quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Ideologia, défice, euro, saúde: está tudo ligado.


Quatro milhões de cidadãos à espera de cirurgia há muitos meses. O maior número da última década.

Este modelo de Serviço Nacional de Saúde britânico foi desenvolvido pelos governos Trabalhistas pós-Thatcher e aprofundado pelos Conservadores. A ideologia neoliberal foi plenamente absorvida pelos trabalhistas liderados por Tony Blair. Os métodos da gestão privada revelaram-se um desastre, mas a ideologia é cega face à realidade.

É também isto que nos está a acontecer por termos de executar as políticas orçamentais restritivas da UE e, ainda por cima, vermos António Costa e Marcelo exultarem com os défices orçamentais mais baixos de sempre.

Os médicos e restante pessoal estão nos limites, a sua saúde degrada-se com o stress a que são sujeitos e os pacientes correm mais riscos de erros clínicos. Isto para não falar de ruptura de stocks de material.

De facto, o euro e as políticas dos Tratados fazem mal à saúde. E têm o mesmo efeito se forem aplicadas por livre iniciativa do governo, em países que estão fora do euro, apenas por razões ideológicas para agradar aos mercados financeiros. Por isso, é preciso reafirmar que sair do euro (ou o seu fim por iniciativa de um grande país) é apenas uma condição necessária para o nosso desenvolvimento. Precisamos de romper com as políticas neoliberais no orçamento, no mercado de trabalho, no sistema financeiro, na segurança social, na política industrial, nos métodos de gestão dos serviços públicos, etc.

70 comentários:

Jose disse...

Discurso para lerdos.
Em que é que a moeda condiciona a riqueza do país?
Comecemos pelo fim das ajudas europeias.
Continuemos pelo nível de tributação sobre o produto.
Acabemos nos efeitos do Brexit (e eles são contribuintes líquidos!).

Quanto ao SNS.
O cínico disparate de garantir as 35 horas servem agora para o choradinho da falta de meios e dos coitadinhos que estão com mais stress.
Para falido já o Estado faz muito; que pode fazer melhor não duvido, mas com tanto serviço inútil, tanta psicologia de tolerância ao utente abusador e piegas, tanta mordomia de direitos e garantias aos burocratas da função publica, será milagre se não piorar.

A doutrina dos coitadinhos no seu esplendor!

Anónimo disse...

Por erro, alguns comentários foram apagados. Pedimos desculpas.
Ladrões

Anónimo disse...

Qualquer cidadão minimamente consciente percebe a insustentabilidade de tudo isto, a manutenção do poder passou a ser o princípio e o fim de todas as coisas. Neste tempo em que muitos passam mal e outros morrem antes do tempo vemos concidadãos estranhamente orgulhosos e confortáveis com o modelo de sociedade que temos, muitas vezes aqueles que se arrogam como parte da solução são efectivamente parte do problema.

Pedro disse...

"apenas para agradar aos mercados financeiros"

É verdade, a direita fá-lo por ideologia e se puder vai muito mais além do que o estritamente necessário na sua subserviência ao poder financeiro.

Mas a direita tem razão numa coisa. Todos precisam dos metcados financeiros e, como eles dizem, quem paga manda. Claro que quem paga é o povo, mas traduzindo da novilíngua da direita, quem detém o poder económico manda.

Como responde a esquerda a isto ?

Os projetos comunistas foram a falência total, só restando a ridícula tirania hereditária coreana.

A social democracia europeia converteu-se á extrema direita neoliberal, com figuras grotescas como Blair, Schroder, mais o holandês inenarrável em todod os sentidos.

A resistência terceiro mundista social, afunda-se com o Brasil e Venezuela. num mar de corrupção e ineficiência.

O que nos resta ?

Jose disse...

Sempre a conversa de que 'se não fora isto e aquilo...teríamos o paraíso'.
E sempre se condenam os efeitos ou se inventam causas.
O euro é a causa mais popular para todos os males, sem que nunca se diga quais os efeitos de sair do euro nas condições minimamente previsíveis.
Quanto a condenar efeitos o sortido é variadíssimo mas o mais emblemático é o relativo à falta de serviços de assistência na saúde: a diminuição em 12,5% da disponibilidade de pessoal nunca é mencionada - direito adquirido por benesse governamental - nunca é posto em questão face ao direito - dito constitucional - aos cuidados de saúde.
No topo das injustiças evitáveis está o défice, que só resulta de não nos darem dinheiro, sempre dito ser devido, ou de o Estado não roubar quanto baste, ou - suprema idiotia - o Estado não enxamear a economia com os seus 'gestores'.

Anónimo disse...

Nem mais caro Jorge Bateira, nem mais

Quanto a um comentário do Pedro...estranho comentário que dá uma na ferradura e outra no cravo.

"Mas a direita tem razão numa coisa. Todos precisam dos mercados financeiros e, como eles dizem, quem paga manda"

Com o devido respeito a razão apregoada não é razão nenhuma ainda por cima se associarmos o pregão a um "quem paga manda"
Isto é pura ideologia. A fazer pela vida. Se escondida é coisa que iremos ver.

Mas ideologia de direita

Anónimo disse...

Porque o comentário de Pedro continua naquele limbo propício a todas as aldrabices.

Junta o Brasil à Venezuela como se as coisas fossem comparáveis. E dá por finda a "resistência terceiro mundista social", seja lá o que isso for

E dá a extrema-unção aos projetos comunistas. A todos. Restando apenas de sobra ao que parece a Coreia.

Como se sabe , projectos há muitos, independentemente da sua maior ou menor mais-valia. Mas essa da morte anunciada de "projectos" cheira a esturro.A rezador de missas cantadas, em que o que sobressai é apenas a "razão da direita.

Não. O Pedro pode ficar descansado ( ou não descansado) . Mas resta-nos muita coisa. As vias únicas nunca fizeram muito sentido. E todos os dias se constroem alternativas. E mesmo projectos.
Cabe-nos a nós fazê-los andar

Anónimo disse...

«Os médicos e restante pessoal estão nos limites...»


Caro J Bateira,

Quanto ao "restante pessoal" não sei; mas médicos tenho dois na familia próxima, e por conta disso conheço muitos outros. E olhe que se aqueles que conheço "estão nos limites" ( seja lá isso o que for...), não é seguramente pelo que fazem no SNS, pois a maior parte do seu tempo é passado nas clinicas e hospitais particulares onde prestam serviço.

MRocha

Geringonço disse...

"A resistência terceiro mundista social, afunda-se com o Brasil e Venezuela. num mar de corrupção e ineficiência."


Não se preocupe, o "primeiro mundo" neoliberal EUA e UE estão também eles a afundar-se rápido, aliás, diria até que o próprio mundo está-se afundar devido à desgraça que o neoliberalismo e o neoconservadorismo espalhou um pouco por todo o lado.

É tão fácil ver os problemas dos outros, já admitir os nossos problemas já é mais complicado, é mais fácil acreditar na propaganda diária e acreditar na nossa excepcionalidade.

R.B. NorTør disse...

«E têm o mesmo efeito se forem aplicadas por livre iniciativa do governo, em países que estão fora do euro, apenas por razões ideológicas para agradar aos mercados financeiros.» Claro que sim, porque o que liga uma coisa à outra é precisamente a ideologia. Esta frase é escusada porque dá a entender que as políticas dos Governos Britânicos são estanques e que estes não contribuiram sobremaneira para que se estabelecessem os Tratados e o Euro tal como estão.

Jaime Santos disse...

Absolutamente claro, como de costume, Jorge Bateira. A questão para si é que o Euro constrange quem a ele pertence a políticas orçamentais restritivas. Sucede que, como bem lembra, não é preciso estar no Euro para que elas sejam aplicadas (ou se revelem necessárias). Só que eu continuo a não perceber como é que o Jorge Bateira quer implementar políticas orçamentais expansionistas quando elas dependem justamente da capacidade do Estado para se endividar junto dos malvados mercados. Sim, eu sei, podíamos obrigar a banca a deter obrigações a baixa taxa de juro e praticar políticas inflacionistas (numa Economia muito mais fechada do que a atual, note-se), mas isso quereria dizer que seriam os depositantes a pagar o pato, coisa que você infelizmente nunca admite, varrendo os riscos de inflação para baixo do tapete... No fim de contas, há de haver sempre alguém a pagar as contas dos gastos do Estado. Ou eles são contidos e isso tem influência na qualidade dos serviços públicos, ou não são contidos e, como dizia justamente Thatcher, o 'Socialismo' acaba quando acaba o dinheiro dos outros... E lembro-lhe que não fora o colapso do modelo keynesiano e ela nunca teria tido oportunidade de chegar ao poder. E seria exatamente isso que aconteceria em Portugal se as políticas que defende fossem aplicadas. Depois de uma nova intervenção do FMI, a Direita regressaria em força ao poder para acabar definitivamente com o que resta do nosso Estado Social. Isso, claro, se a Democracia sobrevivesse, porque como se vê no caso da Venezuela, o modo de salvar a 'Democracia Social' é mesmo acabar com a Democracia Política, coisa que tristemente um Partido entre nós, o PCP, parece abraçar...

Pedro disse...

Caro geringonço.

A direita está a afundar-se rápido nos EUA e UE ?

Os regimes de direita estão a desaparecer como os de esquerda ?

Já vi fugas á realidade, mas a sua é das mais fortes.

Pedro disse...

Caro anónimo das 10.28

Náo sou de esquerda nem de direita, sou independente.

Mas fui bastante claro quando afirmei que a teoria do "quem paga manda", que aliás desmascarei na minha resposta, é a da direita e não a minha.

O que eu estava a dizer é que a direita conseguiu impor essas ideias a todo o mundo e a esquerda não está a conseguir responder.

A única resposta que aqui tive foi tentarem matar o mensageiro.

Pedro disse...

Caro anónimo das 10.41

O que Venezuela e Brasil têm em comum são dois governos de esquerda a afundar-se. Aliás, um já afundou.

Por resistência social terceiro mundista, refiro o bloco de governos de esquerda que se formou na América latina contra o neoliberalismo e que só vocês parecem não ver que se está a desfazer.

Por projectos quero dizer alternativas viáveis de governo. Existem muitos partidos de esquerda no governo ou em vias de chegar ao governo no mundo ?

Onde ?

A sua resposta é só chamar direitista a quem aborda o facto da vitória em toda a linha da direita ?

Isto está pior do eu pensava.

Pedro disse...

Caro anónimo.



Há umas décadas metade do mundo era comunista. Entretanto dezenas desses regimes desapareceram, esses países tornaram-se neoliberais. Restam dois pequenos países comunistas no mundo. Um está a "abrir" isto é, a desaparecer e o outro é uma distópica monarquia hereditária.

Se eu estou a dizer que o projecto comunista em geral está a falhar ?

Você acha que não está ?

Anónimo disse...

Absolutamente claro Jaime Santos. O discurso muda apenas o suficiente para nos lembrar que se mantém o discurso de sempre.
Com a Venezuela a comprovar a coisa, atrelada ao que nos quer impingir como idóneo.

Entretanto cita a Thatcher , melhor, cita frases acanalhadas da Thatcher, enquanto tenta por outro lado passar o odiento da sua vitória para outrém, para o colapso do modelo keisnesiano.

Jaime Santos é assim taxativo na sua vertente de historiador. Embora vá depois mais longe e assuma o seu papel de profeta ao vaticinar o futuro do país se não se cumprir o rumo definido por si.

Tal como definiu para o Brexit. Ou ainda para Corbyn. Ou para Macron.

Com os resultados que se viram

Anónimo disse...

"Quatro milhões de cidadãos à espera de cirurgia há muitos meses. O maior número da última década."
"Este modelo de Serviço Nacional de Saúde britânico foi desenvolvido pelos governos Trabalhistas pós-Thatcher e aprofundado pelos Conservadores. A ideologia neoliberal foi plenamente absorvida pelos trabalhistas liderados por Tony Blair. Os métodos da gestão privada revelaram-se um desastre, mas a ideologia é cega face à realidade."

Sobre isto o silêncio de chumbo de Jaime Santos.

Prefere citar Thatcher

Anónimo disse...

E JS prefere também citar a Venezuela.

Tal como Trump:

"Não vou afastar uma opção militar, temos muitas opções para a Venezuela. É um vizinho. Estamos em todo o mundo e temos tropas por todo o mundo, em locais que ficam muito longe. A Venezuela não está muito longe e o povo está a sofrer, estão a morrer. Estamos a estudar muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar, se for necessário", afirmou Trump. "É algo que podemos explorar."

Anónimo disse...

Matar o mensageiro?
Mas que disparate é este?
Estamos a falar de política pura e dura e não dos umbigos dos comentadores

Embora o Pedro pareça um tal Aónio. Diz uma coisa há pouco e transforma-a no momento seguinte.

Veja-se de como um "Os projetos comunistas foram a falência total" se transformam em "Se eu estou a dizer que o projecto comunista EM GERAL está a falhar "

Fá-lo com a desfaçatez de tentar fazer passar a mensagem de nada ter mudado no seu discurso



Anónimo disse...

Quanto à expressão "A direita está a afundar-se rápido nos EUA e UE"

Mais uma vez as pequenas deturpações é que fazem o prato forte do Aónio

O que diz Geringonço?
"Não se preocupe, o "primeiro mundo" neoliberal EUA e UE estão também eles a afundar-se rápido, aliás, diria até que o próprio mundo está-se afundar devido à desgraça que o neoliberalismo e o neoconservadorismo espalhou um pouco por todo o lado."

Percebe-se a subtileza da diferença entre os dois textos?

É que se se pode fazer demagogia e um finca-pé na primeira frase ( como aliás o citado Pedro faz) já o mesmo não se pode fazer em relação à frase de Geringonço.

Irrefutável. E é ver as mudanças que se têm operado neste mundo.

Anónimo disse...

Quanto à independência manifestada...

Uma velha história essa. Geralmente é apenas um chapéu transitório para ocultar alguns outros verdadeiros interesses. Rodeado duma certa pusilanimidade é certo.

Mas não avancemos para processos de intenção e foquemo-nos nos factos.

E o que nos dizem estes?

Pelas palavras inequívocas do "Pedro":
"Mas a direita tem razão numa coisa. Todos precisam dos mercados financeiros e, como eles dizem, quem paga manda"
Agora foram transformadas em:
"Mas fui bastante claro quando afirmei que a teoria do "quem paga manda", que aliás desmascarei na minha resposta, é a da direita e não a minha".

Nem o seu ínvio "desmascaramento" da sua própria frase permite apagar o que disse e a forma como o disse.

Para o Aónio a direita tem razão. Até na forma como ela a diz. O seu "bastante claro " é um embuste, porque quem proclama a razão duma frase não pode depois vir , qual vestal inocente, a tentar dizer que não tem nada a ver com ela

Pelo que se confirma:
Com o devido respeito a razão apregoada não é razão nenhuma ainda por cima se associarmos o pregão a um "quem paga manda"
Isto é pura ideologia. A fazer pela vida. Se escondida é coisa que iremos ver".
E parece que é mesmo escondida

Geringonço disse...

Sim Pedro, aquilo que chama direita está afundar-se, não só por o que têm feito mas também por questões geracionais os neoconsevadores e neoliberais estão a ser varridos para as franjas, eles não representam os interesses da larga maioria da população.

Veremos se tenho ou não razão...

Anónimo disse...

"a direita conseguiu impor essas ideias a todo o mundo e a esquerda não está a conseguir responder".

O neoliberalismo de facto conseguiu ser o motor dominante nos últimos tempos. E muito em parte pelo fim da URSS.

Mas quanto à esquerda não estar a conseguir responder...olhe que não , olhe que não. Mais hoje do que há 20 anos. Mais agora do que há 5 anos

Aqui há tempos um pobre tipo tentava convencer-nos que a Europa era um modelo de paz e que não conhecia a guerra desde há 60 anos.
Coitado do dito fulano. Para além de muitos outros casos, a Jugoslávia foi um dos primeiros sinais de que as coisas iriam piorar muito com o mundo unipolar.

Ora hoje a capacidade de resposta da esquerda está uns furos acima. E inversamente o neoliberalismo vê os seus axiomas serem postos abertamente em causa, até aqui, na Europa,fortaleza deste lado do Atlântico do imperialismo americano.E Geringonço está repleto de razão quando afirma que "o "primeiro mundo" neoliberal EUA e UE estão também eles a afundar-se rápido, aliás, diria até que o próprio mundo está-se afundar devido à desgraça que o neoliberalismo e o neoconservadorismo espalhou um pouco por todo o lado."

A saída para a guerra parece ser uma das vias de escape para a presente situação. Quando não se consegue por outros meios a guerra e o fascismo são sempre saídas possíveis

Anónimo disse...

Quanto ao Brasil e à Venezuela que o "Pedro " teima em identificar.
Dois governos de esquerda...um já afundou.

Misturar as duas coisas tem destas coisas. Em primeiro lugar o Brasil não tinha propriamente um governo de esquerda. Teria quanto muito um governo centro-esquerda, e em muitos sentidos seria o governo ideal para quem se diz que não é carne nem peixe. Nem de direita nem de esquerda.
Basta verificar que políticas foram seguidas pelos governos de Lula e de Dilma.

Isto não impede duas coisas. De reconhecer que no Brasil ouve um salto em frente no que diz respeito à saída da pobreza de largas franjas da população
Que independentemente da caracterização do governo brasileiro, o que se passou no Brasil foi um golpe de estado com a destituição de Dilma às mãos duma direita que vê o aprofundamento da senda neoliberal ( e do fascismo ) como saída para a sua situação.

Pelo que a queda do governo dito de esquerda no Brasil não correspondeu a uma vontade popular genuína. Tratou-se de outra coisa, que embora os nossos media ocultem em grande medida, não deixa de ser apenas e tão só uma golpaça.

Da Venezuela as coisas estão como estão. Mas o que arruína logo o debate é que quando se tenta resolver as coisas com invasões de países terceiros (EUA) logo aqui qualquer pessoas decente deve-se colocar ao lado de quem defende a independência do país.

Anónimo disse...

Mas os comentários de "Pedro" são ainda piores do que se pensava:

Entende o dito cujo que por "resistência social terceiro mundista...América Latina..." patati-patata.

Ora bem. Pedro pode entender o que quiser. Que fique com as suas caracterizações O que não pode é "avacalhar" em público os termos a seu bel-prazer e de acordo com o caderninho de contas da primária com que rabisca a sua história. Que saia da sua margem de conforto e que corrija as suas definições

Quanto aos "projectos"...Alternativas viáveis de governo. "Existem muitos partidos de esquerda no governo ou em vias de chegar ao governo no mundo ?"

Uma pergunta que é em si um manifesto de ignorância . Como se o olhar só visse o lado direito, a direita.Um olhar vesgo de todo, bem pior do que quem tem essa limitação na visão.

Comecemos em Portugal. Um governo que não é de esquerda mas que resulta dum compromisso da esquerda e com a esquerda.
Para ódio de uns tantos.

Mas não só.

Por exemplo no RU em que o Brexit lançou um balde de água fria nas hostes neoliberais do directório europeu. E em que Corbyn mostra que está no campo de batalha, para desgosto dos aficionados de Thatcher e de Blair

E nos próprios EUA em que Sanders tinha mais hipóteses que Clinton em ganhar a Trump (segundo rezam as sondagens e os estudos de opinião). No próprio império americano um social-democrata afirmou-se como socialista ... e se não tivesse sido traído pelos seus...quase teria conseguido o lugar de Presidente

Pelo que a vitória em toda a linha da direita mais parece uma conversa em toda a linha com a direita.

Porque outros factores começam também a despontar. E as velhas contradições e os velhos antagonismos a surgirem entre os diferentes actores em jogo

(Se as coisas estivessem assim tão calmas e seguras para a direita ... não assistiríamos a todas estas convulsões que nos são contemporâneas).

O mundo unipolar pouco a pouco visualiza-se como o não sendo. E ainda bem

Anónimo disse...

Mas ainda há pior.

O "Pedro" termina com um "você não acha" como corolário de um dos mais ignorantes comentários paridos pelo próprio

"Há umas décadas metade do mundo era comunista"

Sério? E ninguém deu por nada, só os da extrema-direita e os matarruanos que fazem jus ao nome?

A confusão com países ditos socialistas mostra o nível filosófico e ideológico. Mostra outras coisas desagradáveis mas que se omitem agora.

Como o mostra quando Pedro revela que há "dois pequenos países comunistas que persistem." Mostrando também que o que persiste é apenas a ignorância do coitado.

Percebe-se que o neoliberal de direita, o Pedro ou o Aónio ou o Pimentel exulte com as dezenas de países neoliberais nascidos entretanto.
Mas os factos são tramados. Nem as coisas estão como são aqui pintadas desta forma folclórica, nem o neoliberalismo está hoje mais forte do que estava.
Pelo contrário. Está a perder o pé.

(Já agora nem o "abrir" de Cuba significa o "desaparecer" com que alimenta os seus sonhos húmidos)

Pelo que se reafirma perante o "equidestante" Pedro, que não é de esquerda nem de direita antes pelo contrário,que um projecto de uma sociedade alternativa a esta trampa em que vivemos ( ainda para mais no presente extremamente perigosa) continua de pé. De esquerda e de esquerdas. Com comunistas e socialistas e não-comunistas e não-socialistas

Precisamente pelo facto dos neoliberais, da direita, da sua extrema, saberem destes factos é que porfiam combatendo ideologicamente desta forma tenaz. Refazendo a História e os factos. E assumindo personagens duplas e triplas para verem se assim conseguem vender a sua ideologia mais facilmente.

(Parece que foi um dos métodos usados por Passos Coelho para chegar a líder do PSD)

Anónimo disse...

Se o Pedro não fosse também uma fraude, saberia que o Capitalismo demorou uns bons centos de anos a impor-se a nível planetário. Pelo que os seus intentos de emitir certidões de óbito a quem que seja têm a perna tão curta como o seu pedante e ridículo e despeitado "você acha que não está"

Citando Quino, o genial autor da Mafalda:

"isso não é nada na história da humanidade. Imagine quanta gente se matou tentando voar. Se Leonardo da Vinci tivesse os tecidos, os materiais que existem hoje, o parapente, a asa-delta e tudo isso já existiriam desde 1400 e tanto. Ou seja, por haver matado gente durante três séculos não significa que a aeronáutica seja uma porcaria"

Há outra frase espantosa de Quino. Fica para mais tarde

Jose disse...

Está tudo ligado...
Tão ligado que nada como desligar tudo e começar tudo de novo, ainda que demore uns centos de anos de experimentalismo de esquerda; também o capitalismo teve esse prazo, diz aí acima um conhecido historiador dessas coisas experimentais.
Está tudo ligado...

Pedro disse...

Caro anónimo das 16.54

Então está tudo bem porque vocês têm a fezada que daqui a uns centos de anos a esquerda vai ganhar. Estou muito mais descansado.

Pedro disse...

Caro anónimo das 16.52

Está bem, pronto, foi uma grande vitória para a esquerda 99% dos países comunistas terem desaparecido e os partidos socialistas e social democratas na maior parte term-se tornado neoliberais. A esquerda vai de vento em popa e acumula vitórias fantásticas umas atrás das outras. Se não digo isto você chama-me neoliberal.

Que tristeza.

Pedro disse...

Caro anónimo das 16.20

As suas vitórias retumbantes da esquerda são mesmo para rir.

Sanders nem conseguiu ganhar o partido democrático para concorrer a eleições. Corbin, não sei se reparou mas perdeu as eleições.
Os EUA tiveram a sua maior deriva para a extrema direita e o RU e a Alemanha vão manter os mesmos governos neoliberais. É só virórias para a esquerda !

O mundo unipolar acabou ? Epá, grande vitória para a esquerda - o poder passou para a malta dos offshores mas não faz mal.

Pedro disse...

Caro anónimo das 15.28

Vocês fazem total confusão, devido á cartilha de propaganda russa nacionalista da guerra fria, entre estados neoliberais e neoliberalismo e entre o estado do povo e o das elites dentro dos estados.

A europa e os USA estão-se a afundar ?

O neoliberalismo está-se completamente nas tintas para isso. Hoje em dia é internacional.

O neoliberalismo está a afundar os estados que domina DE PROPÓSITO, para destruir as conquistas sociais.

E vocês a celebrar o afundamento !!!!!!

Porque nesses estados a afundar, importa ver qual é a noção de estado e de afundar.

Para um neoliberal a única coisa que importa é o poder económico das elites. E dentro dos estados a afundar, as elites económicas nunca estiveram tão bem.

Quem está a afundar são as vítimas do neoliberalismo.

Estamos a voltar ás condições de vida do Séc.XIX e vocês a celebrar vitórias imaginárias da esquerda.

Francamente nunca vi tamanha cegueira como a vossa.

Deixam-se de cartilhas marxistas de há 100 anos e tentem perceber o que se está a passar AGORA.

Vocês estão a ser comidos e não dão por nada. Até o Marx teria vergonha de ver o que estão a fazer em seu nome.

Pedro disse...

Geringonço.


?????????!!!!!!!!!

Quer dizer, temos no poder o Macron, Rajoy, a Merkel, Trump, May, Temer etc etc etc, e você diz que o neoliberalismo está a ser varrido para as margens !!!!!!!!!

Isto é assustador.

Com rivais assim começo a entender porque é que o neoliberalismo domina o mundo !

Pedro disse...

Caro anónimo. das 10.33

Sim, desmascarei. Disse que o que a direita diz, frisando que era o que a direita diz. E acrescentei que quem realmente paga é o povo - logo não podiam ser os credores financeiros a mandar como é realmente.

O que se passa é isto. Perante alguém que se apresenta aqui preocupado com a vitória do neoliberalismo, você chama-lhe neoliberal !!!!!!!!

E perante a manutenção de governos neoliberais em quase todos os países do mundo, ainda diz que a esquerda é que está a ganhar !!!!!!!!!!!!!!!!

Por estas e por outras é que eu não sou de esquerda. Vocês são tão fanaticamente cegos como os neoliberais.

Também nos sites neoliberais sou considerado comunista apenas por não alinhar na cartilha da propaganda cega deles.

Vocês estão exatamente ao mesmo nível.

Já não resta esperança para a humanidade.

Olhe, vá celebrar a vitória do Trump, do Farange, da Merkel, do Rajoy, do Macron etc etc etc, já que acha que isto estão tão bom para a esquerda.

Pedro disse...

Caro anónimo das 10.19


Então não percebo ?

É a diferença entre alguém preocupado coma realidade e um fanático que vive no mundo da Lua.

O mundo está a afundar ?

O mundo está a afundar porque os neoliberais querem. Estão a afunda-lo de propósito e a lucrar com isso.

O povo americano e europeu vive pior ?

A ideia é mesmo essa ó grandes génios da esquerda.

O povo está a viver pior para os grandes empresários viverem cada vez melhor.

Isso não é a derrota da direita, é a VITÓRIA.

E como resposta a esquerda chama neoliberal a quem se preocupa com a vitória do neoliberalismo !!!!!

Que para vocês a vitória do neoliberalismo impor-se no mundo inteiro é ser derrotado !!!!!!!!!!!!!!!

Realmente, pelo grau de alienação vocês estão bem é para a Coreia do norte. Está visto que aqui não há respostas para nada.

Anónimo disse...

Um pouco perturbado está o Pedro, aliás o Aonio, aliás o João Pimentel Ferreira.

Tirar da frase do anónimo das 16 e 54 a conclusão que está tudo bem confirma o seu nível também intelectual

Eu explico porque isto sozinho parece que não vai lá.

O Aónio ou o "Pedro" um pouco tresloucada e prematuramente emitiu certidões de óbito.

O que se disse aí em cima é que é demasiado cedo para tal. Que o mundo é mais do que o momento em que a objectiva de um idiota tira fotografias a modelos em cafés.

E que a luta por um novo modelo de sociedade está de pé e continua de pé. Sem direito nem a "fezadas" nem a desistências. Nem a patetices derrotistas do género " o que nos resta"

Percebido?

Anónimo disse...

( Ó pedro. Francamente.

Mas a ignorância é assim tão funda que a repete mesmo depois de lhe terem dado indirectas?

Nunca houve países comunistas. Nem eles próprios se reivindicavam como tal. Sabe ao menos o b-a-ba?)

Anónimo disse...

"Para um académico, a terminologia deve ser rigorosa, científica e objetiva, e não permitir desvios linguísticos levados a cabo pela retórica emocional, pela demagogia ou pela propaganda".

Isto escrevinhava o "Pedro" com um seu outro Nick desta forma tão taxativa como redundante.Num mesmo post em que tentava vender a ideia que o neoliberalismo não era de todo um termo pejorativo pelo que se devia respeitar a terminologia etc etc etc.Com este paleio assim apresentado defendia mais ou menos abertamente precisamente a vulgata neoliberal.

Para um tipo que nos exige rigor, ciência e objectividade estamos curiosos ver como ele vai calcular 99% de zero.

Isto depois daquele rigor, ciência e objectividade como ele crismou a URSS de URCS , ou seja de União das Repúblicas Comunistas Soviéticas.


Anónimo disse...

Já se percebeu também que as intervenções do " Pedro" estão viradas para um outro lado.

O seu "o que nos resta" é precisamente um convite à passividade e aceitação.As suas odes subreptícias, estilo a" vitória em toda a linha da direita", escondem algo pouco honesto. O que me interessa é denunciar estas missas cantadas hipócritas vindas ainda para mais de virgens púdicas que batem no peito a lastimar-se que o chamam de neoliberal.

Talvez voltar a ler os textos. E chegar à conclusão que o acusam de outras coisas a que só o silêncio responde?


Anónimo disse...

Agradecia-se também um mínimo de honestidade ao "Pedro".
Para que sistematicamente não tentasse dar o dito pelo não dito. Porque cansa e desqualifica os seus "comentários". E isto é em si mau para o debate. E péssimo para a reputação do Pimentel

Vitórias "retumbantes"?
Mas quem falou em retumbantes? O que se disse foi "que a vitória em toda a linha da direita mais parece uma conversa em toda a linha com a direita".

Perceberá o Pedro a diferença?

E depois temos Sanders e Corbyn e a deriva dos EUA e o RU e a Alemanha mais as vitórias para a esquerda.

Em vez de se fazer um pouco de distraído talvez lembrar que Sanders e Corbyn foram citados em resposta a uma afirmação de "Pedro"
"Existem muitos partidos de esquerda no governo ou em vias de chegar ao governo no mundo ?"

Existem partidos de esquerda no governo e há outros em vias de chegar ao governo. Se não gosta do caso de Sanders ( percebe-se que a denúncia da traição e do boicote face a Sanders o perturbe) olhe aí para Corbyn. Está mais em vias de ganhar as eleições do que de May conservar o cargo.

E há outro pormenor importantíssimo que deve desgostar o "Pedro". Não , não falamos agora do caso de Portugal que Pedro prefere saltar com o seu silêncio. Falamos no facto da esquerda hoje no RU não ter nada a ver com a terceira via, a dos que não são carne nem peixe embora se saiba hoje que Blair foi apenas uma Thatcher travestida, um cavalo de Tróia abjecto.

E Sanders que assumindo-se como socialista ( embora seja um honesto social-democrata) não tem de facto quase nada a ver com Clinton, posicionando-se indubitavelmente mais à esquerda.

E teve os votos que teve.

Ou seja, pesem as lágrimas de Pedro, há motivos para ter esperança. E para continuar a luta

Anónimo disse...

Mais uma vez a deturpação e a iliteracia.
A frase "O mundo unipolar pouco a pouco visualiza-se como o não sendo" transforma-se para efeitos de argumento em "o mundo unipolar acabou ?"

Mas este pequeno entorse nem sequer é o mais grave. O que é mesmo de bradar aos céus é a ignorância do que é um mundo unipolar. O domínio absoluto e total dos EUA está a ser posto em causa e isto é confirmado na arena mundial. E isso é uma vitória não só para a esquerda como também para a Humanidade.

E não , não se trata do Poder ter passado para os offshores . Não estamos a falar nos mecanismos em uso pelos neoliberais pelo amor de todos os santinhos. Estamos num outro nível de debate.

Agora vá estudar um pouco para não fazer essas figuras tristes

Anónimo disse...

Às 12 e 18 e às 12 e 29 temos dois comentários que, perdoe-se o termo, revelam gato escondido.

Repare-se: Parece que há uma grande confusão entre os estados neoliberais e o neoliberalismo. E também uma grande confusão entre o estado do povo e o das elites dentro dos estados. E que tais confusões são devidas à cartilha de propaganda russa nacionalista da guerra-fria.

Por favor não se riam. Ou se quiserem é mesmo melhor soltar uma valente gargalhada.

Mas o gato escondido que se falava aí em cima tem outro alvo.

Repare-se neste "discurso": "O neoliberalismo está a afundar os estados que domina para destruir as conquistas sociais.E vocês a celebrar o afundamento !!!!!!...o poder económico das elites...e as elites económicas nunca estiveram tão bem...e as vítimas do neoliberalismo...Estamos a voltar ás condições de vida do Séc.XIX e vocês a celebrar vitórias imaginárias da esquerda....Francamente nunca vi tamanha cegueira como a vossa.... cartilhas marxistas de há 100 anos e tentem perceber o que se está a passar AGORA....Vocês estão a ser comidos e não dão por nada. Até o Marx teria vergonha de ver o que estão a fazer em seu nome.

"E temos no poder o Macron, Rajoy, a Merkel, Trump, May, Temer etc etc etc, e você diz que o neoliberalismo está a ser varrido para as margens !!!!!!!!!"


Mas...mas...mas... o que é isto?
Independentemente do carácter histriónico do Pedro este Pedro é o mesmo que dizia aí em cima que "Náo sou de esquerda nem de direita, sou independente"?

Não é possível. Este "discurso" é tudo menos independente. Ultrapassa a própria esquerda pela esquerda. É de ultra-esquerda.Parece até o Durão Barroso a falar nos idos anos em que se dizia maoísta

E qual o aborrecimento do Pedro para com Macron? Ele, Macron ganhou as eleições dizendo precisamente o que disse o Pedro: nem de direita nem de esquerda. Independente dizia o melro.

Então de que se queixa "Pedro"?

Então qual o motivo deste "choradinho" pseudo-revolucionário de "Pedro"?

Lá está . Gato escondido com o rabo de fora. Mas o cheiro continua

Anónimo disse...

Acho que não vale a pena dizer muito mais.

"Pedro" "disse que o que a direita diz".

Mas "Pedro" "esqueceu-se" que não disse só isso. Disse também que "a direita tem razão numa coisa. Todos precisam dos metcados financeiros e, como eles dizem, quem paga manda"

"Isto é pura ideologia. A fazer pela vida". E escondida desta forma confessemos que um pouco canhestra.

Porque ainda há uma grande interrogação que paira sobre tudo isto. Depois desta profissão de fé contra a esquerda, a favor sabe-se lá de quê , nem de direita nem de esquerda e outras baboseiras do género, a pergunta que se torna evidente é esta

Mas porquê englobar a esquerda toda nos fantasmas que "pedro " afirma ter na cabeça?
Porquê considerar que " a esquerda" o chama de neoliberal quando isto é apenas um debate e a esquerda não se esgota em quem aqui debate? Porque motivo utiliza estes pretextos tolos para se auto-justificar do que diz ser? Porque esta "comédia"( passe o termo sem ofensa) sobre os malefícios de uma esquerda que considera como única, quando ela é de facto plural?
Será tudo isto uma encenação ou há um problema doutro nível?

E porque motivo esta invectiva relacionando quem não lhe engole as suas diatribes com a Coreia do Norte?
No mínimo é pouco honesto e cobarde

Embora seja já de todo desonesto e abjecto a frase em que convida à celebração pela esquerda da vitória do Trump, do Farange, da Merkel, do Rajoy, do Macron etc etc etc

Isto não é só deturpação.Isto é desonestidade e má fé em estado quase puro.

Pedro disse...

Caro anónimo das 13.14.

Você está a tratar-me por meia dúzia de nicks que não conheço, a dizer que sou neoliberal por criticar o neoliberalismo e a dizer que 99% dos regimes comunistas terem desaparecido não é uma derrota do comunismo.

Para perceber um cozido desses tinha de ser completamente chanfrado dos miolos.

Pedro disse...

Caro anónimo das 18.47

Sim, já tinha reparado que você não deixa d mandar bocas a esse preciosismo.

Mas como estamos a falar de coisas sérias, decidi fingir que não percebia.

Um regime criado e comandado por um partido comunista, com o objectivo de criar o comunismo, é um regime comunista, quer se gabe de ter alcançado o comunismo ou não.

Não há regime nenhum, de nenhuma ideologia que tenha alcançado a perfeição teórica pretendida, até porque simplesmente esses objectivos míticos não são alcançáveis.

Mas pode continuar a agarrar-se a esse pormenor ideológico se acha que isso distrai da nossa conversa que versa sobre sobre o facto de o neoliberalismo ter conquistado o mundo.

Pedro disse...

Caro anónimo das 23.32

Eu nunca escrevi isso e nem sei de que nick está a falar.

Para mim neoliberalismo é insulto sim.

Mas com certeza que também não vou chamar neoliberal a toda a gente, só aos que o são. Pela sua conversa de atribuir o que lhe apetece a quem quiser, como atribuir-me autoria de textos e uma ideologia política que já disse desprezar, provavelmente a outra pessoa estava a corrigi-lo por você desatar a chamar neoliberal a toda a gente.

Quanto ao comunismo, na experiência é um regime controlado por comunistas. Pouco me importa se alcançaram ou não os seus objectivos teóricos, até porque, como você muito bem o disse, nunca ninguém os conseguiu alcançar. e provavelmente nunca vai conseguir.

Pedro disse...

Caro anónimo 23.47

"O que nos resta ?" Era uma pergunta, porque pensava que aqui ia encontrar ideias e esclarecimentos.

Em vez disso só encontrei insultos e propaganda demente.

Bastava-me ler os comunicados da Coreia do Norte para saber tudo o que você diz.

Pedro disse...

Caro anónimo das 00.25

Repito, porque parece que não percebeu.

Sanders e Corbyn NÂO ganharam as eleições. Sanders nem conseguiu nem se sabe se virá a conseguir sequer o controle do partido democrático, pela simples razão de que grande parte do partido democrático é neoliberal. O mesmo quanto a Corbyn. Conseguiu o controle do partido mas perdeu as eleições e nada impede que acabe por ser corrido do próprio partido, onde também teve enormes dificuldades para se afirmar.

Se são melhores que a alternativa ? São. Se tomaram o poder ? Não. Se é altamente provável que o tomem com força tal que mudem a sociedade ? Também não. Ainda nem os seus partidos conseguiram controlar completamente e vimos que na Grécia que não basta um partido chegar ao governo, esse governo tem de ter força suficiente para mudar a sociedade - coisa que nenhum está a conseguir, nem o Siryza, nem o PT, nem o Maduro.

Com a merdha que o neoliberalismo fez na sociedade era suposto já ter sido totalmente varrido. Em vez disso, caso você não tenha reparado a maior parte do eleitorado continua a votar em partidos neoliberais. E a extrema direita, que praticamente tinha desaparecido no pós guerra, está de volta como força eleitoral na Europa e nos EUA. Isto está mesmo bom pá.

O caso português ? Sim, estamos bem melhor do que estávamos. Mas o governo não é de esquerda. O PS é um partido neoliberal quanto muito um pouco mais moderado que o PSD.

Pedro disse...

Anónimo das 00.38.

Não faço ideia do que você se gaba tanto que anda a estudar. Mas se é isso que o faz festejar o afundamento dos estados nação na europa e USA, como se o que se está a passar, a transferência do poder real para offshores fosse optimo, então o melhor é nem me aproximar das porcarias que você anda a ler que isso deixa as pessoas tontinhas.

E sim, trata-se dos mecanismos de poder usados pelos neoliberais, porque são esses mecanismos que controlam o mundo actual.

Claro, você, perdido em teorias da treta propostas há mais de cem anos, não tem a mínima possibilidade de perceber o que se passa no mundo real.

Pedro disse...

Caro anónimo das 00.57.

Sim, o facto de ser independente não significa que tenha de estar exatamente no centro em todos os assuntos. Significa que sou livre de reconhecer que esta ou aquela ideia de qualquer um dos lados pode estar certa ou errada.

Por exemplo, se você ainda não percebeu que o Macron é de extrema direita neoliberal é porque é de facto muito lento.

E depois ter a "inteligência" de me continuar a chamar direitista quando qualquer pessoa com um mínimo dos mínimos d inteligência verdadeira já teria percebido que não gosto da direita e que a estou a responsabilizar pela maior parte dos males do mundo actual...

Mas já vi que você não vai conseguir chegar aí. Os tais "estudos" de que se está sempre vaidosamente a gabar queimaram-lhe os neurónios todos.

Pedro disse...

Caro anónimo das 01.26

- Irra que você é mesmo lento.

Ao reconhecer a força dos mercados financeiros, eu não estou a dizer que essa força é positiva, estou a dizer que existe.

Não é por viver no mundo da Lua dos seus famosos "estudos" (até tremo de pensar o que serão!) que os mercados financeiros vão perder o enorme poder que que lhes garante um controlo quase absoluto dos estados.

Eu sou contra eles, mas para os poder combater é preciso pelo menos reconhecer a sua existência.



Você parece o típico intelectual de café, com a mania que é superior mas que não percebe patavina de nada.

- Quem é que disse que eu não considero a esquerda como plural ?

Eu disse que não me encaixo em nenhuma ideologia organizada, porque nenhuma é perfeita e prezo a minha liberdade de pensamento.

Anónimo disse...

Pode Pedro prezar a sua liberdade de pensamento.

Mas podia ao menos preservar a liberdade de manter o que disse nem que fosse por um da.

De "países comunistas" passou-se a "regimes comunistas"

Ahahah

Uma fraude por inteiro. Vá estudar antes de dizer tantas calinadas.Valeu?

Anónimo disse...

"Um regime criado e comandado por um partido comunista, com o objectivo de criar o comunismo, é um regime comunista, quer se gabe de ter alcançado o comunismo ou não."

Ahahahahaha

(Antes era assim:
"99% dos países comunistas"..."Há umas décadas metade do mundo era comunista"..." Restam dois pequenos países comunistas no mundo")

Com o devido respeito essa história toda revela mesmo uma grande falta deles no sítio para admitir que andou a dizer asneiras. E das grandes.

Nenhum partido comunista ousou dizer que o seu país era comunista. Ou sequer que o seu "regime" era comunista, seja lá o que isso quer dizer para o "Pedro".
Eu repito : "Não houve nenhum país comunista à face da terra".


E o espanto é que não percebeu de que se fala,pois a seguir vem esta lástima anedótica:
"Não há regime nenhum, de nenhuma ideologia que tenha alcançado a perfeição teórica pretendida, até porque simplesmente esses objectivos míticos não são alcançáveis."

Ahahahahah

Vá mas é estudar. Qual perfeição teórica pretendida, qual carapuça.

Anónimo disse...

"O que nos resta"

Era uma pergunta.

Pois era. E era um convite à desistência.

Não,não servem estas fugas à realidade. Nem estes fitas sobre os comunicados da Coreia do Norte.

As dúvidas existenciais de "Pedro" são legítimas. Não pode é querer que essas dúvidas que o atormentam tenham respostas simples do género das perguntas patéticas que faz

Anónimo disse...

Parece assim que lhe basta ler os comunicados da Coreia do Norte.

Então os comunicados da Coreia do Norte não lhe deram a resposta pretendida? Sobre os motivos da chamada ao debate de Sanders e de Corbyn?

É que se percebem as dificuldades citadas de Corbyn. Parece que não ganhou as eleições e para este Pedro isto é tudo...
Mas que diacho , ganhou o partido. Guinou à esquerda. Mas isso já não serve para o Pedro.

O mesmo para vários casos apontados.

Essas lágrimas patéticas em torno das desgraças alheias e do que "nos resta" não servem.

Tal como não serve essa farsa de um partido chegar ao governo e o governo mudar a sociedade...

Isso acontece quanto muito nas Revoluções. Mas isso para um que não é de esquerda nem de direita é por demais...revolucionário.

Mas há mais. E se Pedro reflectir nas questões pode agora tentar perceber a frase de Quino

Anónimo disse...

"Com a merdha que o neoliberalismo fez na sociedade era suposto já ter sido totalmente varrido."

Mas por todos os santinhos , de onde lhe saem estes juízos tão taxativos como incoerentes?

Não lê? Não se informa? Toma os seus sonhos como desejos? Tem pensamento mágico? Esquece-se da forma como o imperialismo age quando se sente ameaçado? Não sabe o que fizeram no Iraque ou na Líbia? Ou mais atrás no Chile? Ou no Brasil?

Que tristeza mesmo

Anónimo disse...

E o caso português

Estamos bem melhor do que estávamos. Podíamos estar bem melhor. Mas por isso há que continuar a lutar por aquilo que se acha justo.

Qual é a questão? Qual o drama? Qual o sentido patético de "O que nos resta?"



Anónimo disse...

Infelizmente quando se falou sobre o afundamento progressivo do mundo unipolar o que se teve foi a deriva para os offhsores e outras tretas do género.

O que dizer disto sem ser ofensivo?

Quando se fala que se deve saudar o fim de um mundo dominado por uma super-potência estamos a falar que outros pólos estão a surgir. A China no campo económico e também militar. A Rússia no poderio militar. Regista-se também o declínio económico dos EUA

A ofensiva para acabar com a Síria não teve os efeitos pretendidos. A ligação do fascismo islâmico com o império americano foi combatida de armas na mão. E o Império não teve o caminho aberto como o teve em relação ao Iraque e à Líbia.

São boas notícias, porque o regime do terror tem contra-poderes para o suster. Pelo menos em parte

Anónimo disse...

Resta pouco ou quase nada.

Patati-patata e os estudos. O que se pede é que se informe antes de falar.

Patati-patata e os neoliberais e a direita e não gosta da direita. Sim mas quem disse que a direita tinha razão numa coisa foi o Pedro. E acrescentou: " Todos precisam dos metcados financeiros e, como eles dizem, quem paga manda".
Isso é algo que é levado muito a sério pelos neoliberais e pela direita.

Patati-patata e o Macron é de extrema-direita neoliberal. Pois mas quem disse que "Náo sou de esquerda nem de direita, sou independente" foi mesmo o Pedro.

O resto é mesmo conversa mole. Com reivindicações justas ou não do que o Pedro é ou não é. Isso é um seu assunto pessoal.

Mas não tente impingir que não temos saída ou perguntas catastrofistas do tipo "o que nos resta?"

Anónimo disse...

Perante uma garrafa já aberta e encetada há quem ache que ela está meio-cheia. Outros acharão que ela está meio-vazia.

Pedro acha que está já totalmente vazia ( ou ainda completamente cheia, de acordo com a sua liberdade de pensamento. Um dia vai perceber que essa história de liberdade de pensamento tem mais se lhe diga e que é comum a muitos seres humanos, com ou sem filiação partidária).

Também talvez aprenda que aquele pequeno país Socialista , Cuba , renega o neoliberalismo que tantos engulhos lhe diz provocarem. Não se percebem então as patacoadas iniciais contra um país que estava aqui há 50 anos ao nível do Haiti.

Anónimo disse...

E voltamos a Quino:

"«Se pensarmos que o cristianismo levou três séculos para se impor, por que não podemos pensar que o socialismo voltará e que finalmente poderemos viver em um sistema mais justo e mais humano para todos?»

O que não podemos é estar à espera que nos caia no regaço ou que desistamos às primeiras dificuldades.

Sim resta-nos muito. Há é que ir construindo cada vez mais porque o que temos é francamente insuficiente.

E por isso é que se luta

Pedro disse...

Caro anónimo.

Bom, façamos o ponto da situação dos seus delírios.

Portanto, para si,

- A queda e quase total desaparecimento do bloco comunista que em tempos abarcou metade do mundo, para si não é uma derrota para o comunismo ou a esquerda !!!

- A conversão da maioria dos partidos socialistas e social-democratas á direita neoliberal não é uma derrota do socialismo e da esquerda !!!!!!

- A destruição do poder sindical não é uma derrota da esquerda !!!!

- O facto de a maior parte das vezes os partidos esquerdistas perderem as eleições não é uma derrota da esquerda, porque diz que só se pode mudar a sociedade por uma revolução. Mas também não acha que o facto de quase todos os regimes revolucionários terem falhado ao ponto de desaparecer seja uma derrota da esquerda !!!!
Para você, mesmo que a esquerda desaparecesse de vez não era uma derrota da esquerda !!!!

- O facto da maior parte da população continuar a votar em partidos de direita neoliberal não é uma derrota da esquerda !!!!!!

- O estado social estar há quarenta anos a ser destruído peça por peça não é uma derrota da esquerda.

Para si nada disto importa nada á esquerda. As únicas coisas que importam são;

- insultar quem se mostre lixado com o domínio quase absoluto que o neoliberalismo há quarenta anos exerce sobre o mundo e dizer que se não acha que a esquerda está a ganhar neste cenário de domínio absoluto da direita, então é porque é de direita.

- Só ligar aos casos Corbyn e Sanders, apresentando-os como grandes vitórias. O facto de um nem ter conseguido concorrer a eleições porque o seus partido estar cheio de direitistas e de o outro ter perdido as eleições e estar em constante risco de ser derrubado dentro do seu partido por o seu partido também estar cheio de direitistas não lhe interrssa nada.

- Apresentar como outra grande vitória da esquerda o facto de agora, em vez de haver uma grande potência neoliberal haver três grandes potências neoliberais que ameaçam o mundo com uma nova escalada de guerras. Que bom para a esquerda pá !

- Demonstrar que é um total ignorante ao desconhecer que o verdadeiro poder neoliberal se tornou financeiro e internacional, não estando sediado em nenhum estado, estando acima das entidades estatais neoliberais e até as estar deliberadamente a destruir.

- Exibir uma total saloíce e falta de gosto ao estar constantemente a dar a entender que tem muitos estudos. Se realmente os tivesse não se dava a esse ridículo.

- Por fim, last but not least, estar constantemente a trazer para o assunto o facto de nenhum regime comunista ter conseguido alcançar o comunismo, não sendo capaz de perceber que se pode chamar de comunista um regime dirigido por comunistas em que se está a construir o comunismo, independentemente de ainda não se rer alcançado o objectivo final. Razão porque se chama comunmente comunistas ás repúblicas socialistas. Do mesmo modo também poderia dizer que não existe neoliberalismo, visto que em lado nenhum os neoliberais conseguiram construir uma sociedade 100% neoliberal. O que provavelmente até será impossível, visto que provavelmente uma sociedade assim não funciona. Para além do pornenor de este assunto não ter nada a ver com o que estamos realmente a falar - a sua divertida incapacidade de perceber que o neoliberalismo manda no mundo.

Pedro disse...

Caro anónimo

O facto de Macron dizer que não é de esquerda nem de direita significa que está a mentir, porque toda a gente sabe que é de extrema direita liberal.

Mas isso não faz que não exista gente que realmente não é de esquerda nem de direita.
Assim como o Pinochet dizer que era democrata não implica que os verdadeiros democratas sejam como o Pinochet ou que não existam.

O facto de ter lhe explicar vezes sem conta as coisas mais simples e os seus argumentos infantis fazem-me perguntar que grandes estudos serão esses de que se está sempre a gabar.

Anónimo disse...

Ahahah

Desculpe " Pedro" mas vá ler um bocado. Incluindo o que escreveu aqui e o que foi dito aqui.

Mas alargue os seus horizontes de leitura e não se melindre que o mandem estudar. Isso não tem nenhum mal e nao implica que quem o aconselha seja melhor ou pior que o Pedro.

Mas que quer?

Há um mínimo de informação e de formação

E para não prosseguir por territórios que parece que ignora quase tudo e para evitarmos essas cenas pateticas em torno dos países, perdao dos regimes, perdão dos blocos, perdão não é nada disso mas é voz populi, é melhor mesmo parar por aqui.

Com uma valente gargalhada e sem acrimónia.

Anónimo disse...

Essa de apresentar a Rússia e a China como países neoliberais...Lolololol

Pedro disse...

Ok grande professor doutor da esquerda.

Indique lá então quais são esses grandes estudos que você tem, que lhe permitem percepcionar o total domínio da direita sobre o mundo como uma grande vitória da esquerda.

Ando a precisar de mais leitura divertida agora que acabei o livro dos três estarolas.

Estou a falar a sério. Diga lá o que anda a ler que o pôs nesse estado que isto é assustador.

Pedro disse...

Ná.

Vai ver são socialistas. Deve ser por isso que estão cheios de milionários enquanto o povo vive na merdha.

Homem, diga lá que porcarias é que você anda a ler, se é que lê alguma coisa. Que pelo chorrilho de asneiras que você debita, nem a capa de uma revista consegue ler.

Anónimo disse...

Eu acho que o conselho para ir estudar é um must.
Por exemplo aprender o que é o neoliberalismo e aprender que a negação de neoliberalismo não é de per si socialismo.
Embora dê gozo ver alguém citar o número de milionários como aferidor do que é o neolib...
Quanto aos três estarolas, esses sabem de certeza o que é isso duma sociedade não 100% qualquer coisa.
E, mherda, todos nós pensamos pela nossa cabeça. Não conseguimos ler uma revista dos três estarolas sem pedir explicações e por vezes nem um chorrilhozinho de asneiras.
Mas regra geral sabemos o que temos que fazer.

Pedro disse...

Caro anónimo.

Sim. O neoliberalismo é simplesmente uma doutrina-lobby em favor dos interesses dos grandes capitalistas e o seu principal objectivo e principal efeito é o exponencial aumento do enriquecimento da classe capitalista e dos seus quadros superiores à custa do empobrecimento da maioria da população. Tal como se vê na Rússia e na China. Aliás, a China até já se arroga abertamente disputar aos EUA a liderança da globalização capitalista. Deve ser por socialismo...

Você tem uma ideia diferente do neoliberalismo ? Então porque é que, em vez de só se armar em grande intelectual não tenta ao menos explicar a sua ideia. Se é que tem ideias, porque já se percebeu que você só está a contrariar por contrariar.

Já reparou que você a única coisa que faz é armar-se em grande intelectual mas sem nunca substanciar nada do que diz ?

Está bem, já sei que você tem uma cultura enormissima. Temos é que confiar na sua palavra porque não se vê nada.

Ainda não foi capaz de explicar porque é que a esquerda ser constantemente derrotada em todos os níveis não é uma derrota da esquerda em geral.

Nem por palavras suas, nem indicar autores que defendam essa completa estupidez. Nada de nada.

Olhe, fique-se na sua de burro carregado de livros que está-se a ver que nunca leu.

Deve-os ter pelas lombadas bonitas para enfeitar a sala.

Se é que alguma vez viu um livro...

Anónimo disse...

Ahahahahaa

Perdão

"O neoliberalismo é simplesmente uma doutrina-lobby"

Ahahahah

Ui, perdão

"a China até já se arroga abertamente disputar aos EUA a liderança da globalização capitalista"

Ahahahah

"porque é que a esquerda ser constantemente derrotada em todos os níveis"

Ahahahahah

Desculpe , isso sai-me.

Ahahahah