terça-feira, 26 de março de 2013

Mais duas notas sobre Chipre

1- O modelo de resolução da banca cipriota impõe perdas a todos os seus credores: accionistas, obrigacionistas e depositantes com mais de 100 mil euros em depósitos. Todos? Todos não, porque os empréstimos do Eurosistema - 9 mil milhões de euros a toda a banca - são totalmente preservados, sendo transferidos para o novo banco entretanto criado e, por isso, garantidos pelos contribuintes cipriotas.

2- O resgate a Chipre está a ser vendido como o castigo europeu a um paraíso fiscal no seio da zona euro. Luxemburgo (banca com balanços 23 vezes o seu PIB)  e Malta (banca com balanços 8 vezes o seu PIB) são os próximos?

5 comentários:

Ricardo O. disse...

O Luxemburgo? Não!!!! Isso significaria que o grande capital almeão seria atacado no seu coração... ou talvez não! Concerteza seriam suficientemente criativos para deixar de parte as suas «poupanças»...

D., H disse...

A UE nunca combateu a evasão fiscal, nem se preocupou tão pouco com o controle do movimento de capitais dentro dos seus Estados-membros. Esta é que é a pedra de toque.
Estamos recordados que ainda há menos de 2 anos, a família Soares dos Santos transferiu as suas acções para a Holanda, onde estão sediados vários offshores…Tudo é possível numa EU, que é aberta umas vezes e estreita noutras, tudo depende dos “humores” que estiverem mais à mão. Luxemburo ou Malta, ça depend…

Em mais um momento de hipocrisia, querem-nos agora vender a ideia do “patinho feio” chamado Chipre. Os russos que lá branqueiam o dinheiro foram rotulados imediatamente de “oligarcas”; se os mafiosos fossem de outros países seriam “elites”…

As instituições europeias navegam à vista! Quem tem confiança nestes habilidosos?
Primeiro, quiseram taxar também os depósitos inferiores a 100 000€.
“Bruxelas "interpreta" plena garantia dos depósitos até 100 mil euros no sentido de que só se aplica em caso de falência de um banco, não no caso de impostos extraordinários, como foi decidido para Chipre. O porta-voz da Comissão Europeia Simon O'Connor veio esclarecer hoje que a garantia plena dos depósitos até 100 mil euros no sistema bancário europeu só se aplica em caso de falência dos bancos”.

E o que se passou em Chipre, não foi a falência de bancos?!
(vá lá que emendaram a mão…)

Anónimo disse...

Chipre é acusado de ser um Off-shore , e então o que são Malta, a ilha de Man no Reino Unido e o Benelux, principalmente o Luxemburgo? Será a UE , ainda uma zona geográfica composta por Estados de Direito ? Começo a ter muitas duvidas.

brancaleone disse...

"O resgate a Chipre está a ser VENDIDO como o castigo europeu a um paraíso fiscal"
Pois, está a ser vendida a mentira do dia, tal como foi vendida a da divida pública.
Luxemburgo? Porque é que devia ter problemas um pais crededor?


Aires da Costa disse...

D. H.

A UE ?