domingo, 17 de janeiro de 2010

Um ano de Obama

O primeiro ano da presidência Obama traduziu-se numa enorme desilusão para a esquerda. Mesmo para quem não tinha grandes ilusões, impressiona a forma como o actual presidente não marcou qualquer ruptura com a anterior administração. A continuação da guerra infinita, o não encerramento de Guantanamo ou a inacção em relação ao poderoso sistema financeiro são bons exemplos da continuidade das políticas. Todavia, é numa das mais promovidas promessas eleitorais que o falhanço é mais claro: a reforma dos sistema de saúde. Neste caso, aparentemente já não há volta a dar.

Obama partiu com um claro mandato de reforma do sistema, com o apoio maioritário da população. As suas propostas eram tímidas. A provisão de serviços de saúde continuaria a ser privada, mas o cartel das seguradoras estaria sujeito a novos controlos e enfrentaria a concorrência de um sistema público de seguros que englobaria a parte da população sem protecção. A reforma saída agora do Congresso é uma caricatura das propostas iniciais e uma vitória contundente das seguradoras. Se, por um lado, o complexo privado de saúde urdiu toda um campanha de medo contra a reforma (onde fantasias como os famosos "painéis da morte" pareciam realidades), gastando 425 milhões de dólares só em grupos de pressão que trabalharam na influência do Congresso, por outro lado, Obama e o Partido Democrata adoptaram um abordagem de não interferência com o processo legislativo, deixando o acordo nas mãos dos senadores democratas mais à direita. O resultado é uma lei onde já não existe qualquer opção pública ou redução da idade mínima (actualmente, 65 anos) de acesso ao programa público Medicare, como chegou a ser anunciado. A actual lei prevê seguros obrigatórios, altamente subsidiados pelo Estado de forma a diminuir os presentes obstáculos aos doentes crónicos. Jackpot para as seguradoras.

O único sinal positivo de todo este escandoloso processo é a revolta de alguns sectores da esquerda norte-americana. Abaixo deixo um vídeo de Howard Dean (ex-presidente do Partido Democrata) em que este apela ao voto contra a actual lei. Infelizmente, não tem legendas, mas vale bem a pena.



Adenda: Ainda sobre os EUA do Presidente Obama, confesso que fiquei chocado com um breve artigo da The Economist sobre as carências alimentares na cidade de Nova Iorque. Segundo a revista, mais de metade das famílias com crianças da cidade tem dificuldade em comprar bens alimentares suficientes, sendo que 20% das crianças (400 mil) dependem da "sopa dos pobres". Como dizia o João Rodrigues numa crónica no i, as sociedades devem ser avaliadas através da forma como tratam as suas crianças...

4 comentários:

Wyrm disse...

como se diz "pai tomáz" em americano? :(

J Gusman Barbosa disse...

Terá o Obama o poder supremo nos EUA?

Obviamente que não e obviamente que consensos são necessários como foi notório na reforma na saúde.

Não se pode esperar que tudo mude da noite para o dia, e parece-me inequívoco que algo está a mudar nos EUA. Quanto mais não seja na forma como vêm o mundo e como o mundo os vê a eles.

Parece-me que o balanço de 1 ano de Obama é positivo, agora não lhe peçamos demais, nem (nos esquerdas) tenhamos o complexo do Peter Pan.

Lexus2938 disse...

Serão os "reformadores" de esquerda um bando fracos que se rendem aos lobbies instalados, ou será a constante "moderação" das suas ideologias sempre que chegam ao poder um reflexo de que não passava tudo de propaganda e quando chega à altura de fazer, realmente, algo percebem que só iriam tornar as coisas piores do que elas são? Ou será um misto de ambas?

日月神教-向左使 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,正妹牆,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站