segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Perguntas

Será que o governo sabe que a desvalorização fiscal não resulta, nem sequer no mundo de fantasia em que habitam os economistas que fazem certos estudos, a avaliar pelas conclusões de um célebre relatório encomendado e que vale a pena desenterrar? Será que no governo falam com empresários, de que se dizem tão amigos? Será que lhes perguntam por que é que investem tão pouco, de tal forma que o investimento, em percentagem do PIB, é hoje metade do que era em 2000? Será que sabem que o INE faz esta pergunta regularmente e que a resposta das empresas é esmagadora – “deterioração das perspectivas de vendas”? Será que sabem que os salários são uma das principais fontes de procura? Será que sabem que a economia também depende dos que, certamente por defeito moral, consomem tudo o que ganham, certamente o caso, por exemplo, dos trabalhadores do público que devido aos seus salários abaixo dos 600 euros tinham sido até agora relativamente poupados? E que farão os trabalhadores assalariados, em geral e já sem divisões público-privadas, os que levam para casa a fortuna média de menos de 800 euros, um regabofe? Será que sabem que as exportações, a tal procura externa que se espera que cresça à custa disto, registaram, graças à austeridade dos outros, o crescimento mais baixo desde a crise de 2009 e que isto só não tem sido pior devido à desvalorização do euro? Será que sabem tudo, mas não têm qualquer vontade, basta pensar em Gaspar, ou capacidade de dizer não à troika, aos que estão a transformar Portugal num laboratório para a enésima experiência neoliberal falhada? De resto, reconhecendo a “loucura” e o “absurdo” desta politica de desvalorização salarial e social permanente, de que as alterações à legislação laboral foram uma peça, será que João Proença, a UGT, irá repudiar o acordo que assinou e juntar-se a uma grande vaga de luta por uma alternativa, já que se está a atacar tudo o que justifica a existência de um sindicato, de uma central sindical, já que se está a agredir um país?

7 comentários:

Aleixo disse...

Será...

...que as BESTAS ,

que escrevem ( e subscrevem ! )

a opção por medidas predadoras do interesse dos seus representados,

podem invocar e reivindicar,

LEGITIMIDADE ( ??? )

para o fazer??!!

Aleixo

José dos Berlindes disse...

Atchim:
(para um problema de coordenação):

A. Trabalho e capital

A.1 Na economia faz-se um bolo
A.2 O bolo parte-se

Enfim
B.Procura e oferta
B.1 Tudo o que os trabalhadores ganham consomem
B.1.1 Tudo o q eles deixam de ganhar deixam de consumir
B.2.2 Logo tudo o que os lucros iam aumentar não aumentam
B.3.3 Mantém-se todo o emprego
B.4.4 A única diferença (inapropriável) é que os trablhadores passam a consumir.. menos SUGUS (https://www.google.pt/search?q=sugus&hl=pt-PT&sa=X&prmd=imvns&tbm=isch&tbo=u&source=univ&ei=uchNUKiGKIi5hAemt4CwCA&ved=0CCAQsAQ&biw=1024&bih=595)

(isto numa economia autárcica)

Explicando:
C. O "equilibrio económico da empresa" mantém-se: a redução de custos é compensada pela reduçao de proveitos.
C.1 A necessidade que tinham de empregar ou desempregar é exactamente a mesma de antes.
C.2 Há é menos sugus em circulação. Mas isso tb não é um problema para os produtores de sugus porque os custos das empresas de sugus (ie, todas as empresas) baixaram.
C.3 Como diria o Louçã: é uma medida de "destruição da economia".
E um problema de barriga. Todo o problema económico é um problema barriga.

D. Agoram isto ficou tudo f*d*d* quando o Marshall começou a calcular elasticidades, o Keynes propensões marginais.. e o Marx composições orgânicas.
D.1 Apreende-se ou prefere-se um exemplo com cerveja e concertos?

E. A despesa (a partir de salários) cai, logo o rendimento (produção da empresas, sugus) cai. O pib cai. Cai simplesmente porque tirámos (a negação decretada) "poder de compra" a uns e não demos sequer a outros. A despesa da economia caiu. E quando a despesa na economia começa a cair nada a pára.

F. Isto só não seria assim, se os capitalistas, "os patrões" fossem a correr (no imediato) gastar todo o acréscimto de rendimento potencial, substituindo o consumo dos workers (e enfim, na mesma categoria de produtos para não perturbar ainda mais as coisas).
F.1Mas não, como essas bestas começam a pensar "na tesouraria" retêem-no. E ao retê-lo, extinguem-no (embora haja um dia q parece q eles até ficaram com mais dinheiro em caixa).

G. Na prática. O aumento da TSU corresponde a uma EXTINÇÃO de rendimento decretada pelo Estado.
(isto é mt fixe). Era o que se chamaria UMA POLÍTICA RECESSIVA.

H. Meninos e meninas, bem vindo ao novo regime das equivalências.

Anónimo disse...

Leitor assíduo dos seus "posts", fiquei espantado com a sua referência ao grande sindicalista Proença.
A pergunta é só retórica não é ?

Diogo disse...

Estes tipos são criminosos genocidas a soldo de outros criminosos genocidas (banqueiros).

Manifestações, palavras de ordem, bandeirinhas, cartazes e canções? Para quê? Para ter os mesmos resultados (nenhuns) de todas as outras que já se fizeram?

Criminosos genocidas devem ser tratados como tal. Porque não vamos à caça deles? Eles são algumas centenas e nós somos milhões. Ainda teremos alguma coisa a perder?

Anónimo disse...

Palpita-me que o grande sindicalista deve andar a dormir mal...

joaquim silva disse...

que tempos estes meu deus,em que os idiotas conduzem os cegos...

Claudia Sousa Dias disse...

Há dois anos atrás eu, socióloga tentei explicar isto mesmo a um gestor contabilista adepto ferrenho desta ideologia neo liberal. Disse-me que eu não tinha razão, que não era assim. Tratou-me como a uma ignorante.