segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Quem controla o quê?

Quando se quer reduzir o défice, nem sempre é uma boa ideia cortar o gasto público. Quando existe capacidade instalada ociosa, um programa de investimento público é produtivo, gera maior arrecadação, reduz a necessidade de endividamento.

Ler Alejandro Nadal: O governo controla o gasto, não o défice.

8 comentários:

O Puma disse...

Muito bem

Anónimo disse...

Check this out:

http://www.veteranstoday.com/2011/02/28/u-n%e2%80%94u-s-%e2%80%94e-u-fine-to-kill-gentiles%e2%80%94but-protect-the-jews/

LOUVA A GREVE PERMANENTE EM DEUS disse...

claro comprar mais mercedes
nem sempre é uma boa ideia cortar o gasto público

então em programas informáticos

temos de desenvolver as nossas fábricas de mercedes de telemóveis de ...ah é verdade não produzimos merda desta

e os gastos em telecomunicações são indispensáveis

e em mandar cópias e mais cópias

e imprimir de 15 em 15 dias umas folhas na impressora para todos os 600mil desempregados?

1.200.000 impressões por mês?

fora essas 100mil resmas de papel
e os 500 ou 600 tinteiros são apenas a pontinha do iceberg do império xerox

cortado perdem-se milhões de empregos não é

duplicação de serviços de máquinas
etc

nunca houve controlo de nada
havia de ser agora?

Manuel disse...

E quando se quer reduzir o défice, também nem sempre é uma boa ideia aumentar o gasto público.

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

QUESTÕES DE FÉ...pués

Anónimo disse...

«Os especuladores internacionais têm nome: chamam-se Sócrates e Teixeira dos Santos» leiam e vejam no que têm resultado os cortes salariais! http://quartarepublica.blogspot.com/2011/02/os-especuladores-internacionais-tem.html

Anónimo disse...

O Manuel parece ter razão: quando se quer cortar o défice não é boa ideia aumentar a despesa publica. Como se fosse possível cortá-la em tempos de vacas gordas.
Têm de apresentar uma versão económica dos argumentos de Zenão sobre o movimento.

Jorge Rocha

linkwheel disse...

There are definitely a lot of details like that to take into consideration. That may be a great point to deliver up. I supply the ideas above as normal inspiration however clearly there are questions just like the one you deliver up where an important thing can be working in trustworthy good faith. I don?t know if greatest practices have emerged around issues like that, but I am sure that your job is clearly identified as a fair game. Anyway, in my language, there are usually not much good source like this.