sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Em fase terminal


Nos dias que correm, o chamado “projecto europeu” assemelha-se a um barco no meio da tempestade metendo água por todos os lados. Alguns dos seus mais acérrimos defensores estão tão desmoralizados que, pelo que escrevem, mais parecem adversários da “construção europeia”. A título de exemplo: “Com uma união monetária que estiola no Sul. Com Schengen agonizante no Centro e no Leste, o projeto europeu transformou-se num trágico nó górdio, à espera de um génio que o desate ou, o que é mais provável, de um(a) louco(a) capaz de erguer a espada que o corte. Sem olhar às terríveis consequências que se lhe seguirão.” (Viriato Soromenho Marques, DN - 7 Dez 2015). De facto, para grande pesar dos europeístas de todos os quadrantes, o barco está mesmo afundar e não é preciso ser adivinho para perceber que o seu fim está escrito nos astros.

Como se já não bastasse a tragédia do resgate dos bancos credores das periferias, através da conversão da dívida do sistema financeiro em dívida pública à troika, agravada pela aplicação de uma política económica idêntica à dos anos trinta do século passado que converteu o crash financeiro de 1929 na Grande Depressão, temos agora a Finlândia a admitir referendar a sua participação na Zona Euro. Juntemos a recente vitória de um partido eurocético na Polónia e a passagem da Frente Nacional a partido mais votado nas eleições regionais em França. Isto para além do anunciado referendo no Reino Unido sobre a sua participação na UE.

Sendo a Zona Euro o coração da UE, percebe-se que o seu funcionamento cada vez mais debilitado acabará por comprometer a sobrevivência da totalidade do corpo político a que está ligado. Aliás, a crise que estamos a viver já não é designada por “crise das dívidas soberanas”, como nos habituaram os media, e alguns analistas já referem com naturalidade a “crise da UE”. Na verdade, as dívidas públicas grega e portuguesa, como de resto as de outros países europeus não intervencionados, não adquiriram subitamente a virtude da sustentabilidade. Aconteceu apenas que o BCE tranquilizou os mercados financeiros com a promessa de que em última instância as compraria (à revelia dos tratados) ao mesmo tempo que vai intervindo discretamente para controlar o respectivo preço. Ou seja, afastado de um horizonte mais próximo o colapso financeiro de bancos e Estados, o risco do fim da UEM passou a ser eminentemente político.

Até quando resistirá o povo grego ao massacre a que está sujeito? Até quando resistirá a Itália a uma estagnação sem fim à vista? Até quando resistirá a França à permanente desindustrialização e erosão do Estado-social? Até quando aceitará a Finlândia sofrer uma recessão sem poder recorrer à política económica (orçamental e cambial) de que precisa? Até quando Portugal e Espanha estarão dispostos a sofrer um nível de desemprego típico da Grande Depressão? Muito provavelmente, a crise dos refugiados que chegam em massa às portas da UE será o golpe de misericórdia neste projecto de submissão dos povos ao totalitarismo neoliberal. A França e a Alemanha participaram ativamente nas aventuras imperiais dos EUA no Próximo Oriente e agora, face ao efeito de boomerang das suas intervenções ao serviço de negócios criminosos, prometem à Turquia a integração na UE para que faça o que outros países têm feito simplesmente por razões humanitárias, ao mesmo tempo que impõem à Grécia uma nova polícia de fronteiras sob comando da burocracia comunitária. A Grécia é ameaçada de expulsão por duas vezes em poucos meses (Euro e Schengen), enquanto a frágil democracia Turca, conivente como os terroristas do EI, é convidada a entrar na UE? O projecto europeu entrou certamente na sua fase terminal.

A minha colaboração com este jornal termina aqui. Agradeço aos editores e aos leitores o tempo que me dedicaram.

(O meu artigo no jornal i)

8 comentários:

Jose disse...

O massacre das moedas desvalorizadas segue-se ao massacre da austeridade?

Antonio Cristovao disse...

Não vejo onde o fim do euro ou da UE melhore o desempenho de Portugal(provavelmente pagará muito mais pela sua divida e defice) ou a França tornar-se-á um paraiso industrial ou a Grecia e a Italia passam a ter uma economia florescente. Fica bem numa cronica- mas a China, os EUA e os restantes player continuam a fazer a concorrencia igula a que já fazem hoje. Tirando a mentira da inflação um país como Portugal, em que raramente se produz ao menos o que se gasta, o destino é o que tem sido : aturar os demagogos do costume.

Jaime Santos disse...

Tenha cuidado com o que deseja, Jorge Bateira. Pode ser que o consiga. Mas não sobre a forma com que sonha. A crise financeira já liquidou a Esquerda na Hungria e na Polónia e o Fascismo parece atrair mais as massas deserdadas do que a Revolução Operária. Como dizia Tony Judt, pode não restar à Esquerda mais do que evitar mundos piores. Para além disso, as organizações multilaterais, por muito imperfeitas que sejam, são o único instrumento que pode permitir domar a crise climática, a mais grave que temos entre mãos. Não adiantará nada aos deserdados da Terra receberem uma desolação quando herdarem o Planeta...

Anónimo disse...

Como todos os projectos humanos, mais tarde ou mais cedo vai dar o berro, mas ate´ que isso aconteça muita água vai correr por debaixo da ponte. E´ que se ficarmos a´ espera que caia por si, então nunca mais e´ sábado…De Adelino Silva

Aleixo disse...

O problema é...

a CAPTURA da democracia representativa.

Alvaro disse...

Eu vejo

Alvaro disse...

Milton Friedman, prémio Nobel, ainda na década de noventa calculava que e euro estoiraria aí em 2010. Pouco antes de falecer disse que o euro se estava a a portar melhor do que esperava e alterou este ano para 2015.

Anónimo disse...

Jorge Bateira que andou pelas bandas do Livre, não desejará coisa nenhuma do que sugere Jaime Santos.

De qualquer modo não foi a esquerda da esquerda que construiu esta Europa que hoje temos. A esquerda da esquerda foi a que foi alertando para o caminho trilhado e seus riscos.