quarta-feira, 11 de junho de 2008

O partido do bloco central

A reacção sectária de Vital Moreira ao crescimento e capacidade de iniciativa e de proposta política das esquerdas socialistas é um bom sintoma da preocupação do partido do bloco central que tem comandado as políticas públicas em Portugal. Trata-se de queimar pontes e de começar a preparar o terreno para «pensar o impensável»: um governo do bloco central a sério em 2009. Sócrates e Ferreira Leite com a bênção de Cavaco. Evitar qualquer convergência à esquerda parece ser a prioridade. De resto não há muito a dizer porque o seu artigo no Público de ontem é parco em argumentos. Só não percebo como é que alguém que quer usar o financiamento público para promover a expansão dos grupos privados rentistas em sectores essenciais da provisão pública se pode apresentar como um grande defensor do Estado Social. Enfim, Vital Moreira é hoje o principal ideólogo da direitização do «socialismo moderno» português e esta sua função torna o debate muito pouco interessante. De qualquer forma, ficam algumas perguntas: Quem apresentou propostas de combate à precariedade no sector privado e na administração pública? Quem contestou as dispendiosas e ineficientes engenharias mercantis das parcerias público-privadas ou as danosas privatizações de sectores estratégicos (estou a pensar na Galp)? Quem apresentou propostas para diversificar as fontes de financiamento da Segurança Social por forma a evitar que os «sacrifícios» caíssem apenas sobre os mesmos de sempre? Quem apresentou propostas fiscais realistas para combater a especulação financeira e imobiliária e para diminuir a escandalosa fuga ao fisco? Quem defende uma revisão do governo económico europeu para reabilitar políticas de pleno-emprego sem as quais não há Estado Social que nos valha? As perguntas multiplicam-se. A linha de que Vital Moreira é o ideólogo tem de ser derrotada. Isto exige apenas o reforço das esquerdas socialistas que não se renderam ao neoliberalismo, mesmo que seja na versão ordoliberal, bem mais realista e eficaz do que as restantes.

7 comentários:

game gambling online lottery disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
online free lottery disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
lottery gambling disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
lottery numbers disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Pedro Sá disse...

Havia de ser bonito seguindo essas propostas. E querer utilizar a UE para conseguir o que não se consegue por via eleitoral é no mínimo mau perder e revelador daquilo que a extrema-esquerda sempre foi e será: anti-democrata.

Denúncia Coimbrã disse...

Equívoco vital!
http://denunciacoimbra2.wordpress.com/2008/06/10/equivoco-vital/

D.,H disse...

Sempre pensei que a extrema-esquerda era outra coisa, não aquela onde amiúde Vital Moreira gosta de colocar o PCP e o BE. Será para criar a ilusão que o PS é de esquerda, quando até os verdadeiros socialistas não o acham?

Aparentemente Vital escreve quase o mesmo que muitos de nós defendemos: economia de mercado regulada (não percebo as aspas), a eficiência e sustentabilidade do Estado social, aprofundamento da integração europeia…
Só que a praxis mostra-nos outra coisa. Por exemplo, em relação ao aprofundamento da integração Europeia, parece-me que o afastamento é cada vez maior, tendo até receio que se esteja a cair numa “eurocracia” sediada em Bruxelas e Frankfurt, situação mais facilitada com governos cegamente seguidistas.

A preocupação com a imperiosa necessidade de haver uma maioria absoluta, também já feita sentir por outras pessoas do bloco central (José Miguel Júdice, Proença de Carvalho) é a face visível do esvaziamento ideológico, da possibilidade de propostas alternativas, da dificuldade da vivência democrática.