções maciças de dinheiro na economia)»
Só o podem fazer porque têm uma moeda que serve para forrar os colchões por todo o mundo
Se isso acontece é porque são identificados como uma força de segurança.
Segurança económica, porque trabalham sem se dedicarem à treteirice dos direitos e garantias.
Segurança militar, porque vão a matar e a morrer onde necessário.
É outra galáxia…"

Uma diferença abissal,parida pelo mesmo autor a lembrar que isso de coerência e de verticalidade são coisas ultrapassadas pelos que "branqueiam a tortura e pervertem os valores universais"
E repare-se no que escondem estas frases igualmente assassinas: "treteirice dos direitos e ds garantias"...ou de ir a correr matar...quando necessário

De

Anónimo disse...

Ah! Jose, o tretas
Este silêncio tão ruidoso e tão piegas perante os factos e os números.Confrontado com dados sobre a segurança social ei-lo a correr em jeito de desespero para os braços de Freud,enquanto atamanca no fundo da gaveta as suas homenagens aos "deveres dos verdugos".
Fica a nota. Sem premissas nem delongas.

De

Jose disse...

Aceito sem rebuço que o meu discurso ofenda os cultores do monolitismo político, acéfalo e fundado em dogmas a preto e branco.
Se incomodo, não leia!

Anónimo disse...

O que seguidamente se escreve, estou mais do que certo que não vai aquecer nem arrefecer no que diz respeito ao iluminar da cloaca fétida e tenebrosa a que Herr "josé" chama de "cérebro"; servirá, contudo, para os caríssimos frequentadores deste "blog" aquilatarem do estado de alienação do dito senhor.
"Branquear a tortura e a perversão dos valores universais"?!!!
Olhe lá, ó seu camelo, quando o seu querido Salazar mandava gente morrer no Tarrafal e em São Nicolau, quando ele mandou a PIDE assassinar o General Humberto Delgado e a sua secretária Arajarir Campos, que "valores universais" defendia ele? Quando as forças coloniais portuguesas dizimaram, com napalm e metralha vinda do céu, milhares e milhares de angolanos na Baixa do Cassange, que "valores universais" defendiam elas e o governo fascista e colonial que nelas mandava? E que "valores universais" defendiam aqueles que apertaram o gatilho e lançaram as granadas em Pidjiguiti, em Mueda e em Wiriamu? Que "valores universais" defendiam aqueles que responderam aos massacres da UPA-FNLA com um massacre ainda maior, com uma autêntica limpeza étnica em que tudo o que mexesse e fosse negro foi abatido? E seriam os "valores universais" (ou seria a tão aceitável para si "realpolitik"?) que fizeram os EUA apoiar, financiar e armar, desde o seu início até ao seu fim, os assassinos tribalistas da FNLA? Vamos a outros factos.
Foram esses "valores universais" que levaram os EUA a riscar do mapa as cidades de Hiroshima e Nagasáqui, ou terá sido a vontade de demonstrar à URSS quem era o "boss" do pós-guerra? Que "valores universais" estiveram na base do mandar pelos ares 700.000 camponeses do Laos? Que "valores universais" levaram os EUA a assassinarem 50.000 vietnamitas na "Operação Fénix"? Que "valores universais" levaram os EUA a cobrir o Vietname de "agente laranja", matando e estropiando 4 milhões de homens, mulheres e crianças? Que "valores universais" levaram os EUA (e a UE) a matarem meio milhão de crianças iraquianas com o seu embargo genocida de mais de dez anos? E que "valores universais" estiveram na base da destruição do Iraque, do Afeganistão, da Líbia e da Síria pelos EUA+UE=NATO? Que "valores universais" levam a UE a negar asilo aos refugiados de todos esses países, países esses que, previamente, ajudou a destruir? Seria bom que, Herr "José", me desse esclarecimento a estas minhas dúvidas, mas folgaria muito que esses esclarecimento se consubstanciasse em factos e não na costumeira merda que embrulha em palavreado de ódio sem ponta de nexo.
Por fim: em questões de "branquear", Herr "José", não há, aqui, pai para si. Só mesmo um virtuoso da barrela enbranquecedora é que consegue santificar um marechal fascista ajudante atento e pressuroso do Holocausto, o qual, não fosse a sua vetusta idade, teria passado à História mais esburacado do que uma peneira. Em matéria de lavar roupa fedorenta, há que atribuir o seu a seu dono, pois a sua incontestável imagem de marca, Herr "José", é o sabão azul e o piaçaba, com Aldeia da Roupa Branca salazarista em fundo pidesco-bufo-torcionário.

Anónimo disse...

Não posso deixar passar em branco mais uma das pérolas de Herr "José". Ligar a "pax americana" ao conceito de "lirismo" só podia sair da cabeça de um imbecil do calibre de tal senhor. "Perfídia" e "monstruosa hipocrisia" não pareceram ao sapientíssimo vomitador de disparates de turno descrições mais adequadas ao comportamento de sucessivos executivos do EUA; não: todos os crimes perpretados pelos EUA foram "lirismos", ou seja, erros de pouca monta cometidos por imberbes e inocentes rapazinhos que, lá bem no fundo, enquanto bombardeavam e metralhavam inocentes, reduziam a pó países inteiros e causavam milhões de mortos, o que pretendiam era a instauração de um reino de amor universal.
Olhe, ó seu ignorante, vá a Cabul passar umas férias e talvez lhe saia na rifa experimentar, "in loco", o resultado do "lirismo" que os EUA lá plantaram. Vá ao Iraque, e conviva com essa gente acolhedora - os degoladores do Estado Islâmico - que é o resultado final da "lírica" invasão do país pelos EUA. Vá à Líbia, e faça um romântico cruzeiro nas balsas que transportam para uma morte quase certa os beneficiários últimos do "lirismo" que levou os EUA a reduzirem à idade da pedra esse país. Não se esqueça de ir à Tunísia: pode ser que os herdeiros líbios da "lírica" sementeira americana no país de Kadafi o façam ir apanhar sol mais perto do Céu. Dê uma voltinha pela antiga terra dos faraós, e goze as delícias de uma ditadura militar muito "liricamente" fomentada pelos EUA quando a "Primavera" saiu dos eixos. Termine o périplo na Síria, e delicie-se com as quentinhas praias mediterrânicas do país: não acredite nas notícias que vão aparecendo nos telejornais mostrando os sírios em fuga; o que eles são é uma cambada de ingratos, pois não sabem aproveitar devidamente a "lírica" companhia dos barbudos bardos de Corão na sovaqueira e armados até aos dentes, uma mui "lírica" cortesia, claro está, do "lírico" Obama e desse legítimo herdeiro de Shakespeare que é Cameron. Faça tudo isso, Herr "José", e comungue, de corpo e alma, com o americano amor pela arte de Homero, poeta esse a que acontecia, de vez em quando, aquilo que a si acontece invariavelmente: dormir (no seu caso, não nos braços de Morfeu, mas sim no regaço da imbecilidade).

Anónimo disse...

Também é por textos como estes aí em cima que vale muito a pena passar pelo Ladrões.

De

Jose disse...

Esta merda dos anónimos obriga-me a um excessivo esforço hermeneutico para tentar diferençar um treteiro de outro, e seguramente sem sucesso assegurado!
Assim vou falar para a molhada e cada um apanhe o que lhe pertence.
Os palhaços que se reclamam da dialéctica para enganar papalvos fingem desconhecer que ela se aplica aos valores universais.
Constroem ladaínhas que os afastam do caminho da discussão de ideias para se refugiarem num limbo de negação que lhes perserva o fundamentalismo adequado à sua triste e lamentável condição de crentes.
Contentam-se em demonizar os adversários e dispensam-se de defender alternativas, não vá a dialéctica priva-los do amparo da fé.
Fé privada do alimento de litanias, orfãos que são de simbolos viventes, de Senhor a quem possam entregar a sua devota servidão.

Anónimo disse...

A "esta merda de anónimos", sapientíssimo Herr "José", quando lhes vislumbrar os escritos por eles aqui deixados, faça-lhes a fineza de abrir essa cloaca fétida que é a sua boca e lave-a com as suas palavras. Os factos são boa pasta medicinal Couto para a higiene da boca de quem faz do seu quotidiano um continuamente trafulha bolsar de ódio. E o ambiente geral, uma vez feita a sua barrela cloaco-bocal, Herr "josé", sempre ficará bem mais saudável. Noto, contudo, que o seu último comentário se auto-atropelou ainda mais do que é em si costumeiro. Tocou o meu primeiro comentário alguma corda sensível das gratas memórias de antanho do corajoso Herr "José"? Andou a fazer o "gostinho ao dedo" nos idos de 61, valentíssimo Herr "José"? Ou tê-lo-á a sua insuficiência baixo-ventral, emasculadíssimo Herr "José", obrigado a ficar-se pelo mais que insatisfatório coito interrompido do mero espancamento de indígenas?
Conselho amigo, ó amador de água gaseificada de Vichy: retorne à bisca de taberna e à diária dieta de cocktail de tinto e perdigotos salazaristas, pois está mais do que provado que este campeonato aqui dos "Ladrões" não é para si.

Anónimo disse...

mais monolítico e relho que José não há e ainda assim não se cala.

Anónimo disse...

Esse seu comentário (?) das 15.40, piedoso Herr "José", bem o poderia publicar sob o título "Apocalipse de Um Fascista Impenitente" (leitura de exemplo e proveito para velhinhas órfãs do Movimento Nacional Feminino à beira do Céu e para fascistóides decrépitos). E, de facto, "revelação" é ele, sem dúvida alguma: revelação da sua psicótica alienação e da sua atávica, solidérrima e transbordante ignorância. Homem, já que o seu paleio é de sacristia, vá à missinha e faça a santa comunhão: enquanto a hóstia lhe acupar a boca, certamente poupará os circunstantes às suas tiradas javardas. Deo gratias.

Anónimo disse...

Qual demonizar adversários qual carapuça.

Um fulano que se presta a cenas acanalhadas destas, que diz uma coisa num dia e outra noutro, que presta a sua homenagem aos torcionários de acordo com o dever sagrado a quem lhe paga o serviço , que se afirma como um adepto colorido do imperialismo americano e que muda de registo como fazem alguns histriónicos em fase crítica, não merece a designação tola de "adversário" .

Vem para aqui com esta pieguice insuportável,parida no reino das ladainhas, lastimando-se pela ausência de apresentação de"alternativas",logo ele que tem aquele horror pelas "contas",pelos números, sistematicamente com maneirismos estereotipados quando se trata de fugir ao que é objectivo e concreto e refugiando-se nas missas patéticas das fés e das titanias e nos servos do senhor, forma com que tenta escamotear o seu posicionamento ideológico fundamentalista e de direita-extrema.

E como cereja no topo do bolo avança com mais uma declaração piegas do género que "se quiser não leia"!

Quando se apresenta um espelho onde "jose" ou "jmenos" vê reflectido o que ele próprio é , o que ele próprio debita, o que ele próprio escreve, o que vemos?
Estas cenas toscas e tontas, a lembrar outras "cenas" que o têm acompanhado sabe-se lá desde quando.

Que falta de dignidade,que falta de coragem, que falta deles no sítio para nos presentear com estas tretas a raiar o patético e o pindérico quando pretende apagar a sua própria imagem do espelho que o retrata desta forma lastimável e repelente

De

Anónimo disse...

Ó caro De, há que compreender que o homem está, claramente, a atingir a fase última do delírio fascistóide. Não tarda, dá-lhe para a alucinação mística e desata-nos a ver Salazares e Cerejeiras a dançarem o fandanguilho picado enquanto pairam sobre uma azinheira. Lourdes e Fátima que se cuidem, pois o homem ainda veste um surrado traje de pastor de antanho e passa a ser conhecido como "Josézito, o vidente de Santa Comba". A coisa promete, caríssimo De, a coisa promete...

Jose disse...

Sempre me delicia ver esta unidade, esta comunhão esta irmandade, sem critério de saber ou de estilo que imponha a sonbra da diferença.
É o verdadeiro espírito progressista do igualitarismo, que na unidade da fé, tudo junta numa massa nauseante de negação a tudo que ofenda os dogmas doutrinários.

Diferente se apresenta a relação entre os crentes quando, na intimidade dos seus concílios, tudo são apostasias e autos de fé.

Estou certo de contribuir para a vossa felicidade propiciando-vos esse sentimento de unidade, quando volutariamente me apresento a sofrer a vossa intolerante e cega treteirice.
Acreditai que o faço sem esforço e gozo bastante .

Anónimo disse...

Que original! Sofrimento e gozo embrulhados em paleio de sacristia.Herr "José", o mártir fascistóide-masoquista, o paciente sofredor das tenebrosas torturas mentais de dois Neros bolcheviques, a tradução masculina, em modo histérico-reaccionário, de Santa Teresa de Ávila.
Olhe lá, ó Herr "José", por que não arranja uma cadeirita carunchosa e nela se senta? Pode ser que tenhamos a sorte de ela dar de si, e Vossa Excelência, numa perfeita "imitatio vita salazaris", dê com a mona no chão.

Anónimo disse...

A carapuça enfiada motiva a vinda apressada e em desalinho de herr jose.
Dupla carapuça,porque depois da chamada de atenção volta aqui com uma conversa da treta, assumindo-se de facto como um Padre Amaro de corpo e alma.

(Tretas e carapuços, misturados com "gozos" (?) e esforços?
Mas este coitado não saberá que a sua vida privada não interessa mesmo nada? que mantenha o recato no sofá que frequenta e que passe à discussão de coisas substantivas)

Em vez de responder de forma minimamente digna às acusações directas de pieguice insuportável, parida no reino das ladainhas e de ser um treteito dum troca tintas que nem sequer tem coragem para se olhar e ver a sua própria imagem no espelho, vem debitar mais missas patéticas e pelintras A demonstração frontal de não passar dum admirador de torturadores, desde que estes cumpram o seu dever com quem lhes paga, motiva a sua fuga e este esbracejar tolo e beato. Um auto-retrato forte mas profundamente decadente e enjoativo.

O tema não é este. Infelizmente temos estas cenas canalhas dum tipo que quer apresentar-se como um Trump assumindo-se como um "nao politicamnte correcto" ( naquele linguarejar em que imita as epístolas amorosas entre salazar e cerejeira dirá : "... o meu discurso ofenda os cultores do monolitismo político, acéfalo e fundado em dogmas a preto e branco")

E aqui radica outra coisa igualemtne sinistra que interessa desmontar

De

Anónimo disse...

Porque a figura tutelar desse autêntico canalha que é Trump nos aparece aqui?

"Donald Trump converteu-se, indubitavelmente, num interessante ícone mediático a propósito das próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos. De uma perspectiva comunicacional, a pergunta coloca-se nos seguintes termos: ¿Como foi possível que um personagem com tão escassos méritos políticos (e pessoais) tenha alcançado tal protagonismo?
...a sua visão política nacional e internacional não vai mais longe que aquela que se emite, entre amigos, na esquina de algum bar: uma mixórdia de opiniões simplistas, não muito diferentes das daqueles a quem se dirige. Ao examinar o discurso básico deste personagem constatamos que, tal como Le Pen do outro lado do Atlântico, se ajusta com precisão a opiniões amplamente difundidas em certos sectores da população estado-unidense. Trata-se de “grosserias políticas” que instalam um discurso tóxico ante um público que espera, justamente, um personagem deste calibre que o represente.
...A fórmula não é nova, outros já percorreram este caminho. Hitler foi um dos primeiros a utilizar o espantalho de uma “ameaça interna” para aglutinar as massas em torno do temor e do ódio. Bastará recordar Goebbels: Toda a propaganda deve ser popular, adaptando o seu nível ao menos inteligente dos indivíduos a quem é dirigida. Quanto maior for a massa a convencer, mais pequeno deve ser o esforço mental a realizar. A capacidade receptiva das massas é limitada e a sua compreensão escassa; para além disso, têm grande facilidade em esquecer. No fim de contas, “Se uma mentira for suficientemente repetida, acaba por converter-se em verdade”
Álvaro Cuadra

Percebem agora a linha de força que une Trump a este tipo que se assina como Jose? Percebem como a apologia do medo defendida aí por este, tem antecedentes de peso? Percebem como a iniquidade e a abjectividade faz caminho seguindo os preceitos de Goebbels?

Há mais Mas voltemos à segurança social

De

Anónimo disse...

E ainda bem que o delicia esta visão de unidade, Herr "José", pois tal visão sempre lhe poupa umas coroas: em vez de custosamente (em termos de "aéreos") se deslocar ao Festival Internacional do Doce Conventual de Santa Comba do Peido Mestre do Botas, pode por aqui passar e adoçar o palato. Junta-se o útil ao agradável: poderá Herr "José", poupando o seu pé-de-meia, já tão erodido de tanta contribuição para o grego viver à larga, temperar essa biliosa reccionarice fascistóide com uns quantos doces grãos de luz por aqui deixados por alguns dos "Ladrões", e a malta que frequenta os "Ladrões" continuará a rir-se, até às lágrimas, com as suas pantomineirices de bobo desta republicana corte. E nunca se esqueça, Herr "José": o boca doce é bom, é bom é, para o avô que é xoné.