domingo, 4 de setembro de 2011

Iminências

Lagarde avisa que está iminente uma recessão da economia mundial. É a austeridade dos dois lados do Atlântico, cujas consequências já tinham obrigado Lagarde a fazer o pino e a defender uma política de estímulos económicos para já. Enfim, com esta recessão mundial é que as exportações vão puxar pelo crescimento. Deve ser por isso que Passos Coelho, um crente na consolidação orçamental expansionista, na auto-regulação dos mercados e noutros milagres, anunciou hoje, com um notável sentido de oportunidade, o princípio do fim da crise em 2012.

2 comentários:

Conservador disse...

Meu caro, o que ocorrer nos EUA ocorrerá na Alemanha...o resto já se sabe...Anda tudo a dormir desde o início do euro. Acredite.

Nostragallus disse...

Esgotou-se o modelo de crescimento baseado na dívida. Todos esses "estímulos" são como doses de sal adicionados a uma solução saturada de sal. Não se transformam em riqueza como dantes. Aumenta só a dívida sem qualquer contrapartida real.