domingo, 1 de março de 2015

Dos pesos e das medidas

«Não é aceitável que um primeiro ministro tenha dois pesos e duas medidas. Quando o Estado penhora casas de morada de família [ou salários], por dívidas menores ao Estado; quando a maioria chumba as propostas do Partido Socialista [e do Bloco de Esquerda] para suspender estas penhoras; é urgente que o primeiro ministro dê explicações aos portugueses, dizendo precisamente quanto deve à Segurança Social, quanto pagou e se é verdade ou não que pagou apenas e só (e se acha isso natural) na véspera da saída de uma notícia num jornal português. (...) O primeiro ministro não pode alegar desconhecimento da lei para justificar o seu comportamento de evasão contributiva.»

Ana Catarina Mendes (Vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS).

«Não pagar Segurança Social é tão grave como não pagar impostos. Não conhecer as obrigações que se devem ter com o país é algo que não pode ser aceite em relação a quem teve cargos como deputado e que hoje é primeiro ministro. (...) Aparentemente, nós temos um primeiro ministro que, já depois de ter sido deputado, não sabia que os trabalhadores faziam contribuições para a Segurança Social. Não foi notificado, não sabia... E portanto não pagou.»

Catarina Martins (Membro da Comissão Política e porta-voz nacional do BE)

Passos Coelho justificou o facto de não ter pago de imediato a sua dívida à Segurança Social (de que diz ter tido conhecimento apenas em 2012), por pretender fazê-lo «apenas em momento posterior ao do exercício do atual mandato» (o que nos leva a pensar que, para o primeiro ministro e por insondáveis razões, as obrigações contributivas em atraso não devem ser regularizadas no exercício de mandatos políticos e governativos). Ora, como bem assinala o Câmara Corporativa num post sobre este assunto, Passos acaba de anunciar que se vai «bater por uma maioria absoluta em 2015», o que leva portanto a supor que a sua intenção (caso o Público não tivesse detectado a situação) era a de pagar a dívida num domingo de Outubro, mais precisamente no dia em que venham a realizar-se as próximas eleições legislativas (ou bastante lá mais para a frente, se as vencesse).

13 comentários:

Mário Reis disse...

NS
O PCP também tomou posição sobre o assunto. A persistente firewall à opinião e aos dirigentes comunistas é um facto, ponto.

Da TSF: "Os comunistas consideram que as explicações dadas até agora pelo gabinete do primeiro-ministro e pelo ministro da segurança social são «esfarrapadas». Por isso, o PCP vai exigir a Pedro Passos Coelho que um «esclarecimento integral» sobre a sua situação perante a Segurança Social."

----
É triste, mas os 85% de dirigentes da segurança social nomeados pelo PSD, tinham de dar os seus resultados. Com os já muito castigados pelos recibos verdes não há contemplações na aplicação da lei e, às penhoras seguiu-se a chantagem pelo crime de fraude.

Nuno Serra disse...

Caro Mário Reis,
Não se convença que houve, da minha parte, qualquer firewall relativamente a declarações do PC nesta matéria. A explicação é simples e singela. No Jornal da tarde da RTP1, passaram apenas as declarações de Ana Catarina Mendes e Catarina Martins (que estão transcritas no post). Pareceram-me particularmente elucidativas e daí as ter utilizado.
Se me pergunta se no referido noticiário também devia ter sido mencionado o posicionamento do PCP, não posso estar mais de acordo consigo.

Jose disse...

1 . Ó Ana dos Dramas
Nunca descontei para a segurança social em recibos verdes e cá estou de bem com o Estado.
Mantendo um qualquer salário numa empresa e descontando por aí, ficava a SS satisfeita e eu com dinheiro no meu bolso que isso de reformas chorudas sempre me pareceu filme a acabar mal.
Se era legal não sei, mas funcionou bem.

Jose disse...

2 - Ó declamante Catarina-
«Não conhecer as obrigações que se devem ter com o país é algo que não pode ser aceite »

Exageramos, mas colocando a voz, faz um belo efeito!
Isto de reformas, quanto maiores mais se roubava o Estado.
Descontando 40 anos menos de 40% e recebendo 20 anos 100% do último e maior salário!

Jose disse...

Nuno Serra,
Dois pesos e duas medidas é bem a tirada demagógica que ignora que a obrigação de quem governa fazer cumprir a lei é bem diferenciada da obrigação do cidadão de escolher cumpri-la, caso a conheça.
Mas, como é de uso, à falta de políticas de combate, combate-se os políticos.

meirelesportuense disse...

Como é possível alguém sentir ter Moral para se assumir como candidato ao lugar do mais alto cargo representativo de um qualquer País, não cumprindo com as suas obrigações mais elementares como pagar as suas contribuições?...E depois falam em pessoas que vivem na indigência do Estado Social, eles que nem para o Estado Social desejam contribuir, tão só receber tudo o que puderem "esmifrar" ao longo do tempo, como este fez com os dinheiros das prestações da Assembleia da República para a sua "Reintegração Social" -ele que foi quem mais cortou ao RSI dos Miseráveis- assim que deixou o cargo de Deputado!...Como é possível deputados quererem cortar as Pensões de Velhice ou Doença aos seus eleitores, quando eles próprios se reformam aos 40 anos de idade com Pensões Milionárias?...
Eu considero que o Mundo precisa de uma lavagem visceral a todos estes verdadeiros parasitas!
Parasitas de contradição insanável, porque se alimentam de um corpo que afinal tão só afirmam pretender destruir.

meirelesportuense disse...

Estas pessoas não têm Vergonha na Cara, não têm Ética, nem principios Morais recomendáveis...Não são dignos de representarem Portugal.
Por isso, acontecem coisas do género daquelas a que assistimos na União Europeia, por parte dos nossos representantes. Vergonha.

Dias disse...

O ex-director geral da SS já disse tudo:
Trata-se de “evasão contributiva continuada”. Aqui:

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=1&did=179983

Mais, como é que “a dívida de Passos Coelho já foi paga com juros”, se a mesma fora dada como prescrita?! Será que para um “bom samaritano”, os cofres do Estado estão sempre disponíveis para uma moedinha?

Vergonha! O PSD que arranje outro, que este não cumpre os mínimos para um cargo público…

Anónimo disse...

o Jose como sempre vem defender a sua dama mesmo quando as acções da dama são indefensáveis. Fica-lhe bem. Lealdade é uma das qualidades que se apontam sempre que se refere a raça canina. O Jose esquece-se duma coisa básica entre outras - ao contribuinte vulgar está-lhe vedado o argumento do desconhecimento ou do esquecimento. Depois existem os Ricardos Salgados e os Passos Coelhos, pessoas com vidas mais importantes que essas menoridades e que se esquecem dessas coisitas até que estejam prescritas ou perdoadas por mão amiga

Jose disse...

Ao indignado Meireles
Falo por mim. O respeito pelo Estado pressupõe um Estado que se dê ao respeito. Quando o 44 estava a 1º, a relação entre Estado e associação de malfeitores era a mais evidente.
Ainda hoje por lá ands uma mão-cheia deles.
O sentido primeiro da previdência é que ela não é um imposto mas uma poupança obrigatória em que o incumprimento prejudica antes demais o infractor. Nos recibos verdes houve um tempo que não era obrigatório, outro em que se podia invocar ter descontosm por outra via e outro em que não era fiscalizado.
Por isso, Meireles, não te armes em virgem ofendida e indigna-te com o muito que ainda há para indignar.

Anónimo disse...

Este tal José parece ser como o PPC sabia que tinha de pagar mas não pagou porque sim...
Pagar para a SS toda a vida e sempre foi obrigatório, quer se trabalhe com recibos verdes, quer por conta de outrem e isto sem necessidade de qualquer notificação que não é mais do que uma desculpa esfarrapada do PPC.
Coisas a que ele, aliás, já nos habituou e que já fazem parte do anedotário nacional.
Para um tão grande defensor dos credores e que anda sempre a pregar que as dividas têm de ser pagas custe o que custar era engraçado era que a SS lhe penhorasse o ordenado, como, aliás, tem feito a quem lhe deve muito menos e por menos tempo.
É, aliás, também muito estranho que a SS tenha deixado prescrever a divida quando se sabe que a SS tem sido e é implacável com os outros "recibos verdes". Mistérios que o Ministro Mota Soares( o fininho do CDS)devia esclarecer devidamente. Depois o culpado é o sistema informático.!

Manuel Silva disse...

Quando se responde continuadamente a reles sabujos que estão aqui de plantão no Ladrões de Bicicletas a cumprir uma ordem dada pelo dono, dá-se-lhes o estatuto de gente.
Mas não são.
São reles ventríloquos que apenas reproduzem a voz do dono, pois falta-lhes neurónios pata emitirem uma opinião minimamente crítica seja sobre o que for.
Continuem a dar-lhe estatuto de gente.

meirelesportuense disse...

Zézinho:
-Desculpa se te magoei mas não estava a falar de ti, se não percebeste eu referia-me ao PPC, àquele que anda numa fona de um País para outro, a representar Portugal à custa dos Portugueses e dos Impostos, que os Portugueses pagam, que nunca ri e raramente escuta anedotas, que gosta da Nini mas detesta as Doces, e pelos vistos tu aplaudes e achas bem, se calhar porque também foges ao Fisco, aliás vendo bem, esta comandita laranja foge a tudo o que tenha a ver com pagar seja o que for, menos ao dia do Pré e dia 30 de cada mês!...E chamam aos outros parasitas!
Já agora, eu sou Virgem, tu é que, a julgar pela conversa, não deves ser, de certeza.