segunda-feira, 22 de abril de 2013

Swaps, buracos de 3 mil milhões e a finança disfuncional.

É notícia de hoje a potencial perda de 3 mil milhões do sector público empresarial devido a produtos derivados financeiros (os swaps). Os meios de comunicação social esforçam-se por explicar o que é um contrato deste género e as perdas em causa, mas algumas notícias apontam para produtos mais complexos e arriscados. Enquanto não se sabe o que realmente está aqui em causa, vale a pena recuperar este post publicado há um ano atrás acerca dos negócios ruinosos entre o Estado italiano e o banco Morgan Stanley. Apostaria que algo de muito parecido aconteceu nas empresas públicas portuguesas.

5 comentários:

Anónimo disse...

É mais do que justo fazer aqui a referência à intervenção do deputado Bruno Dias na AR, no passado dia 17 de abril, sobre este mesmo assunto. A intervenção é tão pertinente e tão esclarecedora que, perdoem-me a ousadia, bem que merecia ser convertida em post. Fica aqui a hiperligação: http://www.pcp.pt/h%C3%A1-anos-que-o-pcp-denuncia-esc%C3%A2ndalo-financeiro-dos-contratos-%E2%80%9Cswap%E2%80%9D

Luís Lavoura disse...

Li o post lincado e não vi nele nada de mal. O facto de Itália ter perdido dinheiro na aposta que fez não significa que fazer essa aposta não tivesse certa racionalidade. Sobretudo se Itália estivesse, no momento em que fez essa aposta, condicionada ou constrangida por alguma dificuldade, da qual a aposta feita pudesse salvá-la. E repare-se que Itália perdeu dinhero com a aposta, mas também poderia ter ganhado dinheiro.

JFDC disse...

Não querendo parecer agressivo/ofensivo, acho cretino criticarem-se estratégias financeiras quando se desconhece do que se trata. Qualquer contrato "Swap" é efectuado com o intuito de cobrir riscos associados à taxa de juro. Colocando em termos quotidianos, tem o mesmo objectivo de qualquer seguro automóvel (conhece alguém que tenha utilizado a totalidade do valor pago ao longo dos anos? Eu não...).
Assim, deixo uma leitura que aconselho (embora não directamente virada para a cobertura de risco), espero que esclarecedora acerca dos agentes económicos presentes no mercado.

http://tricontraditorium.blogspot.com/2013/03/ensinamentos-especuladores-deuses-ou.html

Nuno teles disse...

Caro JFDC,

Se lesse antes de criticar, deixava de ver cretinice... Está claro que o que está causa não é um "plain vanilla" swap.

Caro Luis Lavoura,

O problema está na ideia de aposta e do facto de quem a vende ser a mesma entidade que a constrói. Aí passamos do muito questionável casino para a burla.
o caso português está longe de ser o primeiro. Existem imensas decisões de tribunais, dos EUA à Alemanha, a condenar a banca de investimento. uma breve pesquisa no google é suficiente.

nuno

nuno

JFDC disse...

Fica então, mais alguma "cretinice"...

http://tricontraditorium.blogspot.com/2013/05/desmistificando-as-swaps.html