quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A memória é uma coisa lixada...



«Faz ou não faz sentido, perante os valores da social-democracia, que aqueles que têm rendimentos mais elevados tenham que ter - em cima de todos os impostos que já pagam, nomeadamente no IRS - uma taxa de solidariedade adicional? Eu acho que faz sentido. Como faz sentido aqueles que tinham ativos imobiliários - acima de um milhão de euros - que têm uma tributação agravada por causa disso... É ou não é um bom princípio social-democrata dizer a todos os portugueses que pudemos isentar, ou que pudemos aliviar o esforço que poderia ser pedido àqueles que têm menos, pedindo um contributo adicional àqueles que têm mais? Eu orgulho-me disso.»

Pedro Passos Coelho em 2013 (três anos antes do «Imposto Mortágua»)

Serviço público em formato vídeo prestado uma vez mais pela Geringonça, que em boa hora recuperou esta declaração de Pedro Passos Coelho, perfeitamente alinhada com a «tentativa em curso de sovietização do país», segundo o deputado do PSD Duarte Marques. O que nos vale a todos é que a «resistência» está no ativo e vigilante: dificilmente veremos um canal de televisão reproduzir estas imagens e estas declarações do ex-primeiro ministro, apesar das horas a fio dedicadas ao rasgar de vestes por causa do «novo imposto» (e mesmo quando ainda nem estão devidamente estabelecidos os contornos e o alcance da medida).

23 comentários:

Anónimo disse...

A histeria apoderou-se dos idos do PAF

Mostra por um lado a verdadeira face de quem assim age.
Mostra a sua desonestidade intrínseca.
Mas mostra outra coisa. Que estão dispostos a tudo para continuarem os seus projectos ao serviço dum projeto sinistro

E que a sua máquina sinistra está bem afinada

Anónimo disse...

Carvalhas chamou há dias a atenção para a preparação dum golpe com a aglutinação de figuras gradas da UE da comissão e do BCE e o trabalho interno de todo o entulho da governança neoliberal.

É bom lê-lo. E ver os elementos que se estão a desenhar.

"Há um golpe em curso. Como no Brasil não se trata de um golpe militar, mas um golpe de pantufas, lento, burocrático, hipócrita.

A opinião pública vem há muito a ser preparada e intoxicada para o aceitar, designadamente através dos meios de comunicação oficiais com destaque para a RTP. O país está em estagnação desde que o Euro entrou em circulação. Com o governo PSD /CDS a economia afundou-se, o PIB teve uma queda histórica, bem como o investimento público e privado. Aumentou dramaticamente o desemprego, a emigração e a dívida pública e nem saímos da situação de défice excessivo. Se se continuasse com a mesma política a situação era hoje bem pior, pois nem sequer teríamos o estímulo do consumo interno no quadro do abrandamento da economia europeia e da forte quebra de importantes mercados das nossas exportações. A que há que juntar as situações apodrecidas do BANIF, Caixa e Novo Banco vindas do governo anterior e os inaceitáveis constrangimentos do défice a limitarem fortemente o aproveitamento dos fundos europeus e portanto o investimento público"

https://abrildenovomagazine.wordpress.com/2016/09/17/o-golpe-em-curso-por-carlos-carvalhas/

Anónimo disse...

e ao passos coelho acrescentemos outros perigosos estalinistas adeptos da taxação forte do património das classes favorecidas: winston churchill e milton friedman.

Jose disse...

O que se justifica em tempo de crise e resgate (e nunca é difícil encontrar palavras) não deve manter-se quando vem o governo que acaba com a austeridade.

Enquanto as câmaras diminuem impostos para promover a economia o governo aumenta-os para promover a sua existência.
Os comunas estão no poder e combatê-los é prioridade económica essencial.

Mas nesta história o verdadeiro problema é o ridículo do orgulho comuna: tributo os ricos logo existo!

Anónimo disse...

o josé (rodrigues dos santos?) já não sabe o que mais inventar.

"os comunas estão no poder" HAHAHAHAHAHA!

zezito, não é só o pedroca que é favor disto. CHURCHILL e MILTON FRIEDMAN defendem intensamente a taxação forte do património, seja em crise ou não.

meta-se no seu buraco de explorador primário e desapareça. ou quem o encarregou deste blogue não deixa?

Anónimo disse...

típica atitude de direita hipócrita e mentirosa. a distorção e o truncar.

este governo não acabou com a austeridade, nem o quis fazer, nem poderia.

mas está a fazer o que pode para a redistribuir.

o seu partido vai voltar a usar fotografias de actrizes porno para criar perfis falsos de facebook?

Anónimo disse...

E´ de facto lixada e de tal forma que que por vezes se diz «apanha-se mais de pressa um mentiroso que um coxo»
Por isso lembro o que Portugal e os Portugueses sofreram e perderam com as alianças espúrias (Bloco Central) e etc e tal. Mais, e quem nos meteu na CEE/UE sem consulta ao eleitorado.
Também se costuma dizer- “que mais vale tarde que nunca” mas la´ que dói, dói…
Os senhores e senhoras do PSD/PP tremem, mas ainda não viram o rabo a´ Carriça…mais um cheirinho de esquerda e hei-lhos a “fazer as malas” e recrutar os Lumpem - a escória da sociedade. Esta “gente” e´ capaz de tudo. De Adelino Silva

Jose disse...

Adelino estou confuso!
Então os Lumpen não são a praia da esquerda? O que é que dizia a Rosa?
E chamas-lhes escória?

Talvez estejas a querer dizer é que quando a esquerda f.. a economia quem acaba por sofrer mais com isso são os Lumpen. A grande novidade!!

Anónimo disse...

"Comunas no poder"

Esta é a imagem da direita e da extrema-direita que temos.

Sem pruridos nem escrúpulos. Mas duma boçalidade a toda a prova

Jose disse...

Ser comuna não é querer viver numa sociedade comunista; para esse número há muito pouca gente, e por mim nunca encontrei UM.

Ser comuna é assaltar o capital e, menos do que querer distribuí-lo, quererem entrar no seu usufruto como administradores, senhores do que não lhe pertence.

Anónimo disse...

Herr jose costuma aprender aqui e ali umas coisas com que se aflauta depois noutros blogs a dar-se ares de.

Infelizmente para ele, a junção do que vai lendo não permite a sua "digestão" e resulta as mais das vezes num esgar atabalhoado de quem não sabe do que fala.

A grande novidade ( cheio daqueles pontos de exclamação de quem está a gritar os f... que ouvia lá em casa, sabe-se lá em que contexto) é que o coitado não sabe o que é o lumpem do proletariado, associando-o veja-se bem à "praia da esquerda"

Pedindo desculpa por interromper os f... de herr jose, a repetir os que ouvia lá na sua casa, sabe-se lá em que contexto, segue mais abaixo um bocado da wikipedia

Anónimo disse...

"O termo lumpemproletariado (do alemão Lumpenproletariat: 'seção degradada e desprezível do proletariado', de lump 'pessoa desprezível' e lumpen 'trapo, farrapo' + proletariat 'proletariado') ou lumpesinato [1] ou ainda subproletariado designa, no vocabulário marxista, a população situada socialmente abaixo do proletariado, do ponto de vista das condições de vida e de trabalho, formada por frações miseráveis, não organizadas do proletariado, não apenas destituídas de recursos econômicos, mas também desprovidas de consciência política e de classe, sendo, portanto, suscetíveis de servir aos interesses da burguesia. Assim, segundo os teóricos da revolução, o lumpemproletariado seria pernicioso, já que seu cinismo e sua absoluta ausência de valores poderiam contaminar a consciência revolucionária do proletariado.

O termo, que pode ser traduzido, ao pé da letra, como "homem trapo", foi introduzido por Karl Marx e Friedrich Engels em A Ideologia alemã (1845). O lumpemproletariado seria constituído por trabalhadores em situação de miséria extrema ou por indivíduos desvinculados da produção social, dedicados a atividades marginais, como os ladrões e as prostitutas."

Os f...de herr jose teve outra origem. Mas isso será da esfera particular e familiar de herr jose

Anónimo disse...

Mas percebe-se a agitação histérica de herr jose.

Ei-lo a fugir, qual pássaro tonto e senil, à procura da definição de "comuna" e dos seus encontros de terceiro grau.
Ei-lo a invocar Rosa e a mostrar o cabotino que é.
Ei-lo a falar de escória e dos f... , a fazer-lhe vir ao de cima sabe-se lá que histórias pessoais.
Ei-lo a falar nos impostos das câmaras e nos impostos governamentais...

Tudo isto para quê?

Para fugir à denúncia serena e calma de Nuno Serra, aqui neste seu comentário assaz oportuno.
Na sua cara, na cara de todos estes rapazes e não rapazes, velhos e ainda mais velhos ao serviço da governança neoliberal, aparece Passos Coelho. A desdizer os passos coelho em histeria.

É demais para o coitado do herr jose. O que há-de fazer, senão estes exercícios tolos e apatetados?

A "memória de facto é uma coisa lixada", não é mesmo herr josé?

Manuel Silva disse...

José:
O cérebro é uma coisa maravilhosa.
Todos deviam ter um!
Vê se te fazem um transplante.
Senão, somos levados a concluir que, em matéria de impostos, és como o outro que gostava de pegar às arrecuas mas quando foi apanhado na casa de banho em flagrante gozo próprio se apressou a dizer: A culpa é do sabonete, ele estava a dar-me a toalha, escorregou e caiu para cima de mim.
Tens sempre uma desculpa para o óbvio: gostas que o Passos escorregue no sabonete.

Anónimo disse...

Por lhes faltar argumentação verdadeira e´ que há certa “gentinha” virada para o insulto e blasfémia, percebe-se. Mas como tenho dito aqui nos LB e noutros lados O TEMPO e´ mestre e «as cadelas apressadas parem sempre os cachorros cegos».
Essa “gentinha” ate´ sabe como e´ mas como diz o ditado popular, «quem nasceu para pataco nunca chega a meio tostão» e o pobre coitado do sr. José e´ isso mesmo. «Quem nasce torto tarde ou nunca se endireita». Nem a ortopedia os salva. De Adelino Silva

Anónimo disse...

"As famílias mais ricas habituaram-se a não pagar impostos, a mudar as sedes das suas empresas para a Holanda, a pôr o seu património pessoal em nome de empresas com sede em paraísos fiscais e a usar todas as artimanhas possíveis para não cumprir as suas responsabilidades fiscais. Mas temos o dever de tentar pôr fim a essa imoralidade, que sobrecarrega indevidamente todos os outros.

Os ricos que paguem a crise? Não. Os ricos que paguem o que devem. Apenas isso.!

(José Vitor Malheiros)

Jose disse...

Coitado de mim que andava enganado e não sabia que a esquerda ainda tinha classes de proletariado e no fim da linha o que chamam de escória e têm por gente desprezível.

Estamos sempre a aprender, e quando da simples suspeita se passa à certeza derivada de tão doutas opiniões, é sempre reconfortante.

Anónimo disse...

Na TABELA GERAL DO IMPOSTO DO SELO em vigor (info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/informacao_fiscal/codigos_tributarios/selo/ccod_selo_tabgiselo.htm),
podem ler-se, no Nº 28, os seguintes aditamentos - da autoria do Governo PSD/CDS-PP que Passos Coelho chefiou - à tabela anexa ao Código do Imposto do Selo, aprovado
pela Lei n.º 150/99, de 11 de Setembro, quando o Governo era chefiado por António Guterres:

28 . Propriedade, usufruto ou direito de superfície de prédios urbanos cujo valor patrimonial tributário constante da matriz, nos termos do Código do Imposto Municipal sobre Imóveis (CIMI), seja igual ou superior a (euro) 1 000 000 - sobre o valor patrimonial tributário utilizado para efeito de IMI: (Aditada pelo artigo 4.º da Lei n.º 55-A/2012 de 29 de outubro)

28.1 . Por prédio habitacional ou por terreno para construção cuja edificação, autorizada ou prevista, seja para habitação, nos termos do disposto no Código do IMI (Redação da Lei n.º 83-C/2013 de 31 de dezembro) - 1%

28.2 . Por prédio, quando os sujeitos passivos que não sejam pessoas singulares sejam residentes em país, território ou região sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável, constante da lista aprovada por portaria do Ministro das Finanças (Aditada pelo artigo 3.º da Lei n.º 55-A/2012 de 29 de outubro) - 7,5%



Sobre a nova medida fiscal de que o BE e alguns sectores do PS se têm vangloriado, com ampla cobertura mediática - pois seria um poderoso "ataque às grandes fortunas"
-, convém recordar que é o único "output" conhecido de um "grupo de trabalho" sobre "Fiscalidade", em que, ao lado de Mariana Mortágua, surge o bem conhecido "Ministro
das Finanças" de António José Seguro, Eurico Brilhante Dias. Sobre esta festejada medida de "ataque às grandes fortunas", disse contudo António Costa que ainda não
está fechada, considerando "prematuro estarmos a discutir medidas avulsas" de um Orçamento do Estado que só vai ser apresentado a 14 de Outubro. Nas suas palavras:
"Não está ainda definida qual a base de incidência, sobre o que é que incide, imóveis de que valor, que tipo de imóveis, estamos a falar do valor líquido do património ou deduzido, por exemplo, do valor das hipotecas que impendem sobre esse património? Estamos a falar de casas que estão arrendadas e que constituem investimento ou estamos a falar de habitação própria? Há um conjunto de questões que ainda não estão resolvidas e tornam prematura qualquer discussão sobre essa matéria".

Receio bem que - com a intervenção dos "donos disto tudo", agora despertos por estes "foguetes antes da festa" - a "nova" medida fiscal acabe por ficar bastante parecida com o que foi estabelecido pelo governo anterior no citado "Nº 28"...

Entretanto, o PCP (http://www.jornaldenegocios.pt/economia/impostos/imi/detalhe/pcp_apoia_novo_imposto_mas_insiste_em_tributar_tambem_patrimonio_mobiliario.html),
fora do referido "grupo de trabalho", já reafirmou - com muito menos cobertura mediática, o que não acontece por acaso - uma posição antiga do partido sobre a imperiosa necessidade de se acabar com os privilégios de que muitos dos detentores de grandes fortunas têm gozado em Portugal, não deixando também de tributar significativamente os grandes patrimónios mobiliários, além dos imobiliários. Era conveniente que o PS e o BE não tivessem "vergonha" de aceitar uma discussão séria em torno da proposta do PCP.

Anónimo disse...

Temos assim que é assim que o nosso herr foge às doutas questões levantadas por si próprio, douto doutrinador de cabotina estirpe

"Então os Lumpen não são a praia da esquerda"?

Por favor, alguma dignidade. Não se lamurie nem choramingue tal como Passos invectivava os demais. Algum sentido de dignidade porque senão entra imediatamente para a sua agenda dos coitadinhos.

Mas agora não é tempo de choraminguices hipócritas. É tempo para herr deixar de fugir à denúncia serena e calma de Nuno Serra, aqui neste seu post assaz oportuno.

Na sua cara, na cara de todos estes rapazes e não rapazes, velhos e ainda mais velhos ao serviço da governança neoliberal, aparece Passos Coelho. A desdizer os passos coelho em histeria.

É demais para o coitado do herr jose. O que há-de fazer, senão mais estes exercícios tolos e apatetados agora até a verter uma lagrimazinha ao canto do olho

A "memória de facto é uma coisa lixada", não é mesmo herr josé?

Mas é altura de se avançar na tributação tanto dos grandes interesses mobiliários como nos imobiliários.

Jose disse...

Ó triste e desamparado argumentador.

O meu argumento das 11:03 vi-o repetido pelo PPC no noticiário da noite.
Talvez ele tenha lido o LdB.

Que os lumpen não te assombrem o sono.

Anónimo disse...

Se o seu argumento foi repetido por PPC, não deve ser grande coisa. Como habitualmente, aliás.

Nem sabem o que dizer, estes privilegiados e os seus freteiros. Querem perpetuar o seu lindo rentismo e não pagar impostos.

Augusto disse...

Uma medida que vai atingir uns poucos milhares de portuguesas mais ricos , causa tanto ruído. Depois da derrota da direita radical com a manobra de apoio aos colégios privados subsídio dependentes, temos a mesma direita radical e os seus lacaios nos jornais e nas televisões, indignados com um novo imposto que só vai atingir os mais ricos. No entanto os mesmo calaram-se com o SAQUE Maria Luis Albuquerque aos trabalhadores mais pobres como foi hoje divulgado num estudo da OCDE.

Anónimo disse...

Alguém diz esta coisa:

"O meu argumento das 11:03 vi-o repetido pelo PPC no noticiário da noite.
Talvez ele tenha lido o LdB"

Como na cara desse alguém, na cara de todos estes rapazes e não rapazes, velhos e ainda mais velhos ao serviço da governança neoliberal, apareceu Passos Coelho aí em cima a debitar o que disse em tempos e a desdizer os passos coelho em histeria....temos aqui um processo engraçado.

Passos Coelho a desdizer os rapazes e não rapazes, a desdizer-se a si e, apesar de copiar o que um dos seus rapazes disse que já tinha sido desdito em tempos por ele próprio, a mostrar mais uma vez que tem a desdita de ser o que é. Um aldrabão com aspectos de vampiro neoliberal e sem escrúpulos.

Por isso a reivindicação da origem do que Passos disse ( já desdita pelo próprio há pouco tempo ) carimba o reivindicador de curiosos aspectos trágico-cómicos. Carimba-o como um conselheiro Acácio ainda mais conselheiro Acácio que o próprio Acácio. Mas não adianta nada (antes pelo contrário) à qualidade das intervenções do boss laranja.

Entretanto Fernanda Câncio tem um artigo notável sobre este mesmo Passos Coelho, em que desmonta duma forma demolidora o esgoto de alguns personagens, Coelho incluído:

http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/fernanda-cancio/interior/desobrigadinho-passos-5401525.html