segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Petição pela rejeição do Orçamento de Estado de 2013

«Exmo. Senhor Presidente da República
Exmos. Senhores Deputados da Assembleia da República

Os signatários apelam à vossa responsabilidade política e institucional perante o país e perante todos os cidadãos, para que seja rejeitada a proposta de Orçamento de Estado para 2013 apresentada pelo Governo. A sua aprovação constituiria certamente um mal maior para o país e os portugueses comparativamente com as consequências da sua rejeição.
Esta proposta de OE, já contestada pela opinião pública e pela grande maioria dos especialistas, significa o prosseguimento e agravamento do caminho para uma austeridade ainda mais recessiva, com mais desemprego, mais destruição da economia, mais empobrecimento, mais desigualdade social e menos justiça fiscal. Em nome dos credores, rouba o futuro e a esperança ao país e aos portugueses. Ofende princípios constitucionais relevantes, designadamente o princípio da confiança (dimensão importante do princípio democrático), os direitos do trabalho, os direitos sociais e a progressividade e equidade fiscais.
Aos Deputados, apelamos para que rejeitem esta proposta governamental de Orçamento de Estado, assumindo plenamente a vossa condição de representantes eleitos do povo e de todo o País, que é superior a quaisquer outras fidelidades ou compromissos;
Ao Presidente da República, na qualidade de supremo representante da República, garante da independência nacional, da unidade do Estado e do regular funcionamento das instituições democráticas, obrigado a respeitar e a fazer cumprir a Constituição, apelamos a que exerça o seu direito de veto sobre este Orçamento de Estado, no caso de ele ter aprovação parlamentar ou, no mínimo, que o submeta, no exercício das suas competências, à fiscalização preventiva do Tribunal Constitucional.»

A petição, promovida pelo Congresso Democrático das Alternativas a 22 de Outubro de 2013 - e que conta neste momento com cerca de 9000 assinaturas - pode ser subscrita aqui até 30 de Novembro, data em que será entregue aos seus destinatários: os Deputados eleitos à Assembleia da República e o Presidente da República. Amanhã, as assinaturas já recolhidas serão entregues aos Grupos Parlamentares com assento na Assembleia da República. Subscrevam e divulguem junto dos vossos contactos.

1 comentário:

Luís Coelho disse...

O homem anda cego e já faz ouvidos de mercador...parece-me que são todos da mesma seita...agora já falam em refundação mas ninguem sabe o que é...segredos lá deles....