sábado, 30 de agosto de 2014

Ecos dos anos 30


As tendências da economia parecem caóticas e insondáveis até percebermos que há algo que lhes está subjacente. Esse algo é a política.

O sistema económico em que vivemos assenta na produção de bens e serviços motivada pela prossecução do lucro. Esse lucro, em termos simplificados, corresponde à parte do preço desses bens e serviços que permanece nas mãos dos empresários uma vez remunerados os trabalhadores e pagas as matérias-primas e custos intermédios. E por sua vez, essas matérias-primas e insumos intermédios são produzidos noutras empresas nas quais o rendimento também se reparte entre empresários e trabalhadores, pelo que em termos agregados e de forma simplificada (abstraindo das rendas, impostos e juros), os lucros são tanto maiores quanto menores são os salários e vice-versa.

Entre Cila e Caríbdis


Em consequência disso mesmo, a produção neste sistema vive numa tensão permanente entre duas fontes potenciais de bloqueio: lucros demasiado baixos, por um lado; e lucros demasiado elevados, por outro. Se os lucros forem demasiado baixos, os níveis de investimento tendem a reduzir-se e a dinâmica da produção tende a estagnar. Mas lucros demasiado elevados também conduzem à estagnação da produção, pois provocam a concentração do rendimento, desigualdade crescente e estagnação da procura.
A estagnação da procura neste segundo caso resulta do facto das empresas venderem maioritariamente os seus bens e serviços a trabalhadores - pelo que se a parte dos salários for sistematicamente comprimida, os empresários vêem as suas vendas reduzidas. Em termos mais rigorosos, o que sucede é que os segmentos da população com rendimentos mais elevados têm uma menor propensão para o consumo (poupam uma parte maior do seu rendimento), pelo que a dinâmica da procura depende mais fortemente dos segmentos com rendimentos mais reduzidos (que correspondem maioritariamente aos trabalhadores).

Oferta, procura e política


Acontece que a forma como o rendimento, nestes termos agregados, é repartido entre classes e segmentos da população, sendo uma questão económica, é no essencial determinada na esfera da política. Quando o poder relativo dos trabalhadores é maior (por exemplo, porque o Estado assegura um salário indirecto maior por via da educação, saúde e habitação públicas; porque impõe uma salário mínimo mais alto; ou porque são prosseguidas políticas que asseguram a proximidade ao pleno emprego), estamos em presença de um regime que assegura a dinâmica do ponto de vista da procura, mas que contém dentro de si a semente da estagnação da produção pelo lado da oferta, devido à compressão dos lucros. Quando o poder relativo dos empresários é maior (por exemplo, porque o desemprego e as medidas de flexibilização do mercado de trabalho pressionam os salários em baixa; ou porque a redução dos impostos sobre o capital e sobre os rendimentos mais elevados obrigam à redução dos salários indirectos), estamos em presença de um regime que assegura a dinâmica do ponto de vista da oferta, mas que contém dentro de si a semente da estagnação da procura.
Neste segundo tipo de regime, as crises podem ser adiadas por um factor adicional: a expansão do crédito, que permite compensar o efeito negativo da desigualdade sobre a procura. Mas é uma solução inevitavelmente temporária, pois está constrangida pela capacidade de endividamento dos agentes económicos, que mais cedo ou mais tarde atinge o seu limite. Isso acontece normalmente de forma abrupta e espectacular, sob a forma de crises financeiras, como sucedeu em 1929 ou 2007-08. Superficialmente, são crises financeiras; a um segundo nível, são crises de deflação de dívida; estruturalmente, são crises económicas resultantes da desigualdade e da estagnação da procura.

Ecos dos anos 30


A história económica das economias avançadas nos séculos XX e XXI corresponde a uma oscilação entre estes dois tipos de regime e entre estes dois tipos de crise. As primeiras décadas do Século XX foram um período de aumento do poder relativo do capital, máximos históricos de desigualdade, financeirização, endividamento - e, nos anos que se seguiram a 1929, deflação súbita e brutal do endividamento acumulado, também conhecida como Grande Depressão. A crise estrutural seguinte - dos anos '70 - foi do tipo oposto: pleno emprego, crescimento dos salários directos e indirectos e compressão dos lucros, resultando por fim na redução do investimento e numa conjugação de inflação com a estagnação da produção (a chamada "estagflação"). E uma vez que essa crise foi resolvida através da instauração de um regime - o neoliberalismo - que voltou a provocar a oscilação do pêndulo no sentido oposto (compressão dos salários directos e indirectos, novos máximos históricos de desigualdade, financeirização, endividamento), seguiu-se uma nova crise global de deflação da dívida quando a solução temporária esbarrou finalmente contra os seus limites.
É o que estamos a viver desde 2007 - e é um eco, uma repetição, dos anos '30. A grande diferença, e não é despicienda, é que nos anos '30 a deflação da dívida foi feita bruscamente, enquanto que na actual crise a desalavancagem está no essencial por fazer, entre outros motivos porque foi acomodada pelo sector público. Por isso, em vez de uma "Grande Depressão" relativamente circunscrita no tempo, temos uma "Grande Estagnação" prolongada. A ideia, já perfeitamente adoptada pela ortodoxia, de uma "estagnação secular" que terá tomado conta das economias avançadas corresponde, no fundo e noutros termos, ao reconhecimento da crise por resolver do neoliberalismo.

Crise e oportunidade


Dito isto, uma coisa é identificar a natureza da crise, outra coisa é superá-la. Por mais que a imagem do pêndulo seja atractiva, a verdade é que não há nada de automático que conduza à reinstauração de um regime mais favorável aos salários e à procura. Após a crise dos anos '30, foram cruciais para isso a socialização da produção no contexto da 2ª Guerra Mundial, por um lado, e o espectro da "ameaça vermelha" a leste, por outro. O momento presente é, claramente, muito diferente. Mas neste entretecer da economia, da política e da história, o futuro está em aberto. Está-o sempre, aliás. E isso é tanto um perigo como uma oportunidade.


(publicado originalmente no Expresso online)

3 comentários:

Manuel Silva disse...

Eis como se pode explicar uma coisa complexa de forma simples mas rigorosa.
Obrigado Alexandre Abreu.

Diogo disse...

Continua-se a ver (tal como Marx) o mundo a preto e branco - Empresários versus Trabalhadores...

Ponto 1 - A automação e a informatização estão a acabar com o trabalho.


Ponto 2: Em 22 de Maio de 1920, Henry Ford escreveu no Jornal "The Dearborn Independent":

"Existe no mundo de hoje, ao que tudo indica, uma força financeira centralizada que está a levar a cabo um jogo gigantesco e secretamente organizado, tendo o mundo como tabuleiro e o controlo universal como aposta. As populações dos países civilizados perderam toda a confiança na explicação de que «as condições económicas» são responsáveis por todas as mudanças que ocorrem. Sob a camuflagem da «lei económica» muitíssimos fenómenos foram justificados, os quais não se deveram a nenhuma lei económica a não ser a do desejo egoísta humano operado por meia dúzia de homens que têm o objectivo e o poder de trabalhar a uma vasta escala com nações como vassalas."

Unknown disse...

"A automação e a informatização estão a acabar com o trabalho."

Também está a criar outros. Se o balanço é negativo, não sei.