quinta-feira, 11 de abril de 2013

Duas ilhas

Olhem para este gráfico com a evolução da taxa de desemprego na Islândia e em Chipre. Esta diferença será cada vez mais abissal. Qual é então a coisa qual é ela que talvez contribua decisivamente para que estas duas ilhas tenham trajectórias tão distintas? Duas pistas: não são as crises de sectores financeiros hipertrofiados, resultado da aplicação de políticas neoliberais, e também não são sempre úteis controlos de capitais, no contexto de reestruturações dos sistemas bancários depois da crise. Mais uma pista: demasiados economistas nacionais ainda acham que essa coisa não serve para nada.

4 comentários:

Anónimo disse...

É "em Chipre", não "no Chipre".

João Rodrigues disse...

Muito obrigado. Corrigido.

Jose Guilherme disse...

No Brasil diz-se sempre "no Chipre".

E "no Timor".

E "na Espanha" - tal como "na Alemanha".

Parece-me que as várias formas são igualmente aceitáveis, na língua portuguesa.

E o mais importante é sublinhar que a Islândia, por ter soberania monetária, está saindo da crise enquanto os países da periferia do euro continuam enterrados nela até o pescoço.

Joao Rio disse...

Então qual é a diferença?