segunda-feira, 13 de abril de 2009

Miúdos com fome

O Público de hoje tem uma notícia intitulada «Crise leva crianças com fome ao hospital» (Lusa). Na entrada fica-se a saber que o hospital é o Amadora-Sintra, que as crianças em causa são sobretudo filhos de pais com baixa escolaridade e que o director-geral da Saúde admite alargar o horário das cantinas escolares.

É natural que se comece a imaginar um artigo que relacione a baixa escolaridade dos pais com menores rendimentos familiares disponíveis, e que venha à memória o que se sabe sobre os custos de um deficiente investimento na elevação do nível de escolaridade das populações, o que se sabe sobre as consequências para a saúde das desigualdades socioeconómicas ou o que se sabe sobre a necessidade de políticas e medidas públicas que invertam esses rumos desastrosos. Porque as desigualdades matam, mas antes disso moem.

Em 2008, um relatório da Organização Mundial da Saúde focava os «determinantes sociais da saúde» e demonstrava o papel que as desigualdades geradas pelas opções neoliberais tinham na sua degradação (o João Rodrigues, por exemplo, já escreveu sobre isto aqui e aqui). Um dos autores desse relatório, Micheal Marmot, assina aliás recentemente, com a investigadora Ruth Bell, um artigo no British Medical Journal («How Will The Financial Crisis Affect Health?», 1 de Abril de 2009), em que defende que a única forma de mitigar os efeitos da actual crise sobre a saúde passa por criar um novo modelo global que retire do centro os «mercados não regulados», a «privatização» e «menos acção pública», e que «consiga uma justa distribuição de poder, dinheiro e recursos» (excerto aqui).

As deficiências alimentares são uma espécie de epicentro da degradação da saúde. Instalam-se de forma surda, antes de se transformarem em fome pura. Na família, os filhos são os últimos a ser atingidos pela situação, tal como são os últimos cujos medicamentos deixam de ser comprados. Um médico, falando da crise dos anos oitenta, disse-me um dia que ela tinha tido duas fases: na primeira, as mulheres deixaram de ir ao ginecologista; na segunda, de levar os filhos ao pediatra. Foi nesse momento que ele se sentiu francamente angustiado.

A notícia do Público também angustia. A crise está a causar muita fome, mas no artigo todo o enquadramento parece estar ao serviço de uma narrativa que de facto se centra na denúncia de «casos de negligência». Ali insiste-se em miúdos «que chegam bem arranjados, mas mal alimentados», que têm mães com a «escolaridade obrigatória ou nem isso» e que estão mais preocupadas com a «imagem» do que com os «cuidados básicos». No meio de citações de técnicos, alinha-se um discurso que critica as famílias mais carenciadas por fazerem más opções no orçamento familiar e por viverem acima das possibilidades.

É claro que o consumismo, mesmo em famílias de baixos rendimentos, existe. As responsabilidades do neoliberalismo e da financeirização da economia na criação dessa realidade são conhecidas. Mas quando se fala, não de uma caso a denunciar, mas de crianças «de muitas famílias» que entram num hospital com fome – situações identificadas há um ano e meio –, não se pode fazer misturas. Não se pode confundir casos de negligência parental ou familiar, que são casos de justiça a exigir a intervenção das autoridades próprias (dos tribunais à assistência social), com situações de carência absoluta, talvez recentes, que decorrem de uma crise global. Estas situações exigem políticas públicas que protejam quem se vê em situações dramáticas e exigem medidas pensadas no longo prazo. Na melhor das hipóteses, essa confusão é uma leviandade. Na pior, é mais um episódio da culpabilização de quem sofre pelos seus próprios sofrimentos. E isso já não é só angustiante: é cada vez mais insuportável.

1 comentário:

Anónimo disse...

Nice pages!
we like your blogging style and we want to advertise your blog.
If you want us to link your blog in our site,
put us in your blogroll, write in a mail :

1. your site/blog address;
2. a representative image of your blog (if you have one);
3. a detailed description of your site.

we would be honored to advertise your blog on our blog!
anyway my friend, keep on with your great work!


I.L.Y.S. staff
"I link your site"