segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Novo Plano Marshall ou falta de sentido do ridículo?

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, anunciou uma proposta de alteração aos regulamentos dos fundos estruturais europeus, tendo em vista diminuir a comparticipação nacional que é exigida aos Estados-Membros como contrapartida dos fundos.

O tom do anúncio não podia ser mais exaltado: trata-se de "uma resposta excepcional a circunstâncias excepcionais", a qual contribui "para uma espécie de Plano Marshall para a recuperação económica".

Saberá Durão Barroso o que foi o Plano Marshall? Saberá que as verbas aprovadas em 1948 representavam 5% do PIB americano?

Nem que a totalidade dos fundos europeus previstos para o período 2007-2013 fossem agora disponibilizados se atingiria um valor equivalente a 0,5% do PIB da UE. Na verdade, o que está em causa com a proposta agora anunciada não vai muito além de 0,02% do PIB - ou seja, duzentas vezes menos (para ser optimista) do que esteve em causa com o Plano Marshall.

Num período em que as instituições da UE se revelam incapazes de lidar com a crise das dívidas soberanas (como antes se revelaram incapazes de evitar a crise financeira que esteve na origem daquelas), qualquer medida que vise estimular as economias europeias é útil (assumindo que os Estados usarão os recursos disponibilizados para esse fim). Mas a tentativa de transformar este modestíssimo passo num momento histórico é próprio de quem não tem o sentido do ridículo.

2 comentários:

OLHA AS COMBOIADAS disse...

ok metemos digamos 12 triliões

ou biliões (na escala longa)

de euros na economia

isto é um valor cerca de 70 vezes a nossa dívida

seriam perdidos provavelmente em projectos improdutivos

pois reconstruir a industria europeia dos anos 90 de forma a ser competitiva
custaria muito mais

e necessitaria de energia muito barata

e o carvão só funciona na china

Tomás Guevara disse...

Não,não é só o não ter o sentido do ridículo.
É mais do que isso.
É ter o sentido da propaganda muito apurado
E é ser assim para o...aldrabão
Perdoe-se a franqueza

De resto este foi e é o homem de mão dos potentados europeus e por isso foi eleito
Perdoe-se de novo a franqueza..

Quanto ao comboiadas...não foi este que optou por escolher três oficiais nazis como fotografia do seu blog?
Entretanto estrategicamente retiradas?

Os projectos que esta gente terá para a europa...são comuns aos do terrorista de extrema-direita norueguês?