quinta-feira, 29 de Setembro de 2011

Europa no labirinto


O governo alemão conseguiu hoje aprovar no parlamento o alargamento de competências do Fundo Europeu de Estabilização Financeira. Porém, aquilo que aparentemente constitui um passo em frente na resposta à actual crise, ainda que muito modesto, pode na verdade transformar-se num passo para o abismo.

Como pensam que não têm possibilidade de alargar o capital do fundo através dos seus próprios recursos, os governos europeus pretendem com este alargamento de competências passar a utilizar o que têm (e que não é muito, tendo em conta os vários pacotes de financiamento à periferia) como garantia, alavancando o capital próprio (segundo se diz, para 2 biliões de euros). Traduzindo: o Fundo irá pedir emprestado os capitais que achar necessários, proporcionando como garantia o capital inicial e a ajuda do BCE. A ideia subjacente é dotar o fundo de uma dimensão que acalme imediata e automaticamente os mercados.

Ora, onde é que eu já ouvi isto? Precisamente há um ano atrás... quando o FEEF foi criado. Não resultou lá muito bem. No entanto, agora o jogo é aparentemente mais perigoso. Em caso de incumprimento dos estados, as perdas serão também elas “alavancadas”. O “novo” fundo será assim provavelmente insuficiente - e este “contra-fogo” pode mudar de direcção muito rapidamente. Trata-se de uma pretensa solução que assenta na engenharia financeira, fazendo lembrar os produtos baseados no crédito que estiveram na origem da crise financeira internacional de 2008 em diante. Não será talvez a melhor forma de contribuir para um novo clima de confiança...

1 comentário:

Ana Paula Fitas disse...

Caro Nuno Teles,
Fiz link deste e de outro post.
Obrigado.
Um abraço.