quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A fraude conveniente

O blogue Alcatruz mostra-se surpreendido, e com razão, como no espaço de uma semana dois artigos diferentes no Público davam conta de factos diferentes. No artigo que publiquei com o João Rodrigues afirmamos: “os aumentos salariais (em Portugal) estiveram em linha com os aumentos da produtividade”. Francisco Sarsfield Cabral publica a seguinte afirmação: “Eles (os alemães) sabem, por exemplo, que, enquanto os salários alemães estagnavam ou desciam, nos últimos anos os salários gregos e portugueses subiam muito acima da produtividade.” Isto num artigo que acusa quem quer perceber as causas da actual crise de andar a procura de “bodes expiatórios” e em que aponta o Estado português (“o monstro”) como origem de todos os males. Quanto a “bodes expiatórios” estamos conversados…

Quanto ao senso comum televisivo dos tempos que correm, da produtividade e como Portugal tem vivido um regabofe salarial, onde os trabalhadores vivem acima das suas possibilidades, não há nada como ver, sei lá, os dados. A discussão em torno do cálculo da produtividade do trabalho ou de como a desigualdade salarial em Portugal se tem vindo a agudizar é bem interessante, mas nem sequer vou entrar por aí. Observando a evolução da produtividade (primeiro gráfico) e da compensação real do trabalho na Europa (segundo gráfico) - únicas medidas comparáveis, pois estão ambas deflacionadas - observamos que quer os gregos, mas especialmente os portugueses têm acumulado ganhos abaixo dos da produtividade. Na última década pode-se falar, muito cautelosamente, em alinhamento para o caso português. Nem sempre repetir uma mentira muitas vezes a torna verdade.




(Click para aumentar)
Fonte: RMF

8 comentários:

Anónimo disse...

Ora.
O que é que se pode esperar do Francisco S.Cabral a não ser umas quantas bacoradas para agradar a quem melhor lhe paga.
É fatal como o destino.

Anónimo disse...

O "real" compensation of labour é ajustando os salários à inflação, certo?
Ou algo mais complicado que isso?

E como é que a inflação influencia a medida do "Labour productivity"?
A valorização dos produtos devido à inflação não influencia esse valor?...

PR disse...

Estes dados não batem certo com uns que retirei da mesma fonte há poucas semanas. [Mas ainda não tive tempo para perceber exactamente onde está o "rato"]

Eduardo disse...

Fraude é o Estado apropriar-se dessa produtividade. Para não chamar roubo.

Anónimo disse...

as duas medidas estao deflacionadas (ajustadas a inflacao). A questao da inflacao e dos custos nominais de trabalho estao em outros posts (procurar "o problema nao esta nos salalrios").

PR,

os dados sao de duas fontes diferentes: OCDE e AMECO. Nao sei se ajuda.

NT

Maquiavel disse...

Ora bem, podias fazer um gráfico por país comparativo entre os dois indicadores, para ver quanto foi o ROUBO.

Por acaso os portugueses até nem foram muito roubados, tal como os alemäes, mas o resto...

... se o povo é desinformado e desinteressado, as elites fazem o que querem. Agora culpam-nos pela austeridade, e eles estäo pronto a mais um sacriicio, afinal foram todos calöes, näo foi o que o paträo disse sempre?

Inês Meneses disse...

afinal, estamos a falar do senhor "não legalizem o aborto que elas vão abortar para fazer férias na neve", estávamos bem avisados quanto à seriedade argumentativa

Justiceiro disse...

Novo link:

http://researchonmoneyandfinance.org/images/other_papers/fullreport.pdf