quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Jogo de espelhos

Claramente o PSD convenceu-se que depois do fraco apoio recebido pelo seu novo credo neoliberal (como mostraram as reacções ao seu projecto de revisão constitucional), o melhor meio de conseguir os seus objectivos seria por via de uma crise orçamental, que obrigasse à vinda do FMI e à imposição por via externa de um programa assassino de redução da despesa pública e de corte nos serviços públicos, incluindo na saúde, na educação e na protecção social, ou seja os três pilares do Estado social”.

(Vital Moreira, Público)

Vital Moreira analisa de forma particularmente clara e certeira a trajectória errática do PSD, sublinhando o taticismo eleitoralista que tem norteado o partido nos últimos tempos, a propósito da novela da aprovação do orçamento de Estado para 2011.

O que surpreende neste artigo, contudo, é a idêntica clareza com que supostamente se poderiam distinguir, segundo o autor, as medidas do governo relativamente ao projecto ideológico do PSD. Existirá uma separação assim tão cristalina entre as opções governamentais e os anseios do maior partido da oposição? Não constitui o OE de 2011 em si mesmo, pelas escolhas que encerra, e aprovado para todos os efeitos “a meias”, «um programa assassino de redução da despesa pública e de corte nos serviços públicos, incluindo na saúde, na educação e na protecção social, ou seja os três pilares do Estado social»?

Se em tempos de crise é este o rosto da identidade ideológica da “esquerda moderna” (que Vital Moreira tanto gosta de contrapor à “esquerda radical”), por será que o mesmo se confunde tão facilmente com os eixos programáticos da “direita neoliberal”?

4 comentários:

Frato disse...

Esse senhor é a voz do dono, um vira-casacas, uma desilusão para quem ainda bebe abril. Que se cale de uma vez por todas e goze uma qualquer velhice dourada. Irra!
F. Soares

Anónimo disse...

Do VM só podia sair toda aquela asneirada.
Dali nem podia sair outra coisa e é o que é normal nos vira-casacas, como é o caso.
Normalmente, aliás, fulanos como o VM são até piores do que aqueles cujos credos o VM e outros iguais a ele abraçaram.
Depois dizem, como diz o Pinto de Sousa, que tudo isto é para defender o Estado Social. Só para rir.!!
O pior é que não se vê quando é que os portugueses acordam deste pesadelo que tem sido a governação PS( a juntar ás anteriores do PSD/CDS).

M disse...

Não consegui deixar de pensar na música do José Mário Branco aqui...
FMI, FMI... :-)

Anónimo disse...

odeio o fmi
mais a musica do q o fmi em si