quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Regulação ou não, essa não é a questão

Opor regulação a desregulação, como se fosse aí que passa a fronteira entre esquerda e direita é uma mistificação. O mercado desregulado (financeiro ou outro) que a Terceira Via usa para descrever o neoliberalismo e dele se demarcar, nunca existiu e se existisse teria propriedades que nem sequer somos capazes de imaginar.

Permitam-me uma metáfora rodoviária para chegar ao ponto mais depressa. Nas estradas da minha terra a GNR regula sempre o trânsito. Sem essa regulação o trânsito seria muito diferente do que na realidade é. Quando acontece passar por lá um rali automóvel garante a passagem aos aceleras e impede a minha passagem. Isso não é uma estrada desregulada.

Os mercados são evidentemente regulados e os financeiros em maior detalhe ainda. A questão é que a regulação dos mercados financeiros que foi sendo instituída (com o consentimento mais ou menos entusiástico da Terceira Via) nos últimos 30 anos deu prioridade à liberdade de movimentos dos capitais e à ‘criatividade’ dos engenheiros loucos da finança. Deu prioridade aos aceleras, acalmando os outros – depositantes, pequenos accionistas, detentores de PPRs – com garantias que agora sabemos ser enganadoras.

Para se demarcar e se colocar no centro onde supostamente se situa a virtude a Terceira Via tem de inventar um extremo. A esse extremo chama-lhe mercado desregulado. Nunca existiu! O que importa é discutir as regras em concreto. Aí raramente vimos nestes 30 anos a Terceira Via a divergir das regras que dão prioridade aos aceleras.

2 comentários:

Diogo disse...

Money as Debt – Dinheiro é Dívida

Já alguma vez pensaram porque é que os bancos têm tanto dinheiro, enquanto os países, as empresas e os indivíduos estão tão endividados?

Neste vídeo, «Money as Debt» [Dinheiro é Dívida], Paul Grignon pega num assunto tabu e, de forma inteligente e divertida, torna-o num tópico facilmente inteligível. Costuma dizer-se que a verdade liberta, mas primeiro, costuma deixar-nos zangados. Depois de conhecer a verdadeira história do sistema bancário já não é possível voltar à crença mística da banca como um elemento útil da sociedade.

O vídeo revela os mitos e os conceitos relativos à história do dinheiro. Toda a gente gosta de dinheiro, toda a gente o deseja, toda a gente precisa e depende dele. O que quase ninguém percebe são os fundamentos do dinheiro. O que é o dinheiro e donde é que ele vem? Estas são algumas das difíceis realidades que Grignon expõe em linguagem simples.

Este curto segmento (8:20m) do vídeo conta a história de um ourives do Renascimento, e de como ele começou a cobrar juros de um ouro que não possuía e que não existia. Em suma, a essência da banca.

Os primeiros oito minutos e vinte segundos (8:20m) do vídeo 'Money as Debt' - legendados em português.

Zèd disse...

Desregulação ou uma regulação diferente é afinal uma questão semântica. É claro que continuam a existir regras, mas também existem menos mecanismos de controlo por parte de quem deve fiscalizar, nesse sentido há menos regulação. Voltando à metáfora rodoviária, a GNR não só fecha as estradas para deixar passar os aceleras como não os pode multar, ou seja a própria GNR deixa de ter mecanismos para poder regular. Os ralis têm regras, mas são os próprios organizadores dos ralis que estabelecem e fiscalizam essas regras, e não uma entidade externa. Não será isto menos regulação? É uma questão semântica.

Seja como for é preciso regular, e é preciso instrumentos para por a regulação em prática. E é preciso, sobretudo, controlar os aceleras.