quarta-feira, 11 de abril de 2012

Lê-se e acredita-se

Numa adenda, só disponível na versão em papel do Económico, ao seu artigo de hoje sobre uma crise que não cessa de se aprofundar – Ninguém pára a crise do euro –, Luís Rego partilha com os leitores a sua estupefacção com a explicação, dada por Peter Weiss da Comissão Europeia numa já famosa conferência de imprensa, para o “surpreendente” crescimento do desemprego nos tempos mais recentes em Portugal: “Peter Weiss disse que os trabalhadores preferiam despedir-se mais cedo para escapar às regras mais penosas do subsídio que aí vinham”, fazendo equivaler tal decisão “racional” à reacção dos consumidores de tabaco antes do aumento dos impostos. Trata-se aqui de escolher voluntariamente, por liberal definição, entre trabalho e lazer. Lê-se e acredita-se. É a ideologia que está disponível a este nível de sofisticação burocrática para disfarçar o impacto no emprego da austeridade ou para justificar as alterações regressivas nas leis laborais. Trata-se sempre de reduzir o trabalho humano ao estatuto de uma simples mercadoria com preço cada vez mais baixo num mercado da delirante imaginação dos amigos de Gaspar.

2 comentários:

D., H disse...

É vergonhosa essa teoria da “corrida ao desemprego”. E ninguém diz nada, ninguém vê nada, ninguém manda calar esse Peter Weiss…Onde andam os deputados portugueses?

Ana Cristina Leonardo disse...

é de facto inacreditável que se digam parvoíces dessas impunemente. quem é afinal esse idiota?
http://wwwmeditacaonapastelaria.blogspot.pt/2012/04/balada-do-desempregado-lusitano.html